7 Pecados Capitais: Quais São?

0
103

Em um contexto religioso, o pecado é um ato de transgressão da lei divina. Na ética islâmica, os muçulmanos consideram o pecado como tudo o que vai contra os mandamentos de Alá (Deus). O judaísmo considera a violação de um dos 613 mandamentos como um pecado, desde que o pecador esteja ciente do mandamento. No Jainismo, o pecado se refere a tudo aquilo que dificulta a capacidade do jiva de alcançar a moksha (emancipação suprema).

Bahá’í

Na crença Bahá’í, o Homem é naturalmente considerado um ser espiritual bom (perfeito) e fundamental. As pessoas foram criadas por causa do amor imensurável de Deus. Entretanto, os ensinamentos Bahá’ís comparam o coração humano a um espelho que, se ele se afasta da luz do sol (isto é, de Deus), é incapaz de receber o amor de Deus.

Budismo

Há algumas crenças budistas diferentes sobre o pecado. O autor zen americano Brad Warner afirma que não há conceito de pecado no budismo. A Associação de Educação Darma de Buda também declara explicitamente: “A ideia de pecado ou pecado original não tem lugar no budismo”.

No pensamento budista, todo o universo, incluindo os homens e deuses, está sujeito a uma regra de lei. Toda ação, boa ou ruim, tem um efeito inevitável e automático em uma longa cadeia de causas, um efeito que é independente da vontade de uma divindade. Mesmo que isso não deixe espaço para o conceito de pecado no sentido de um ato de resistência à autoridade de um deus pessoal, os budistas ainda falam de pecado quando falam de violações do código moral universal.

Anantarika-camma, no budismo Theravada, no entanto, é um crime horrível, que através de um processo cármico leva imediatamente ao desastre. No Budismo Mahayana, estes cinco crimes são chamados pañcānantarya (Pāli), e são mencionados no Sutra pregado pelo Buda sobre a erradicação total do Dharma. Os cinco crimes ou pecados são:

Ferir um Buda
Matar um Arhat
Criar cismas na sociedade de Sangha
Matricídio
Patricídio

Cristianismo

A doutrina do pecado está no centro do cristianismo, porque a sua mensagem fundamental diz respeito à salvação em Cristo. A Hamartiologia Cristã descreve o pecado como um ato de transgressão de Deus ao desprezar Sua pessoa e a lei bíblica cristã e ferir outros. De acordo com a opinião cristã, é um ato humano mau, que viola a natureza racional do Homem, mas também a natureza de Deus e sua lei eterna. De acordo com a definição clássica de Agostinho de Hipona, o pecado é “uma palavra, um ato ou um desejo em oposição à lei eterna de Deus”.

Para alguns estudiosos, o pecado é entendido principalmente como uma violação legal ou contratual de estruturas filosóficas não vinculantes e perspectivas da ética cristã, e assim a salvação é geralmente vista em termos legais.

Outros estudiosos cristãos consideram que o pecado é fundamentalmente relacional – perda do amor ao Deus cristão e aumento da auto-estima (“concupiscência” neste sentido), como propõe Agostinho em seu debate com os pelagianos. Assim como a definição legal de pecado, esta definição também influencia a compreensão da graça e salvação cristãs, que são assim consideradas em termos relacionais.

O Novo Testamento afirma que todos pecaram. Romanos 3:23 afirma: “porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus;”.

O pecado original, também conhecido como o pecado dos antepassados, é na fé cristã o estado de pecado em que a humanidade se encontra desde a queda da humanidade, após a rebelião de Adão e Eva no Paraíso, o pecado da desobediência no consumo do fruto proibido da árvore do conhecimento do bem e do mal.

Este estado de coisas tem sido caracterizado de muitas maneiras, desde algo tão insignificante como um defeito menor ou tendência ao pecado, mas sem culpa coletiva, chamada “natureza pecaminosa”, até algo tão drástico como a depravação total ou culpa automática de todos os homens através da culpa coletiva.

O conceito de pecado original foi mencionado pela primeira vez no segundo século por Ireneu, Bispo de Lyon, em sua controvérsia com alguns gnósticos dualistas. Outros pais da igreja, como Agostinho, também viram uma doutrina baseada na doutrina do Novo Testamento do Apóstolo Paulo (Romanos 5:12-21 e 1 Coríntios 15:21-22) e no versículo antigo de Salmos 51:5. Tertuliano, Cipriota, Ambrósio e Ambrósio acreditavam que a humanidade participava do pecado que foi transmitido através da geração humana. A formulação do pecado original de Agostinho depois de 412 AD foi popular entre reformadores protestantes como Martinho Lutero e João Calvino, que equiparam o pecado original à competição (ou “desejo ofensivo”) e confirmaram que ele durou mesmo depois do batismo e destruiu completamente a liberdade de fazer o bem. Antes de 412 BC Agostinho disse que o livre arbítrio estava enfraquecido, mas não destruído pelo pecado original. Mas depois de 412 a.C., transformou-se numa perda do livre arbítrio, exceto pelo pecado. O calvinismo agostiniano moderno sustenta este último ponto de vista. O movimento Jansenista, descrito pela Igreja Católica como Católico, também insistiu que o pecado original deveria destruir a liberdade de vontade e liberdade. Em vez disso, a Igreja Católica declara: “O batismo, ao dar a vida na graça de Cristo, apaga o pecado original e devolve o homem a Deus, mas as consequências para a natureza, enfraquecidas e propensas ao mal, persistem no homem e o chamam para uma luta espiritual”. “Enfraquecida pela queda de Adão, o livre arbítrio ainda não foi destruído na raça.

Hinduísmo

No hinduísmo, o pecado (papa) descreve ações que geram carma negativo ao violar códigos morais e éticos de conduta, que automaticamente têm consequências negativas, no sentido de que o pecado é considerado como um ato que contradiz as leis de Deus, conhecido como Dharma ou ordem moral, e a própria ordem, mas outro termo, o aparadha, é usado para crimes graves.

No entanto, o termo “papa” não pode ser tomado literalmente como o pecado que conhecemos, pois não há consenso sobre a natureza da realidade final ou Deus no hinduísmo. Somente a escola Vedanta é claramente teísta, enquanto nas outras cinco escolas, Samkhya, Nyaya, Yoga, Vaisheshika e Mīmāṃsā, não há Deus antropomórfico. No entanto, o termo “jiva”, no sentido mais estrito da palavra, refere-se a ações que têm consequências erradas/não favoráveis que não se referem a uma determinada vontade divina no sentido absoluto da palavra.

Islamismo

O pecado é um conceito importante na ética islâmica. Os muçulmanos vêem o pecado como qualquer coisa que viole os mandamentos de Deus (Alá), uma violação das leis e normas estabelecidas pela religião.O Islã ensina que o pecado é um ato e não um estado de ser. Acredita-se que Deus pesa as boas obras de um indivíduo contra seus pecados no Dia do Julgamento e pune aqueles cujas más obras superam as boas obras. Estas pessoas teriam sido condenadas à vida após a morte no fogo de Yahannam (inferno).

Os termos islâmicos para pecado incluem dhanb e khaṭīʾa, que são sinônimos e se referem a pecados deliberados; khiṭʾ, que significa simplesmente pecado; e ithm, que é usado para pecados graves.

Jainismo

No Jainismo, a palavra para pecado é a palavra sânscrita पाप (Paap), que é o oposto de पुण्य (Punya), que significa mérito.

Um Jiva (Atman ou alma) coleta karma quando ele recorre à violência, castidade, falsidade, mentiras, roubo e ganância, quando ele machuca alguém, engana alguém ou trais alguém através do pensamento, fala ou ação.Um Jiva deixa de colecionar karma quando se apaixona pelo Ratnatraya (gemas triplas do Jainismo): Samyak gyan (conhecimento correto), Samyak darshan (visão correta) e Samyak charitra (figura correta). Um Jiva começa a quebrar o karma acumulado, recorrendo ao arrependimento, votos e a estender os inimigos da luxúria, raiva, apego, aversão, ignorância e mal-entendido.

Nenhum Jiva pode alcançar o Moksha (libertação do samsara, o ciclo de morte e renascimento) sem parar a coleção de karma e remover completamente o karma já acumulado. Assim, tal jiva certamente permanecerá no ciclo mundano da reencarnação constante, no qual ele nasce de novo e de novo em cada uma das quatro grandes espécies de seres vivos, dependendo do tamanho e do tipo de karma acumulado em nascimentos anteriores. As quatro espécies são Dev (seres do céu, incluindo deuses), Manushya (humanos), Tiryanch (plantas, animais, insetos, etc.) e Naarki (seres do inferno).

Durante este ciclo de nascimento e morte para o infinito, o Jiva deve então viver a vida do organismo que ele é, e enquanto o viver, o Jiva irá novamente coletar mais karma. Isso levará novamente ao renascimento e a um aumento do karma. Então o ciclo continua.

Jains acredita que, para a libertação completa, não apenas o “karma pecaminoso”, mas também o “karma meritório” devem ser descartados. Isto significa que um Jiva só pode alcançar um verdadeiro Moksha se a alma estiver completa e absolutamente pura e não tiver acumulação. Por exemplo, os pecados podem levar o Jiva a renascer em Naraka (inferno) e os méritos podem levar o Jiva a renascer no céu. Mas o céu, como o inferno, é parte do ciclo mundano da reencarnação e não o mais alto moksha da alma. Então, se uma pessoa hipoteticamente continua a fazer apenas boas obras em sua vida, ela ainda não pode alcançar Moksha porque ela não jogou fora os pecados acumulados anteriormente através do arrependimento e do conhecimento.

Judaísmo

O judaísmo considera a violação de um dos 613 mandamentos como um pecado. O judaísmo ensina que o pecado é parte da vida, porque não há homem perfeito e todos tendem a fazer o mal “desde a sua juventude”. Alguns pecados são puníveis com a morte pelo tribunal, outros com a morte pelo céu, outros ainda com o açoitamento e outros ainda sem tal castigo, mas nenhum pecado cometido com intenção consciente é sem efeito. Pecados cometidos por falta de conhecimento não são considerados pecados, porque um pecado não pode ser considerado pecado se a pessoa que o cometeu não souber que estava errada. Os pecados não intencionais são considerados pecados menos graves.

No judaísmo, os pecados interpessoais são considerados muito mais graves do que os pecados do homem com Deus. Yom Kippur, o dia mais importante da conversão no judaísmo, pode pagar pelos pecados entre o homem e Deus, mas não pelos pecados entre o homem e seu próximo, ou seja, até que ele tenha acalmado seu amigo.

Quando o Templo ainda estava em Jerusalém, ofereceram Karbanot (sacrifícios) por seus crimes. O aspecto penitencial do karbanot foi cuidadosamente definido. Na maior parte das vezes, o karbanot não é apenas penitência por pecados não intencionais, isto é, pecados cometidos porque uma pessoa esqueceu que esta coisa era um pecado ou por acidente. Não é necessária penitência por violações cometidas sob coação ou falta de conhecimento e, na sua maioria, o karbanot não pode pagar por um pecado malicioso e deliberado. Além disso, os karbanots não têm penitência alguma, a menos que a pessoa que faz o sacrifício se arrependa sinceramente das suas ações antes de o fazer e compense uma pessoa que tenha sido prejudicada pela ofensa.

O judaísmo ensina que todo pecado intencional tem consequências. Os justos sofrem por seus pecados (através da humilhação, pobreza e sofrimento que Deus os envia) neste mundo e recebem sua recompensa no outro mundo. Intermediários (que não são completamente justos ou completamente ímpios), sofrem e se arrependem após a morte de seus pecados e então se juntam aos justos. Mesmo o mal não se arrepende nas portas do inferno. Tais pessoas prosperam neste mundo para receber sua recompensa por cada boa ação, mas não podem ser purificadas, porque não têm arrependimento ou não podem mostrar arrependimento. Este mundo, portanto, parece injusto onde os justos sofrem, enquanto os ímpios prosperam. Muitos grandes pensadores já pensaram nisso.

Quais São os Sete Pecados Capitais?null

Luxúria

A luxúria é uma forte paixão ou desejo ardente, especialmente no quis respeito aos desejos sexuais. A Bíblia fala do desejo em Timóteo 2:22: “Fujam também os desejos juvenis, mas buscai a justiça, fé, amor e paz”. A Bíblia também menciona o desejo nos seguintes versículos: Jó 31:1, Mateus 5:28, Filipenses 4:8, Tiago 1:14-15, 1 Pedro 2:11 e 1 João 2:16.

A castidade ou autocontrole cura a luxúria controlando a paixão e usando essa energia para o bem dos outros.

Gula

Gula é um consumo excessivo e contínuo de alimentos ou bebidas. Coríntios 10:31 diz: “portanto, quer comais, quer bebais, quer façais qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus. Outras referências bíblicas incluem: Salmo 78:17-19, Filipenses 3:19-20, Provérbios 23:1-3, Provérbios 23:19-21 e 1 Coríntios 3:16-17. A moderação cura a gula implantando o desejo de ser saudável, permitindo que um sirva aos outros.

Ganância

A ganância é uma busca excessiva de bens materiais. A Bíblia diz em Hebreus 13:5: “5 Que o teu comportamento seja sem desejo e se contente com o que tens. Outros textos bíblicos que mencionam a ganância são: Êxodo 20:17, Provérbios 11:24, Provérbios 28:25, Eclesiastes 5:10, Filipenses 4:6 e 1 Timóteo 6:9-10. Os outros textos bíblicos que falam de ganância são: Êxodo 20:17, Provérbios 11:24, Provérbios 28:25, Eclesiastes 5:10, Filipenses 4:6 e 1 Timóteo 6:9-10.

A caridade cura a ganância através do desejo de ajudar os outros antes de coletar tesouros para si mesmos.

Preguiça

Preguiça é preguiça excessiva ou incapacidade de agir e usar os seus talentos. Salomão falou do homem preguiçoso em Provérbios 6:6 e disse: “vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos, e sê sábio.” A Bíblia também fala da preguiça nos seguintes versículos: Provérbios 13:4, Provérbios 24:33-34, Romanos 12:11-13, Colossenses 3:23 e 2 Tessalonicenses 3:10. O cuidado ou diligência curam a preguiça, colocando os interesses dos outros acima de uma vida de conveniência e relaxamento.

Raiva

A raiva é forte ira e ódio por outra pessoa. A Bíblia fala da ira em Romanos 12:19: “Amados, nunca vos vingueis, mas deixai-a à ira de Deus, porque está escrito: “A vingança me pertence, e eu a mostrarei”, diz o Senhor. Versículos bíblicos adicionais incluem: Salmo 37:8, Provérbios 14:29, Provérbios 15:1, Efésios 4:26-27, Colossenses 3:8 e Tiago 1:19-20. A paciência cura a raiva através da compreensão das necessidades e desejos dos outros antes de agir ou falar.

Ciúme

O ciúme é o desejo intenso de ter um objeto que outra pessoa tem. A Bíblia diz em Provérbios 14:30: “Um coração saudável é vida para o corpo, mas a inveja apodrece para os ossos”. Outros textos bíblicos que mencionam inveja incluem: Jó 5:2, Salmo 37:1, Provérbios 24:19-20, Eclesiastes 4:4, Gálatas 5:26 e Tiago 3:14-16.

A bondade cura a inveja pelo desejo de ajudar os outros além da necessidade de substituí-los.

Orgulho

O orgulho é uma visão exagerada de si mesmo, sem consideração pelos outros. A Bíblia diz em Jeremias 9:23-24,”….não deixe o herói se gabar de seu poder…mas deixe o orgulhoso me entender e me conhecer…”…e o herói não é um herói. O orgulho também é mencionado nos versículos seguintes: Provérbios 8:13, Provérbios 16:18, Romanos 12:16, 1 Coríntios 13:4, Gálatas 6:3 e Tiago 4:6-7.

Humildade cura o orgulho, removendo e ostentando seu ego, permitindo a atitude de serviço.

7 Pecados Capitais: Quais São?
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente