Civilização Persa [História]

0
547

civilização persa se desenvolveu onde hoje existe o atual Irã. É um planalto na Ásia, vizinho à Mesopotâmia, que foi testemunha de  importantes eventos históricos. Este planalto, que ocupa dois milhões de quilômetros quadrados, pode ser delimitado:

  • Para o oeste: os vales do Tigre e do Eufrates (de onde são separados pelas montanhas de Zagros);
  • Para o leste: o vale do rio Indo;
  • Para o norte: o mar Cáspio e o Turquestão;
  • Para o sul: o Golfo Pérsico e o Oceano Índico.

O coração do seu território é uma zona deserta, cercada por altas montanhas. As terras férteis, aptas para cultivo e pecuária, são encontradas nas encostas e nos vales dessas montanhas. No presente, a região é ocupada pelos estados do Irã, Afeganistão e Paquistão.

Nos tempos antigos, foi o local escolhido por dois povos para se estabelecer e desenvolver sua civilização: os medos e os persas.

Esses povos pertenciam à família linguística dos indo-europeus ou arianos, também integrada pelos hititas, os mitanni, os cassitas, os jônios, os eólios e os aqueus, entre outros. Ao comparar as características de suas línguas, supunha-se que elas formavam um povo que em um ponto estava unido. Seu lugar de origem não pode ser estabelecido com precisão: poderia ter sido no norte da Europa (na região da atual Polônia), no centro da Ásia ou nas zonas próximas ao mar Negro e ao mar Cáspio. O primeiro elemento que os tornou poderosos foi a domesticação do cavalo, que constituía um novo e importante recurso militar. Mais tarde, a utilização de carros de guerra e de guerra os transformaria em temíveis guerreiros.

À medida que se expandiam, instalaram-se em diferentes áreas e formaram nações distintas. Os hititas, por exemplo, estabeleceram-se na Anatólia; os jônios, eolianos e aqueus, na Grécia; os índios, nos vales dos rios Indus e Ganges.

No final do segundo milênio aC, os medos e os persas chegaram aos férteis vales das montanhas Zagros. Na área paralela à Assíria, os medos se estabeleceram e, no golfo Pérsico, os persas se instalaram.

O Povo Medo

Um povo de pastores arianos, ao se estabelecerem, começaram a praticar a agricultura. Sua organização era inicialmente tribal, isto é, eles eram divididos em tribos que uniriam, no caso de guerra, contra um inimigo comum.

Nos séculos IX e VIII aC foram subjugados a tributo por seus poderosos vizinhos da Mesopotâmia: os assírios, que também dominavam os persas.

No final do século VIII aC, os medos organizaram um estado e subjugaram os persas. Eles permaneceram sob o domínio assírio apenas o sam até que seu rei Cyaxares se uniu com o rei babilônico Nabopolassar e juntos eles planejavam pôr fim à dominação assíria. Este empreendimento foi bem sucedido.

No seu final, Cyaxares e o rei caldeu dividiram os territórios dos assírios; para os medos foi deixado a Mesopotâmia Superior e o oeste do Irã.

Sua hegemonia terminou no século VI aC, quando surgiu um novo poder, o de seus irmãos, os persas.

O Povo Persa

Os antigos persas desenvolveriam uma nova política de expansão que os transformaria em donos do Oriente Próximo.

No começo, eles foram divididos em 10 ou 12 tribos, cujos chefes tinham o título de rei. Não houve acordo entre eles para unificar em uma tribo, por causa da qual eles sofreram a dominação dos medos. Segundo a tradição, os aquemênes, que guiavam os persas para o sul, fundaram a dinastia aquemênida, à qual pertenciam os grandes reis que viriam depois.

Mas foi Ciro quem conseguiu a unificação das distintas tribos em que os persas estavam divididos, para depois derrubar os medos e pôr fim à sua supremacia. Ciro converteu a cidade de Susa na capital do novo estado em 550 aC e decidiu iniciar uma política de conquistas dos territórios vizinhos.

Depois de impor-se sobre os medos, dirigiu-se contra o reino lídio. Este reino, localizado nas costas da Ásia Menor, era famoso por sua riqueza e por ser o centro vital das comunicações, dado que as rotas de comércio com a Grécia passavam por ali.

Ciro também incorporou as cidades gregas da Ásia Menor em seus domínios. Ele dirigiu-se contra o Império Neo-Babilônico, que ele conquistou rapidamente; Ele anexou, assim, a Mesopotâmia e suas dependências sírias aos domínios persas (1538 aC). Em sua morte, seu filho Cambises continuou o trabalho expansivo, dirigindo-se ao Egito e conquistando-o facilmente (525 aC).

Durante sua ausência, os Magi Gaumata, representantes do clã sacerdotal, provocaram uma revolta e assumiram o trono. Cambises tentou retornar do Egito, mas morreu repentinamente na jornada. Dario, marido de uma filha de Ciro, organizou uma rebelião de nobres contra o usurpador do trono, o Magi Gaumata, e o derrubou. Assim ele se tornou o novo rei dos persas. Ele seria o verdadeiro organizador do império e com quem alcançaria seu maior esplendor.

As Fronteiras do Império Persa

As bordas atingiram sua extensão máxima. Dario conquistou para o leste todos os territórios até o vale do rio Indo, e para o oeste, Trácia e Macedônia. Mais tarde, ele tentou subjugar as cidades gregas, o que provocou a Primeira Guerra Greco-Persa. Esta campanha, em 490 aC, foi o único fracasso de Dario. Dez anos depois, em 480 aC, seu filho Xerxes novamente tentou a conquista da Grécia, dando origem à Segunda Guerra Greco-Persa, mas ele fracassou como seu pai.

Império Persa foi sustentado, de uma forma ou de outra, por mais 150 anos, até que em 330 aC foi incorporado por Alexandre da Macedônia em seu império.

O objetivo primordial da política persa era alcançar uma hegemonia universal: isto é, a conquista de todos os territórios conhecidos da época.

A superioridade de seu exército foi devido à tática de assalto com arqueiros a cavalo. Era composto por 10.000 guerreiros chamados “Os Imortais” porque o seu número não mudou apesar das perdas, dado que estes foram imediatamente substituídos para manter o número constante.

Síntese das conquistas persas

  • Ciro: Mídia, Ásia Menor (Lídia), Babilônia, Síria e Palestina. Irã para a Índia.
  • Cambises: Egito e expedições para as áreas vizinhas (Etiópia, Líbia)
  • Dario: Território do Vale do Rio Indo, Trácia e Macedônia (a oeste)

Organização da Civilização Persa

O grande império dos persas tinha uma estrutura bem organizada, diferente de outros impérios, como os assírios, que baseavam seu domínio apenas no terror.

A organização era uma necessidade premente para o Império Aquemênida. Eles conseguiram com grande habilidade o mosaico de países de diversas raças, religiões, línguas, tradições e economias que formaram seu Estado. Eles geralmente respeitavam a classe dominante de cada região, à qual acrescentavam um aparato administrativo persa controlado das grandes capitais como Pasárgada, Persépolis e Susa.

Além disso, eles toleraram as tradições e manifestações culturais dos povos subjugados. Sua principal preocupação era o pagamento regular de tributos. Assim dividiram o império em vinte províncias ou satrapias. Cada um tinha que entregar anualmente uma quantidade determinada de seus produtos característicos: metais, pedras preciosas, grãos ou gado.

Para facilitar as comunicações, eles construíram a grande estrada real, que atravessou todo o Oriente Próximo, da Anatólia ao Irã. Nos seus postes de rastreamento e relés foram colocados, em razão da extensão de seu alcance.

Os persas eram os únicos isentos do pagamento de tributos. Eles mantinham as cargas mais altas na hierarquia, tanto no nível administrativo quanto nas forças armadas.

No topo do império, o monarca foi encontrado. O poder do rei não era nada absoluto nem ninguém era capaz de competir com sua autoridade. Os persas tiveram a idéia de que o rei recebeu sua autoridade de seu deus (Ahura-Mazda) por quem ele foi escolhido. O monarca, além disso, deve ser o modelo para todos os seus guerreiros: montando a cavalo, atirando um arco e ser o líder em exercícios físicos. Ele foi chamado o Grande Rei ou o Rei dos Reis.

A administração imperial era composta de vários funcionários:

Sátrapas eram nobres persas que estavam à frente de uma província ou satrapia. Eles representavam o rei na província e consideravam-se unidos a ele por um nó de fidelidade na defesa e administração de bens. Ocuparam-se da arrecadação de tributos, da manutenção de exércitos permanentes e da mobilização da população para cooperar em obras públicas. Eles foram considerados a mais alta autoridade judicial nos territórios sob sua responsabilidade.

Os secretários completaram as funções dos conselheiros reais do sátrapa. O rei os nomeou diretamente. Entre suas responsabilidades foi encontrado que de investigar o governador da província.

Os inspetores formaram um grupo de auditores que controlavam os interesses do rei, observando os sátrapas. Eles eram chamados de olhos e ouvidos do rei porque informavam-no de tudo o que acontecia no império e se suas ordens eram cumpridas. Se as circunstâncias exigissem, eles poderiam dispensar o sátrapa.

Em síntese, a política imperial seguida pelos persas procurou conciliar unidade com diversidade, respeitando, por um lado, os regionalismos em cultura e tradições, e impondo, por outro lado, uma centralização no pagamento de tributos e na prestação de serviços militares, elementos decisivos para sua sobrevivência.

A organização econômica do colossal Império Persa era tributária. Todas as províncias estavam sujeitas ao pagamento de impostos, em espécie ou em lingotes de metais preciosos, de acordo com suas produções. O Egito enviou trigo; a região da mídia, pecuária (ovelhas, mulas); a satrapia do Indo, cães de caça e areias auríferas. Outros povos, embora não integrados ao império, também enviaram presentes; por exemplo, a Etiópia enviou ouro, madeira de ébano e presas de elefante.

A unidade política e administrativa que eles impuseram facilitou os intercâmbios. Os comerciantes tinham maior segurança e melhores sistemas de comunicação para o seu trabalho. Isto implicou um grande desenvolvimento no comércio, que foi favorecido, além de um novo costume: a utilização do dinheiro. Concebida como uma peça metálica emitida, era útil para facilitar as trocas e como uma medida comum para o preço dos objetos. Sua invenção é atribuída aos lídios, que formaram um Estado nas costas da Ásia Menor, onde passou uma importante rota comercial.

Os persas, ao incorporarem o reino lídio em seu império, tomaram o costume monetário e o impuseram em todo o seu Estado. Ou seja, eles espalham o uso do dinheiro por todo o Oriente Próximo. Desta forma, eles deram uma grande contribuição para o desenvolvimento comercial; As dificuldades que o escambo produzia para a troca de mercadorias diminuíam e as transações adquiriam maior agilidade e rapidez.

Como Era a Sociedade Persa?

Como em todas as nações da época sempre existiram desigualdades sociais: a sociedade era muito hierárquica e os distintos setores sociais estavam separados por barreiras muito rigorosas. No topo da pirâmide foi encontrado, naturalmente, o rei.

Imediatamente abaixo do soberano, encontramos os representantes das grandes famílias da nobreza persa. Da aristocracia dos persas e medos vinha o pessoal da corte e, de seu coração, os sátrapas eram recrutados. Alguns dos soberanos dos países conquistados foram elevados, às vezes, à categoria de sátrapa sem, no entanto, serem assimilados pela nobreza iraniana. Essa aristocracia estava ocupada, acima de tudo, com a guerra e a caça. A grande massa da população era composta pelos camponeses, que eram homens livres, que podiam ser proprietários de terras, como já vimos.

Entre a nobreza e as massas rurais foram encontrados os sacerdotes ou magos, que, apesar das reformas religiosas realizadas por Zaratustra (também chamado Zoroastro), ocuparam um lugar muito importante no império. Eles nunca renunciaram completamente às suas ambições políticas, e os reis frequentemente tentavam limitar sua influência.

Nas categorias secundárias, os artesãos foram incluídos, às vezes confundidos com artistas; Aparentemente, existem na sociedade persa elementos de uma organização social de castas, o que é normal em um povo ariano, relacionado àqueles que estabeleceram o sistema na Índia depois de conquistá-lo.

Os persas não eram hostis aos estrangeiros e os recebiam de bom grado, mas não os integravam em sua sociedade. Sua hospitalidade era proverbial; eles foram, muitas vezes, o último refúgio dos gregos expulsos de seu país e perseguidos pelo desejo de vingança que seus compatriotas tinham.

É claro que nem todos os homens viviam de maneira idêntica de acordo com sua posição social. Estamos especialmente informados sobre as classes altas da sociedade. É sabido que os camponeses eram analfabetos, como na maioria das sociedades antigas, e estavam sujeitos aos ciclos de trabalho agrícola.

O zoroastrismo exaltou a vida rural e, ao trabalhar o solo, disse que era o mais agradável para Ahura-Mazda. Os camponeses eram chamados, periodicamente, para servir nos contingentes provinciais do exército.

Nas outras classes sociais, as crianças foram inculcadas, desde a mais tenra infância, com o ódio à mentira, um senso de justiça, honra e respeito por dar a palavra. Xenofonte diz que na escola as crianças aprendem justiça como entre nós aprendem suas cartas. Além disso, o uso de armas lhes foi ensinado, como o arco e a lança; seus corpos foram endurecidos através de numerosos exercícios físicos, corridas, etc.

Com isto tentou-se temperar, ao mesmo tempo, o corpo e o espírito. A comida dada aos jovens era frugal e sempre continuaria sendo assim, já que os persas, acostumados a comer pouco durante a juventude, mantiveram esse hábito por toda a vida.

Os alimentos consistiam em alguns biscoitos feitos de grãos, carne, de acordo com a sorte da caça e frutas. Eles só bebiam, habitualmente, água. As suntuosas festas, cujo registro obcecava os escritores antigos, eram infrequentes, e nelas só participava uma parte muito pequena da população: o soberano e seus convidados, alguns sátrapas, sobretudo os das províncias ocidentais, como Lídia; era mais sobre uma tradição pré-aquemênida do que um costume introduzido pelos persas.

Sob os sucessores de Dario, e sobretudo no século IV, quando os costumes eram relaxados e as classes altas viviam no luxo e até na licenciosidade, a expressão nasceu: vivendo a vida de um sátrapa. O terno da era clássica era simples e quase uniforme. Apenas as classes mais ricas adicionaram uma nota de variedade, sobretudo na seleção de tecidos e maior luxo na ornamentação. Neste também os tempos de Dario devem ser diferenciados daqueles da decadência. Os gregos, por outro lado, falavam muito do carinho do persa pelo ouro.

Estes, efetivamente, usavam o metal precioso sempre que podiam, para adornar seus ternos e também os de seus filhos. Mas é necessário ver nesse apego não apenas um prazer de natureza estética, mas também um fato religioso: o ouro é o metal que evoca o fogo, o elemento sagrado. Foi dito também que os persas eram muito modestos e que cobriam a maior parte de seu corpo. Eles usavam um tipo de camisa de tecido bastante fino, sobre o qual colocavam duas túnicas com mangas compridas que, às vezes, cobriam as mãos.

Estas túnicas eram de cores, diferentes no verão e no inverno, e roxo era a cor preferida pelos reis e os grandes. Apertaram estas túnicas na cintura com um cinto de couro. Eles usavam, além disso, calças de pano ou às vezes de couro. Eles eram calçados em sandálias, que cobriam completamente o pé e podiam chegar ao comprimento da perna. No inverno, eles acrescentaram a isso um manto. As mulheres parecem ter usado um traje muito parecido com o dos homens, mas não se pode ter certeza porque existem poucas representações de figuras femininas.

Os mais ricos se enfeitam com jóias, colares, pulseiras e peitos. Os persas, especialmente depois de Dario, e apenas na alta sociedade, empregavam shaves, perfumes e cortes de cabelo abundantes. Essas práticas efeminadas foram mostradas a eles pelos lídios. O comportamento cotidiano dos persas estava impregnado de moderação e urbanidade, que contrastavam violentamente com a conduta dos gregos, que, no entanto, os chamavam de “bárbaros”.

Eles consideravam a higiene pessoal como uma demonstração de cortesia para seus vizinhos; as relações entre as pessoas eram regidas por uma etiqueta rigorosa. As saudações eram sempre profundas e respeitosas, tanto entre iguais quanto entre inferiores e superiores.

Todos os excessos de comportamento foram condenados. De acordo com Heródoto, Xenofonte e Estrabão, os persas não comiam na rua; assoar o nariz ou cuspir no chão era prova de uma educação deficiente. Os persas eram poligâmicos e tinham concubinas, especialmente os grandes personagens, pois, para os demais, a manutenção de muitas mulheres era muito cara. A família foi respeitada e a tradição promoveu a taxa de natalidade. Ter um grande número de filhos era considerado uma bênção divina.

Os casamentos eram celebrados muito cedo; freqüentemente durante a puberdade, e foram organizados pelas famílias. A mulher nunca esteve em condições inferiores; ela foi livremente e poderia ser um conselheiro muito levado em conta. Deve-se especificar que, na última era, foi considerado de boa forma entre as famílias ricas manter as mulheres fechadas, o que nunca aconteceu com as outras classes sociais.

Eles eram inovadores em assuntos religiosos, mas seu legado era ruim nos outros campos da especulação intelectual. Apenas alguns fragmentos são conservados de sua maior obra escrita, o livro sagrado de Avesta. Os persas contentaram-se, nesta área, em manter em xeque os povos que foram subjugados por eles; o mesmo aconteceu com as ciências e com a medicina, que copiaram da Babilônia e do Egito. Os soberanos se cercaram de médicos gregos. Eles conheciam e às vezes apreciavam a literatura e a filosofia gregas. Aparentemente, eles tinham uma importante literatura oral, mas nenhum vestígio dela foi deixado. Na área das artes, as coisas eram muito diferentes. Na arte dos aquemênidas, numerosas influências são detectadas, mas tão integradas que acabaram dando origem a uma arte nacional.

Religião da Civilização Persa

Em contraste com outros impérios, os persas eram tolerantes com as religiões dos dominados. Em nenhum lugar eles impuseram à força sua religião ou seus deuses. Isto não se deve à sua capacidade política, mas às suas concepções religiosas. Isto é encontrado reunido no Avesta, o livro sagrado com os ensinamentos do pregador Zoroastro ou Zaratustra.

Zoroastro foi o fundador da religião chamada Zoroastrismo do Mazda-ismo. Segundo a lenda, ele recebeu revelações do grande deus Ahura Mazda, deus supremo e imaterial, criador do universo.

Segundo Zoroastro, ou Zaratustra, existiam dois espíritos em conflito: o de bem, a serviço de Ahura Mazda e o do mal, ou que luta. O espírito do bem, chamado Hormuz, representava a vida, a verdade e a justiça. Era o mundo do grande deus, com luz e felicidade. O espírito do mal representava a morte e a mentira. Era o mundo das trevas, liderado por Ahriman.

O homem também participa dessa luta, de acordo com seu bom ou mau comportamento. Se estiver de acordo com o espírito do bem, ele é recompensado em sua vida acima do solo. Esta religião com certas características monoteístas de um deus supremo foi aceita especialmente pelas principais classes do império. Embora a maior parte da população manteve Ahura-Mazda na posição superior, eles o cercaram com outras divindades inferiores, personificadas pelas forças naturais.

Como vemos, essa religião tinha um conteúdo moral marcante: o homem pode e deve escolher entre o bem e o mal. O homem deve trabalhar, colaborar com a comunidade, ter muitos filhos, promover uma convivência social tranquila. A adoração era essencialmente o cumprimento desses deveres, complementados com a veneração do fogo. Zoroastro condenou oferendas e sacrifícios sangrentos, embora os magos os praticassem assim mesmo.

A religião mazdaísta permaneceu como a religião nacional até o século 7 dC, em que o Irã foi conquistado pelos muçulmanos e estes impuseram sua religião, o Islã. No presente, esta prática religiosa é preservada na área de Bombaim, na Índia, graças aos Mazdaístas que fugiram da perseguição muçulmana.

Civilização Persa [História]
5 (100%) 1 voto


Receba nossas atualizações grátis!

Comente