Barroco no Brasil [Literatura]

0
132

O barroco brasileiro ocorreu durante a maior parte da era colonial, o estilo artístico predominante encontrou um terreno receptivo para aflorar ricamente. Ele apareceu no início do século 17 no país, introduzido por missionários católicos, especialmente os jesuítas, que foram lá para catequizar os povos indígenas nativas e para cultivar e apoiar o Português durante a colonização. Durante o período colonial era uma estreita ligação entre a igreja e o estado, mas desde que não havia nenhum tribunal na colônia, que serviu como patrono, as elites não fazer até o final da era colonial, o esforço para construir palácios ou artes profanas para apadrinhar. e como a religião um enorme impacto na vida diária exercida todos os resultados desta série de fatores que a grande maioria dos ativos barroco brasileiro é a arte sacra: estátuas, pinturas e esculturas para decoração de igrejas e mosteiros, ou para fins privados de adoração.

As características mais típicas do barroco são geralmente descritas como um estilo dinâmico, narrativa, ornamentação, drama, educação contraste e plasticidade sedutora, dar um conteúdo programático que se articula com requintes de retórica e de grande pragmatismo. arte barroca era essencialmente arte funcional que era muito adequado para os seus fins: para além da sua função puramente decorativa, facilitou a aquisição da doutrina católica e os costumes tradicionais dos neófitos e tem sido um instrumento educacional e catequético eficaz. Logo os mais talentosos índios pacificadas e depois importados como escravos negros que foram expostos à cultura Português maciçamente, foram passados ​​de meros espectadores de suas expressões artísticas para os produtores que estavam principalmente preto responsável por uma grande parte da produzida na coleção barroca país. Os artesãos populares que estavam em uma sociedade no processo de integração e estabilização começaram a dar novas e originais características do barroco europeu, e por esta razão é assumido que esta aclimatação um dos primeiros indícios para o surgimento de um verdadeiro barroco representa a cultura brasileira.

Na literatura, o poema épico Prosopopeia (1601) de Bento Teixeira é visto como o primeiro personagem que culmina no poeta Gregório de Matos e no orador sagrado padre Antônio Vieira. Nas artes plásticas, seus maiores representantes foram Aleijadinho e Mestre Ataíde. No campo da arquitetura, essa escola foi principalmente enraizada no nordeste e em Minas Gerais, mas deixou numerosos e numerosos exemplos também esbanjando na maior parte do país, do Rio Grande do Sul ao Pará, mas em contraste com as outras artes quase nada veio resgatado. Com o desenvolvimento do neoclassicismo e do academismo nas primeiras décadas do século XIX, a tradição barroca na cultura de elite rapidamente caiu no esquecimento. Mas ele sobreviveu na cultura popular, especialmente nas regiões do interior, no trabalho de Santéiros e em alguns festivais.

Desde o início do século XX, os intelectuais modernistas iniciaram um processo de redenção do barroco nacional. Um grande número de edifícios e coleções de arte já foi protegido pelo governo em suas diversas instâncias por meio de gorjetas, musealizações ou outros processos para confirmar o reconhecimento oficial da importância do Barroco para a história da cultura brasileira. Os centros históricos barrocos como as cidades de Ouro Preto, Olinda e Salvador, bem como conjuntos artísticos como o santuário de Bom Jesus de Matosinhos, receberam o status de Patrimônio da Humanidade pelo selo da UNESCO. Esse precioso patrimônio é uma das principais atrações do turismo cultural do país e ao mesmo tempo se torna um ícone reconhecível do Brasil, tanto para locais como para estrangeiros. Apesar de sua importância, grande parte do patrimônio material do barroco brasileiro está em mau estado, exigindo restauração e outras medidas conservadoras, e muitas vezes todas as modalidades artísticas sofrem perda ou deterioração de cópias valiosas.

O país ainda tem muito a fazer para preservar uma parte tão importante de sua história, tradição e cultura. Por outro lado, a população em geral parece estar cada vez mais consciente da necessidade de proteger uma herança que pertence a todos e pode ser devolvida para o bem de todos, uma vantagem que também é econômica se bem gerida e mantida.

O Modelo Europeu e o Barroco no Brasil

O barroco surgiu na Itália, nascido na passagem do século XVI ao século XVII, em meio a uma das maiores crises espirituais que a Europa experimentou: a Reforma Protestante, tecida pela antiga unidade religiosa do continente e causando uma reorganização política internacional em Aqueles A outrora todo-poderosa Igreja Católica perdeu força e espaço. Foi uma reação ao estilo renascentista do classicismo, cujas bases giravam em torno da simetria, proporcionalidade, economia, racionalidade e equilíbrio formal.

Assim, a estética barroca por assimetria, o excesso, o significativo e o irregular, de tal modo que até o termo “barroco”, que denominava o estilo, referia-se a uma pérola de forma bizarra e irregular. Além de uma tendência estética, essas qualidades foram um verdadeiro modo de vida e tom de toda a duração da cultura, uma cultura que enfatiza o contraste, o conflito, a dinâmica, o dramático, o rechonchudo, delimitando, juntamente com uma preferência marcada pela opulência de formas e materiais, é um veículo perfeito para a Igreja Católica e as contra-monarquias absolutas fazem subir visivelmente seu ideal de glória e esplendor.

As estruturas monumentais construídas durante o barroco, como os palácios e grandes teatros e igrejas, procuraram criar uma influência na natureza espetacular, exuberante, uma integração entre as diferentes linguagens artísticas e mantém o espectador em uma atmosfera catártica, climática, dedicada e apaixonada, Esta estética tem sido largamente adotada na Península Ibérica, especialmente em Portugal, cuja cultura e essencialmente católica e monárquica, onde oficialmente ligada a igreja e estado e está limitada a fronteiras frágeis e indistintas entre público e privado, foi impregnada de milenarismo e misticismo , que prefere uma religiosidade onipresente e supersticiosa marcada pela intensidade emocional. E de Portugal, o movimento mudou-se para a sua colônia na América, onde o contexto cultural dos povos indígenas, marcado por rituais e festivais, proporcionou um fundo receptivo.

O Barroco no Brasil nasceu quando cerca de cem anos se passaram desde a colonização portuguesa. Nas primeiras aldeias, a população já havia se multiplicado, e algumas culturas indígenas já tinham criado raízes, embora os colonos ainda dessem problemas para configurar uma infra-estrutura substancial – contra uma natureza ainda selvagem e não indígenas amigáveis ​​- para que seu status de colônia pudesse ser fortemente explorado pela metrópole. Nesta sociedade fundadora, a escravidão foi estabelecida como a base do poder produtivo.

O Barroco nasceu, portanto, em um campo de luta e conquista, mas não menos deslumbrante contra a paisagem magnífica, um sentimento proclamado pelos colonos desde o início. Desabrochando nos longos séculos de construção de uma nova e imensurável terra e sendo uma corrente estética cuja essência e vida contrastam com o drama, o excesso e a maravilha. Talvez até por essa razão, isso poderia refletir o tamanho continental da empresa colonizadora, que deixa um conjunto de obras-primas igualmente grandiosas. O barroco, no entanto, era mais do que uma tendência estética, era um movimento cultural que permeava todas as esferas e camadas sociais e criava todo um modo de vida. O barroco é, portanto, confuso e molda muitos da identidade nacional e do passado. De acordo com Benedito Lima de Toledo “este é um fato básico: Por mais de três séculos de barroco traduz as aspirações e as contradições da sociedade brasileira e está ansioso para encontrar seu próprio caminho, é a arte que as aspirações da nação no Brasil para. expressa sua longa busca de auto-afirmação “e não por acaso” Affonso Romano de Sant’Anna chamou de “a alma do Brasil.”

O barroco brasileiro foi caracterizado por uma complexa rede de influências europeias e adaptações locais, mas geralmente caracterizada pela interpretação portuguesa do estilo. Deve ser lembrado que o contexto em que o barroco evoluiu na colônia foi completamente diferente daquele que o desencadeou na Europa. Tudo estava “para fazer” aqui. Por isso, apesar do ouro nas igrejas nacionais, o barroco brasileiro já era acusado de pobreza e ingenuidade em relação ao barroco europeu. De fato, uma técnica rudimentar desenvolvida por artesãos com pouca experiência, inclusive escravos, mulatos e até índios. Mas este mestiço, ingenuidade e inculturação é um dos elementos que lhe dá originalidade e tipicidade.

Além disso, a comunicação entre os primeiros centros de povoamento na costa não era fácil, muitas vezes era mais prático ir diretamente a Lisboa para tudo. Era natural que, até o século XVII, os ensaios de arte brasileiros fossem frequentemente realizados em condições precárias de improvisação e amadorismo, sem muito conhecimento do que acontecia em outras partes da colônia, levando a interpretações idiossincráticas do estilo. O contato frequente com a metrópole permitiu o acesso da arte colonial a uma fonte ininterrupta de novas informações, sem afetar as variações e interpretações locais. E certamente havia muitos mestres instruídos que se tornaram diretores no início, portugueses e depois muitos brasileiros. Isso deve incluir os exemplos mais ricos e refinados da produção barroca. Os religiosos que trabalham no Brasil, de muitos países, incluindo muitos escritores, arquitetos, pintores e escultores, que geralmente eram muito bem preparados e talentosos, contribuíram significativamente para essa complexidade e trouxeram sua variada educação em países como Espanha, Itália e a França, além de Portugal, serviram de propagador.

O contato com o Oriente, através de empresas de comércio marítimo, também seus vestígios, visíveis em algumas pinturas orientativas em laca, porcelana e figuras de marfim. No início do século XVIII, como havia melhor comunicação interna e melhores condições de trabalho, começou em vários tratados teóricos de oficinas de países e manuais práticos europeus sobre arte e artistas locais ansiosos para recriar gravuras de obras europeias, antigos procurados para circular e coeval que eles Uma iconografia muito heterogênea foi usada como modelo formal e adaptada em criações nacionais em larga escala. A partir de 1760 foi conduzido pela penetração da influência francesa, em outro ramo, elegante, variado e leve, chamado rococó, que floresceu em expressão nas igrejas mineiras. Neste caldeirão de diversas influências, até elementos de estilo, como o gótico e o renascentista, já são obsoletos. É o resultado de todos esses cruzamentos do barroco único, eclético e por vezes contraditório nascido que hoje se espalha ao longo de praticamente toda a costa do país e grande parte do seu interior. A região amazônica foi a menos afetada quando foi preenchida pela última vez. O sul do Brasil ganhou essencialmente a partir de meados do século XVIII, também é relativamente baixo em herança barroca.

Barroco no Brasil [Literatura]
5 (100%) 1 voto

Receba nossas atualizações grátis!

Comente