Cálculo de FGTS

0
41

História da Economia

A história da economia é o estudo de economias ou fenômenos econômicos passados. A análise da história econômica é realizada utilizando uma combinação de métodos históricos, métodos estatísticos e a aplicação da teoria econômica a situações e instituições históricas. O tema abrange a história financeira e comercial e sobrepõe-se a áreas da história social, como a história demográfica e laboral. O estudo quantitativo – neste caso, econométrico – da história econômica também é chamado de cliometria.

Na Alemanha, no final do século XIX, cientistas de várias universidades sob a direção de Gustav von Schmoller desenvolveram a escola histórica da história econômica. Ele ignorou as abordagens quantitativas e matemáticas. Durante a maior parte do século XX, a abordagem histórica dominou as bolsas de valores alemãs e francesas. A abordagem foi alargada à Grã-Bretanha por William Ashley, 1860-1927, e dominou a história econômica britânica durante grande parte do século XX. O primeiro professor britânico neste campo foi George Unwin, da Universidade de Manchester. Em França, a história econômica foi fortemente influenciada pela escola Annales desde o início do século XX até aos nossos dias. Tem uma influência mundial através da sua revista Annales. História, Ciências Sociais.

O tratamento da história econômica como uma disciplina acadêmica separada tem sido um assunto controverso por muitos anos. Acadêmicos da London School of Economics e da Universidade de Cambridge tiveram muitas disputas sobre a separação da economia e da história econômica durante o período entre guerras. Os economistas de Cambridge acreditavam que a economia pura fazia parte da história econômica e que os dois estavam inextricavelmente ligados. Os economistas da LSE acreditavam que a história econômica justificava um curso, programa de pesquisa e cadeira universitária separados da economia geral.

No início do período de desenvolvimento, o sujeito ganhou a posição da LSE para separar a história econômica da economia. Muitas universidades no Reino Unido desenvolveram programas de história econômica independentes baseados no modelo LSE. A Sociedade de História Econômica foi fundada na LSE em 1926 e a Universidade de Cambridge finalmente estabeleceu seu próprio programa de história econômica. No entanto, nos últimos vinte anos, no Reino Unido, estes programas individuais foram encerrados em grande escala e o domínio foi integrado nos departamentos de história ou de economia. Apenas a LSE e a Universidade de Edimburgo têm um Departamento separado de História Econômica e um programa de bacharelato e mestrado independentes em História Econômica. Cambridge, Glasgow, LSE e Oxford juntos formam a grande maioria dos historiadores econômicos que agora passam pelo ensino superior britânico.

O que é FGTS?

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) é um fundo criado para proteger os empregados demitidos sem motivo válido. Ao abrir uma conta vinculada ao contrato de trabalho, o empregador paga, no início de cada mês e em nome dos empregados, em conta da Caixa Econômica Federal, um valor correspondente a 8% do salário bruto de cada empregado, e para os contratos de trabalho firmados nos termos da Lei nº 11.180/05 (contrato de aprendizagem), o percentual é reduzido para 2% e, finalmente, a taxa corresponde a 11,2%, ou seja, 8% sob a forma de pagamento mensal e 3,2% sob a forma de aviso prévio de rescisão.

Foi criada durante a ditadura militar por uma lei promulgada em 13 de setembro de 1966 pelo então Presidente da República, Marechal Castelo Branco. Naquela época, com Octávio Gouveia de Bulhões no Ministério da Fazenda e Roberto Campos à frente do planejamento, a criação do FGTS fazia parte das reformas institucionais e dos ajustes econômicos realizados pelos detentores de carteira após a lei institucional de 1964.

Foi criada no governo de Castelo Branco e atualmente é regida pela Lei nº 8.036, de 1990, e pelo Decreto nº 99.684, de 1990.

Até 13 de setembro de 1966, quando foi criado o FGTS, havia apenas uma garantia de emprego para o trabalhador: dez anos de estabilidade. Aconteceu quando o empregado tinha trabalhado numa empresa durante 10 anos e a empresa tinha estabilizado nessa altura. Com base na estabilidade obtida, o contrato de trabalho do trabalhador só poderia ser rescindido se houvesse uma razão válida, mesmo depois de o erro grave ter sido estabelecido através de uma investigação que tivesse verificado o mérito da acusação. Em caso de demissão do empregado, seu pedido só será válido se for feito com a ajuda do Sindicato ou do Ministério do Trabalho, ou mesmo da Justiça do Trabalho.

Sob esse sistema de estabilidade, os trabalhadores empregados por mais de um ano que foram demitidos antes do final da década receberam uma remuneração equivalente ao valor de um mês de salário por ano trabalhado. Após mais de 10 anos de serviço, para dar substância à garantia de estabilidade, o valor desta compensação duplicou.

Para fazer face a esta compensação, algumas empresas forneceram elas próprias cerca de um duodécimo do valor do salário do trabalhador, a fim de disporem do montante necessário para cobrir estes custos em caso de despedimento do trabalhador. Muitas empresas compreenderam que, mesmo que fornecessem um certo montante de compensação, esta representava, em última análise, um valor muito elevado. Portanto, nem todos os empregadores estavam preparados. Por exemplo, na prática, muitos trabalhadores foram despedidos pouco antes do final da década ou não receberam a devida indemnização e foram forçados a levar o seu caso a tribunal.

A estabilidade de 10 anos foi considerada um fardo demasiado pesado para as empresas, uma vez que os empresários consideravam que não tinha qualquer valor acrescentado para a sociedade no seu conjunto. Ao longo dos anos, o governo também constatou que o regime de estabilização não beneficiou os trabalhadores, porque as empresas não permitiram que o trabalhador completasse a década necessária. A solução encontrada foi assumir o regime do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) – introduzido na comunidade jurídica pela Lei n.º 5.107.

O novo regime, que não terminou com o anterior, era uma alternativa ao regime de estabilidade de dez anos. Os trabalhadores podem optar pelo novo regime – FGTS – ou permanecer no regime anterior – dez anos de estabilidade. Para isso, os empregadores devem indicar na carteira de empregos do empregado se optaram ou não pelo FGTS.

A nova lei criou um fundo de recursos, disponibilizado pelos empregadores, através do depósito de 8% do salário do empregado, que é exigido durante todo o período de vigência do acordo. Independentemente da escolha do empregado, o empregador era obrigado a depositar o valor do FGTS em uma conta específica, em nome do empregado, como “não otimizado”.

O regime de estabilidade de dez anos para os trabalhadores em geral deixou de existir desde a entrada em vigor da Constituição Federal de 5 de Outubro de 1988. Assim, a Lei nº 5.107 foi revogada pela Lei nº 7.839, de 1989, que também estabeleceu regras para os casos de empregados que não optaram pelo regime do FGTS na época da Constituição de 1988. A Lei 7839/89 foi posteriormente revogada pela Lei 8036/90, que atualmente rege o regime do FGTS.

Os recursos do FGTS têm sido e continuam sendo remunerados com baixas taxas de juros e ajustes monetários e serviriam inicialmente para financiar investimentos em habitação e infraestrutura, especialmente em saneamento básico.

Como vimos desde 5 de outubro de 1988, com a adoção e publicação da Constituição Federal, a estabilidade de emprego dos trabalhadores abrangidos pela consolidação das leis trabalhistas (CLT) foi abolida, enquanto apenas aqueles que haviam trabalhado para a mesma empresa por 10 anos permaneceram estáveis. Desde então, todos os funcionários do estado dos Celetistas foram obrigados a escolher o FGTS.

Entre as críticas mais comuns ao fundo está o fato de sua renda ser inferior à de investimentos como poupança, a conta do fundo não é ajustada pela taxa de inflação oficial, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, mas pelo índice de referência (TR).

Em dezembro de 2016. O então ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou que o governo está investigando a possibilidade de usar o FGTS para pagar dívidas. A medida não foi bem adotada pelo Protesto, o que pode complicar ainda mais a situação dos consumidores, especialmente os já endividados.

Em 2017, o Presidente Michel Temer assinou um decreto que autorizava a retirada do valor do FGTS, mas apenas as contas do FGTS que estavam pendentes até ao último dia de 2015. Segundo a Caixa, 88% da quota retirada foi utilizada. A conclusão da economista Cecília Machado é que o empregado não quer manter seu dinheiro na conta do FGTS: “Não está claro se o pagamento está ocorrendo porque é uma poupança que o empregado não quereria fazer ou se o pagamento é justificado pela baixa taxa de retorno do FGTS. (……..) [Mas o FGTS] é um instrumento governamental imponente que não tem escolha por parte do empregado, constituindo um mecanismo de repressão financeira.

Um certificado negativo do FGTS é um certificado que confirma o estatuto regular do empregador no que diz respeito ao desembolso de fundos do Fundo de Garantia para a cessação do contrato de trabalho.

O Certificado de Regularidade do FGTS, também conhecido como CRF FGTS, é utilizado para confirmar que a empresa está em dia com os pagamentos de seus empregados e com a previdência social. Este documento é um requisito obrigatório para as empresas que participam de licitações, assinam contratos com o governo e até mesmo compram e vendem imóveis, imóveis e licitações públicas. Este documento pode também ser exigido no caso de uma auditoria fiscal realizada pelo Ministério do Trabalho.

O Certificado de Regularidade do FGTS é o único documento emitido pela Caixa Econômica Federal. O CRF é obrigado a retirar o FGTS inativo, comprovar a inexistência de vínculo empregatício e comprovar que o contribuinte não possui pendências relacionadas aos benefícios.

Um certificado negativo do FGTS só é concedido a uma empresa se ela estiver em dia com todas as suas obrigações trabalhistas.

O governo do presidente Jair Bolsonaro anunciou em março de 2019 que liberaria uma certa porcentagem das contas dos trabalhadores ativos e inativos do FGTS para serem retirados a fim de superaquecer a economia. A ideia era que a liberação ocorresse logo após a reforma do sistema de seguridade social, que entrou em vigor em uma votação no Senado em junho de 2019. Com o adiamento deste processo para Agosto do mesmo ano, o processo de análise do Fundo de Garantia foi acelerado pelo Ministro da Economia, Paul Guedes, que pretende interpor recurso em Julho de 2019.

A ideia é permitir que o saque seja inversamente proporcional ao saldo da conta.

35% das contas com saldo máximo de R$5.000;
30% das contas com saldo máximo de R$10.000;
10% das contas com saldo superior a R$10.000.

Espera-se que este processo vai injetar mais de 42 bilhões de euros na economia, e a retirada será gradual: cada funcionário será capaz de se aposentar naquele momento de seu mês de aniversário.

Como o Cálculo de FGTS é Feito?

Para você calcular o FGTS, deve informar o salário bruto (o salário bruto incluído no portfólio de trabalho) e quanto tempo você recebeu esse dinheiro (anos e meses). Portanto, a calculadora informa quanto FGTS você deve ter recebido, levando em conta essas condições.

Importante: Se você trabalhou como empregado em mais de um local (com um carteira de trabalho assinada), calcule os valores de todos os salários que recebeu e adicione-os todos juntos. Só então o cálculo do FGTS estará mais próximo do que realmente pode haver um saldo em sua conta.

Calcule o seu FGTS aqui:
https://www.calculador.com.br/calculo/fgts

Este cálculo é aproximado porque o valor do FGTS pode ser maior se houver um aumento salarial no período a que se referem as informações.

Se você foi demitido e quer saber quanto você recebe do FGTS, há duas maneiras. Para conhecer o saldo disponível do FGTS e confirmar que as empresas efetuaram os depósitos corretamente, você pode verificar o saldo do seu FGTS no site da Caixa ou receber o saldo do FGTS mensalmente pelo seu celular, sem ter que pagar nada por ele.

Cálculo de FGTS
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente