A História do Xadrez

0
146

A origem do xadrez do jogo permanece um mistério, mas a versão mais aceita sugere que o xadrez foi inventado na Ásia, provavelmente na Índia, com o nome chaturanga, e de lá se espalhou para a China, Rússia, Pérsia e Europa, onde os regulamentos em vigor foram estabelecidos. No entanto, pesquisas recentes indicam uma possível origem chinesa, na região entre o Uzbequistão e a antiga Pérsia, que pode ser rastreada a partir do século III aC.

Um dos mais antigos registos literários sobre xadrez é o poema persa Kar-Namag i Ardashir i Pabagan, escrito no século VI, e a partir desta época a sua evolução é mais bem documentada e amplamente aceite no mundo acadêmico. Após a conquista da Pérsia pelos árabes, estes assimilaram o jogo e espalharam-no pelo Ocidente, levando-o para o Norte de África e Europa, e ainda hoje para a Espanha e Itália por volta do século X, de onde se estendeu para o resto do continente, chegando à região da Escandinávia e da Islândia. No Oriente, o xadrez expandiu-se da sua versão chinesa, Xiangqi, para a Coreia e Japão no século X.

No século XV, o jogo foi amplamente difundido na Europa e entre as variantes existentes do jogo, o europeu foi destacado pela velocidade indicada e também pela inclusão da senhora e do bispo. Embora a literatura de xadrez já existisse naquela época, foi nesse período que as primeiras análises de aberturas começaram a surgir devido às novas possibilidades de jogo.

Os jogos passaram a ser registrados com mais freqüência e mais estudos teóricos foram publicados. No século XVIII foram fundados na Europa os primeiros clubes de xadrez e federações desportivas e, devido ao grande número de pequenos torneios realizados em todo o continente, o primeiro torneio internacional foi realizado em Londres, em 1851. A popularidade das competições internacionais levou à criação do título de campeão mundial, conquistado por Wilhelm Steinitz em 1886, e, em 1924, foi fundada em Paris a Federação Internacional de Xadrez (FIDE), que organiza as primeiras Olimpíadas de Xadrez e o campeonato mundial feminino, conquistado por Vera Menchik.

No final da década de 1950, com a popularização dos computadores, começaram a surgir os primeiros programas de xadrez, que acompanharam a evolução do processamento de informações e introduziram o jogo na era moderna com competições online e facilitando a análise de jogos.

A Origem do Xadrez

A origem do xadrez permanece uma questão de debate entre os historiadores de xadrez,123 mas a teoria mais difundida é que ela foi criada na Índia durante o Império Gupta por volta do século VI.5 Esta teoria é confirmada pelos primeiros registros literários persas e pela análise da etimologia das palavras usadas no jogo e sua co-evolução com o xadrez.

No entanto, teorias alternativas propõem que o xadrez foi criado durante um período anterior, em lugares diferentes, como a China, o Irã e o Afeganistão.9 Essas versões exploram evidências arqueológicas, militares, e literárias de evidências filogenéticas para desafiar a teoria indiana. As semelhanças entre Chaturanga e Xiangqi, considerada a versão chinesa do xadrez, são exploradas indicando que esses jogos podem ter se influenciado mutuamente pelo contato entre civilizações através da rota da seda, assimilando alguns aspectos de suas regras e formando versões híbridas, que podem ser rastreadas até a antiga Grécia e a conquista da Ásia Menor por Alexandre o Grande no século III aC. A seguir estão algumas das semelhanças entre Chaturanga e Xiangqi, considerada a versão chinesa do xadrez, que são exploradas indicando que esses jogos podem ter se influenciado mutuamente pelo contato entre civilizações através da rota da seda, assimilando alguns aspectos de suas regras e formando versões híbridas,12 que podem ser rastreadas até a antiga Grécia e a conquista da Ásia Menor por Alexandre o Grande no século III aC. Existe a perspectiva de que, no futuro, novas análises da literatura existente e a descoberta de mais objetos arqueológicos na Índia e na China permitam clarificar definitivamente a origem do xadrez.

Índia

De acordo com Harold Murray, a análise filológica liga claramente o jogo à palavra chaturanga, que designava as quatro partes do exército indiano -carruagens, elefantes, cavalaria e infantaria – do século V a.C. Inicialmente, o jogo foi jogado no tabuleiro de Ashtāpada, outro jogo cujo significado foi estabelecido por volta do século V a.C., e sugeriu um objeto familiar.

Chaturanga é considerado o jogo mais antigo com características essenciais de definição de jogo encontradas em versões posteriores – dois jogadores se enfrentam em um arranjo inicial e simétrico de peças, com diferentes peças de movimento e vitória, dependendo da captura de uma única peça. Não é claro se o chaturanga usava dados para designar os seus movimentos, embora a grande maioria dos jogos indianos os utilizasse.

Uma das lendas sobre a origem indiana, contada no poema persa Chatrang Namag (c. Sec VII) e no livro persa Shāh-nāmeh (c. XI século) relata que um indonésio rajah enviou seu vizinho Tâtarîtos para a corte de Cosroes I Anôšag-Ruwan, Shah da Pérsia, com tributos e um desafio para descobrir as regras do chaturanga. Cosroes pediu quatro dias para resolver o enigma, depois de ter sido bem sucedido no tempo planejado.

O livro Shāh-nāmeh descreve mais duas lendas sobre a origem do xadrez. A primeira conta a lenda de Brahmin Sessa Ibn Daher, que criou o jogo a pedido de um rajah indiano e, como recompensa, pediu-lhe um grão de trigo para o primeiro xadrez do tabuleiro, duplicando progressivamente o montante para cada novo xadrez. A outra história conta que o jogo foi inventado, a pedido da mãe do rei Gav para provar que ele não tinha causado a morte de seu irmão Talhend durante uma batalha, reconstituído no tabuleiro.

China

Uma teoria alternativa afirma que o xadrez surgiu de Xiangqi ou de seus predecessores, que já existia na China a partir do século II aC. David H. Li, um contabilista aposentado e tradutor de textos chineses antigos, levantou a hipótese de que o General Han Xin foi inspirado por uma versão anterior do jogo Liubo para desenvolver uma versão primitiva do xadrez chinês no inverno de 204-203 AC.No entanto, o historiador alemão Peter Banaschak salienta que a teoria de Li não tem fundamento, afirmando que a obra “Xuanguai lu”, escrita pelo ministro de Niu Sengru (779-847) da dinastia Tang continua a ser a primeira fonte aceite da variante chinesa Xiangqi.

Irã

Os historiadores iranianos questionaram a ausência de evidência arqueológica anterior ao século IX na Índia, enquanto a evidência persa já era encontrada a partir do século VI, como uma hipótese da origem do xadrez pertencente à antiga Pérsia, hoje Irã. De fato, embora a literatura indiana anterior ao século VI seja rica, ela não faz menção específica do chaturanga como nome de um jogo, e que a evidência mais clara a esse respeito surgiu apenas no século IX. A etimologia também não seria objetiva com relação ao uso da palavra em sânscrito chaturanga, que significaria apenas “exército”, não ficando claro se é uma referência ao xadrez ou a algum outro jogo. A influência persa na nomenclatura, de cuja linguagem (pahlavi) vem a maioria das palavras relacionadas ao xadrez, também é considerada como um argumento a favor da teoria iraniana.

A figura do elefante como justificativa da origem indiana também é questionada. Esses animais não são exclusivos da Índia, sendo conhecidos desde a dinastia Ptoloméia no Egito, e são regularmente utilizados nos exércitos persas.28 As obras persa Chatranj namâg e Shāh-nāmeh, que indicam a origem do jogo a partir de outro reino a oeste, relacionado como Hind e que trouxe chaturanga à corte persa, poderiam indicar uma província oriental do império persa que inclui a moderna província de Sistan e Baluchistan, que durante o Império Aquemênida foi uma extensão da província de Khuzestan.

Shatranj foi introduzido na Europa pelos árabes por volta do século X, através da conquista da Espanha, onde rapidamente se tornou popular, atingindo todo o continente europeu no final do século XI. Restrições religiosas sobre a prática do xadrez permaneceram, embora continuem a ser desobedecidas tanto pela corte europeia como pelo clero. O primeiro registo literário em solo europeu, o poema de Scachis Versus, encontrado num mosteiro na Suíça, descreve o movimento das peças de xadrez, as regras do jogo e o tabuleiro com o padrão dicromático actualmente utilizado. As regras descritas eram ainda as mesmas que as do Shatranj; no entanto, este poema faz a primeira menção à Senhora (Regina, em latim), embora ainda com os mesmos movimentos de peões e regras diferentes para a promoção do peão, o que impediu a presença de duas senhoras no tabuleiro, seguindo a ordem de manter as regras da monogamia real.

Assim como entre os teólogos islâmicos, a prática do xadrez foi discutida entre os teólogos católicos e proibida, apesar das diferenças do direito canônico. Uma carta de Peter Damien, bispo de Ostia em cerca de 1061, ao Papa eleito Alexandre II discutiu o assunto. Até por volta do século XIV, a prática do xadrez foi proibida em várias ocasiões em diferentes países (França, Rússia, Inglaterra e Alemanha) e religiões (Igreja Ortodoxa, Judaísmo e Catolicismo).

Pouco a pouco, o jogo começou a ser aceito pela nobreza, sendo considerado um entretenimento adequado para cavaleiros, soldados, cruzados e ministros. Um homem também foi autorizado a visitar o quarto de uma senhora com a intenção de jogar xadrez.

Por volta de 1250 surgiram os primeiros sermões que usam o xadrez como metáfora para ensinar ética e moral. Essas obras foram chamadas de moralidades e tornaram-se muito populares na época. A primeira obra deste tipo foi Quaedam moralitas de scaccario de Innocentium papum (“A Moralidade Inocente”), de autoria do Papa Inocêncio III (1163-1216), um prolífico sermonista, e mais tarde de um frade franciscano chamado João de Gales (1220/90). Na segunda metade do século XIII, o monge Jacó de Cessolis publicou os sermões Liber de moribus Hominum et Officiis Nobilium Sive Super Ludo Scacchorum, uma obra que se tornou muito popular, sendo traduzida em várias línguas e a base do livro The Game and Playe of the Chesse, um dos primeiros livros impressos em inglês.

A Origem do Xadrez Moderno

No final do século XV, o jogo sofreu a principal alteração da sua história, com a substituição dos lentos Fers e Fil, respectivamente, pela Senhora e pelo Bispo. Três poetas valencianos Bernat Fenollar, Francí de Castellví e Narcís Vinyoles escreveram o poema alegórico Scachs d’amor, descrevendo pela primeira vez o movimento da rainha ou dama. Em 15 de Maio de [1495] foi publicado em Valência o “Llibre dels jochs partits dels schachs en nombre de 100”, onde o Segorbine Francesch Vicent, expôs as novas regras que se espalhariam pela Europa graças à imprensa. Esta nova versão do jogo que tinha surgido no sul da Europa rapidamente se tornou popular em todo o continente, tornando obsoleto todo o conhecimento anteriormente adquirido sobre a teoria das aberturas e terminações, devido à grande mobilidade das novas peças.Surgem então as primeiras análises e livros contemplando novas regras de Luis Ramírez de Lucena em Repetición de amores y arte de ajedrez (1497), Damiano em Questo Libro e da Imparare Giocare a Scachi (1512) e Ruy López de Segura em Libro de la invención liberal y arte del juego del axedrez (1561), este último sendo o jogador mais forte da época e o primeiro a formalizar as regras do roque num único movimento56 e a capturá-lo ao ritmo.Outros nomes como Paolo Boi, Polerio e Greco surgiram, que foram patronizados em diferentes tribunais, produzindo uma grande variedade de manuscritos com novas teorias em aberturas.

O Nascimento do Esporte

Em 1851 o primeiro internacional foi realizado em Londres, vencido por Adolf Anderssen. Desde então, vários torneios foram realizados em grandes cidades europeias como Londres (1862), Paris (1867), Baden-Baden (1870), Viena (1873), Berlim (1881) e Hastings (1895).

Neste período também apareceram os primeiros jogadores profissionais de xadrez, primeiro em Londres, o principal centro de xadrez da época, e mais tarde em outras cidades. Inicialmente, esses jogadores lutavam em seus clubes, muitas vezes simultânea e cegamente, cobrando pequenas quantias por isso. Com os torneios ganhando popularidade, os melhores jogadores se dedicaram a essas competições, como Joseph Henry Blackburne, Louis Paulsen, Wilhelm Steinitz, Johannes Zukertort, Cecil Valentine De Vere, Szymon Winawer, Isidor Gunsberg, Mikhail Chigorin, Samuel Rosenthal e Johannes Minckwitz.

Em 1886 Steinitz foi disputado entre Steinitz e Zukertort na primeira corrida oficial pelo título de campeão mundial, embora o termo já tivesse sido usado antes.72 Steinitz, o melhor jogador da época, venceu a corrida e manteve o título até 1894, quando foi derrotado por Emanuel Lasker.73 Novos jogadores surgiram então, além de Lasker, que usou um estilo de jogo mais posicional, conhecido como a moderna escola de xadrez, com nomes como: Siegbert Tarrasch, Frank Marshall, Dawid Janowski, Carl Schlechter, Akiba Rubinstein, Harry Nelson Pillsbury e Géza Maróczy.

Apesar dos primeiros conceitos da escola ortodoxa terem sido propostos por Steinitz, considerado fundador desta, apenas essa geração de jogadores, reconheceu o trabalho de Steinitz, incluindo Lasker, seu sucessor. O prodígio cubano José Raúl Capablanca surgiu, que conquistou o título mundial de Lasker em 1921, pondo fim ao domínio germânico dos jogadores europeus. Capablanca manteve oito anos invictos na competição, sendo considerado um ídolo do esporte e derrotado apenas em 1927 por Alexander Alekhine.

Depois da Primeira Guerra Mundial, o xadrez começou a ser revolucionado por um novo estilo, chamado hipermoderno, dos teóricos Richard Reti, Savielly Tartakower, Gyula Breyer e notoriamente Aaron Nimzowitsch, principal autor desta escola com a obra Mein System (Meu Sistema), que defendia o controle do centro à distância e o uso de bispos e aberturas flanqueadas.

A partir do torneio de São Petersburgo de 1914, as iniciativas para a criação de um corpo regulador do esporte cresceu. Finalmente, o FIDE foi criado em 1924. O primeiro evento organizado pela entidade foi a Olimpíada de Xadrez, vencida pela equipe húngara, e o Campeonato Mundial de Xadrez Feminino, vencido por Vera Menchik, realizado em Londres em 1927.

Os congressos FIDE de 1925 e 1926 já expressaram interesse em organizar também a Copa do Mundo Masculina, mas o prêmio de 10.000 dólares exigido por Capablanca era impraticável para a entidade, que decidiu criar um título paralelo de “Campeão FIDE” em 1928. Bogoljubow venceu contra Euwe, mas foi esquecido após sua derrota no próximo campeonato mundial em 1929 contra Alekhine, o então campeão mundial depois de derrotar Capablanca em 1927. Alekhine concordou em disputar o título organizado pela FIDE, exceto contra Capablanca, onde exigiu as mesmas condições de largada feitas em 1927.

Depois da revolução russa, os líderes da recém-formada União Soviética incentivaram o ensino do xadrez às grandes massas para treinar a mente e preparar a guerra em tempo de paz. O Estado assumiu o controle da organização de competições, incluindo eventos internacionais, como em Moscou em 1925. O incentivo do governo levou à criação da Escola de Xadrez Soviética, liderada pelo futuro campeão mundial Mikhail Botvinnik. A escola soviética defendia uma preparação física e psicológica que também incluía uma análise detalhada dos jogos dos adversários, a fim de explorar as fraquezas e fortalecer sua própria estratégia de confrontação.

Com o tempo, o duelo entre as máquinas (computadores) e o homem tornou-se mais pronunciado, e o xadrez não foi exceção. As primeiras tentativas dessa interação remontam ao século XIX, com tentativas de anotação automática de um jogo por meio de dispositivos eletromagnéticos no tabuleiro, conectados a um dispositivo de impressão. Na década de 1950, com o advento dos primeiros computadores, os cientistas da computação começaram imediatamente a desenvolver programas dedicados ao xadrez. Com o avanço da ciência da computação, os motores mais sofisticados passaram a incluir funções de avaliação, levando em conta a posição das peças para buscar as possibilidades de uma grande oferta de árvores de acordo com a estratégia de jogo. Em 1974 foi realizado o primeiro campeonato mundial dedicado exclusivamente a computadores, ganho pelo programa soviético Kaissa. Desde então, tais concursos tornaram-se rotina e, com o avanço da ciência da computação, o confronto homem-máquina atingiu o nível dos grandes mestres: Bent Larsen foi derrotado em 1988 por um computador em um torneio.

Em 1997, o supercomputador Deep Blue derrotou o campeão mundial ACP Kasparov em uma partida de seis jogos. O jogo foi amplamente coberto pela imprensa e foi considerado por Frederic Friedel como “o evento mais espetacular da história do xadrez”. Entretanto, Kasparov questionou algumas das jogadas feitas na equipe especificamente no jogo dois, gerando dúvidas sobre a intervenção humana nos jogos, o que foi negado pela IBM. Desde então, as vitórias de software na prática do xadrez contra Grand Masters tornaram-se mais frequentes, mesmo com equipamentos com capacidade de processamento inferior ao Deep Blue.

A História do Xadrez
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente