Climas do Brasil [Geografia]

0
21

O Brasil tem uma diversificação climática muito ampla devido à sua expansão continental. A configuração geográfica, a extensão significativa da costa, o relevo e a dinâmica das massas de ar em seu território são influenciados. Este último fator é de grande importância, pois afeta diretamente as temperaturas e índices pluviométricos nas diferentes regiões do país.

De acordo com o Anuário Estatístico do Brasil do IBGE, as massas de ar que mais interferem no Brasil são equatoriais, continentais e atlânticas; Tropical, continental e atlântico; e o polar atlântico, que fornece as diferenças climáticas.

Nesse sentido, eles são verificados no país de climas quentes sobre-humanas que se originam das massas equatoriais como é o caso na maior parte da Amazônia, a muito forte climas semi-áridos, típica do sertão nordestino depende do clima de uma região particular de vários fatores, tais. Temperatura, precipitação, umidade, vento e pressão do ar, que por sua vez são influenciados por fatores como altitude, latitude, condições de relevo, vegetação e continentalidade.

Segundo a classificação climática de Arthur Strahler, cinco principais climas prevalecem no Brasil:

Clima equatorial úmido da Convergência Alísios, que inclui a Amazônia;

Clima tropical que é alternadamente úmido e seco e cobre a maior parte da área central do país e a costa do meio norte;

Clima tropical, que tende a ser seco devido à ação irregular das massas de ar e inclui o sertão nordestino e o vale médio do rio São Francisco; e

Clima úmido costeiro, que é exposto às massas marinhas tropicais e inclui a faixa estreita da costa leste e nordeste;

Clima subtropical úmido da costa oriental e subtropical, que é dominado pela massa marinha tropical e inclui a região sul do Brasil.

Com relação aos aspectos térmicos, grandes desvios também ocorrem. Como pode ser visto a partir do mapa das temperaturas médias anuais são na região do norte e parte do interior do Nordeste Região temperaturas médias acima de 25 ° C, enquanto que no sul da país e em uma parte do Sudeste, as temperaturas médias anuais são mais baixos do que 20 ° C.

Segundo dados da FIBGE, máximas absolutas acima de 40 ° C são observadas dentro das terras baixas da região nordeste; nos vales, vales e vales do sudeste; no Pantanal e no baixo oeste do Centro-Oeste; e nos vales centrais e no vale do rio Uruguai no sul: As temperaturas mínimas absolutas com valores negativos freqüentes observam-se nas terras altas do sudeste do sudeste e em grande parte da região do Sul, onde se acompanham de geada e neve.

A tabela abaixo mostra as temperaturas máximas e absolutas do ar das capitais provinciais brasileiras:

Região Norte

A região norte do Brasil cobre grande parte da chamada região amazônica, que representa a maior superfície de florestas quentes e úmidas da terra. A região é cortada do equador uma extremidade à outra e é caracterizada por baixas altitudes (0 a 200 m). Existem quatro sistemas principais de circulação atmosférica na região: o sistema de vento nordeste (NE) leste (E) dos anticiclones subtropicais do Atlântico Sul e dos Açores; Sistema de massa equatorial continental (OEC) ocidental (O); Sistema Norte (N) de Convergência Intertropical (IAC); e vento sul (S) do anticiclone polar. Esses três últimos sistemas são responsáveis ​​pela instabilidade e pela chuva na área.

O clima térmico é quente, com temperaturas médias anuais entre 24o e 26oC.

Na chuva, não há homogeneidade espacial como na temperatura. Na foz da Amazônia, na costa do Pará e na parte ocidental da região, a precipitação anual é geralmente superior a 3.000 mm. Na direção NW-SE, de Roraima, leste do Pará, há o corredor menos chuvoso com totais anuais da ordem de 1.500 a 1.700 mm.

A estação chuvosa da região ocorre durante os meses de verão, com exceção de Roraima e a parte norte da Amazônia, onde a precipitação máxima ocorre no inverno, influenciada pelo regime do hemisfério norte.

Região Nordeste

A caracterização climática da região nordeste é um pouco complexa e os quatro sistemas de circulação que a afetam são chamados de Sistemas de Corrente Perturbadas de Sul, Norte, Leste e Oeste.

O sul, representado pelas frentes polares que chegam à região costeira na primavera até o sul da Bahia, tem frentes frontais e frontais que chegam ao litoral pernambucano no inverno, enquanto o sertão vai sob a ação do alto tropical.

O sistema de correntes perturbadas do norte, representado pelo CIT, provoca do verão ao outono a Pernambuco próximo ao Raso da Catarina. Por outro lado, as correntes orientais são mais comuns no inverno e costumam causar chuvas abundantes no litoral, que raramente atinge as falésias do planalto da Borborema (800 m) e a Chapada Diamantina (1.200 m).

O sistema de correntes ocidentais, causado pelas linhas de Instabilidade Tropical (TI), ocorre do final da primavera ao início do outono e raramente atinge os estados do Piauí e Maranhão.

Em relação ao regime térmico, as temperaturas são elevadas, com médias anuais entre 20 ° C e 28 ° C, com picos em torno de 40 ° C sendo observados no sul do Maranhão e Piauí. Nos meses de inverno, principalmente nos meses de junho e julho, os valores mínimos atingidos na costa estão entre 12 ° C e 16 ° C e nos planaltos valores mais baixos, comprovados após a passagem por uma frente polar na Chapada da Diamantina. a 1 ° C.

A precipitação na região é complexa e causa preocupação. Os resultados anuais variam de 2.000 mm a menos de 500 mm no Raso da Catarina, entre a Bahia e Pernambuco e na depressão de Patos, na Paraíba. Em média, a precipitação média anual na região nordeste é inferior a 1.000 mm. Em Cabaceiras, no interior da Paraíba, a menor precipitação anual no Brasil foi observada em 278 mm / ano. Além disso, a estação chuvosa no interior desta região costuma durar apenas dois meses por ano e pode levar às chamadas secas regionais em alguns anos até sua formação.

Região Sudeste

A latitude do Trópico de Capricórnio, sua topografia bastante duro ea influência dos sistemas de circulação perturbada são fatores que causam o clima da região Sudeste em termos de é bastante diferente para a temperatura.

A temperatura média anual é entre 20 ° C na fronteira entre São Paulo e Paraná e 24 ° C ao norte de Minas Gerais. Nas regiões mais altas das montanhas Espinhaço, Mantiqueira e Mar a média, devido à combinação de abaixo de 18 ° C efeito de latitude com a frequência das correntes polares.

No verão, principalmente no mês de janeiro, os valores médios dos valores máximos de 30 ° C a 32 ° C nos vales dos rios São Francisco e Jequitinhonha, na Zona da Mata de Minas Gerais, na planície costeira e para o oeste do estado de San Francisco são comuns São Paulo.

No inverno, a temperatura mínima média é entre 6 ° C e 20 ° C, com mínimas absolutas entre -4 ° e 8 ° C, com temperaturas mais baixas nas regiões mais altas. Grandes áreas de Minas Gerais e São Paulo relatam eventos de geada após passarem pelas frentes polares.

No que diz respeito ao regime de precipitação, existem duas regiões com o maior precipitação: um que acompanha a costa e da Serra do Mar, onde a chuva é trazida pela Südströmungen; e outra do oeste de Minas Gerais até o município do Rio de Janeiro, onde as chuvas são trazidas pelo sistema ocidental. A precipitação anual nessas áreas é superior a 1.500 mm. Na Serra da Mantiqueira, esses índices estão acima de 1.750 mm e no topo de Itatiaia, a 2.340 mm.

Na Serra do Mar, em São Paulo, chove em média mais de 3.600 mm. Perto de Paranapiacaba e Itapanhaú, a maior precipitação pluviométrica foi registrada no país (4.457,8 mm, em um ano). Nos vales dos rios Jequitinhonha e Doce, a menor precipitação anual é registrada em 900 mm.

A precipitação máxima na região Sudeste normalmente ocorre em janeiro e o mínimo em julho, enquanto o normalmente centralizado na estação seca de inverno dura seis meses no caso de Jequitinhonha- e São Francisco vales dos rios até dois meses nas montanhas Mar e da Mantiqueira.

Região Sul

A região sul situa-se abaixo do Trópico de Capricórnio em uma zona temperada e é influenciada pelo sistema de circulação perturbado do Sul, que é o principal responsável pelas chuvas no verão, e pelo sistema de circulação perturbada do Ocidente, que provoca chuva e tempestades Granizo, com ventos de 60 a 90 km / h.

O inverno é frio e o verão é quente. A temperatura média anual é entre 14 ° C e 22 ° C e em locais com alturas acima de 1.100 m cai para cerca de 10 ° C.

No verão, principalmente em janeiro, a temperatura média nos vales dos rios Paranapanema, Paraná, Ibicuí-Jacuí está acima de 24 ° C e no rio Uruguai acima de 26 ° C. A média dos máximos é maior no planalto entre 24o e 27oC e mantidos nas faixas mais baixas entre 30o e 32oC.

No inverno, especialmente em julho, a temperatura média permanece relativamente baixa e varia entre 10 e 15 ° C, com exceção dos vales dos rios Paranapanema e Paraná e do litoral paranaense e catarinense, cuja média gira em torno de 15 a 18 ° C. A média dos valores máximos também é baixa e situa-se entre 20 e 24 ° C nos vales grandes e na costa e entre 16 e 20 ° C no planalto. A média do mínimo é entre 6 ° e 12 ° C. Normalmente, o termômetro atinge temperaturas próximas a 0 ° C ou até atinge índices negativos, acompanhados de geada e neve, à medida que a massa polar penetra.

A precipitação média anual é de 1.250 a 2.000 mm, exceto na costa do Paraná e no oeste de Santa Catarina, onde os valores são superiores a 2.000 mm, e no norte do Paraná e na pequena área costeira de Santa Catarina com valores abaixo de 1.250 mm, A precipitação máxima ocorre no inverno e o mínimo no verão na maioria das regiões.

Centro-Oeste

Três sistemas de circulação perturbam o Meio-Oeste: um sistema de correntes perturbadas no oeste, representado pelo tempo instável no verão; Sistema de correntes perturbadas do norte, representado pelo CIT, causando chuvas no norte da região no verão, outono e inverno; e um sistema de correntes perturbadas no sul, representado pelas frentes polares, que entram na região com grande freqüência no inverno e causam chuvas de um a três dias de duração. a temperatura média anual é nos extremos do norte e do sul da região a 22 ° C e os níveis elevados variar entre 20 ° e 22 ° C.

Em temperaturas de Primavera e Verão são comuns quando a média do mês variam entre 24 e 26 graus. A média das altas de setembro (mês mais quente) varia entre 30 ° C e 36 ° C. O inverno é uma estação amena, embora as temperaturas frias freqüentemente ocorram nesta época do ano devido à invasão polar que causa os irmãos. A temperatura média do mês mais frio é entre 15 ° C e 24 ° C, a média do mínimo entre 8 ° C e 18 ° C, e a ocorrência de mínimos absolutos não é incomum.

As características de precipitação da região são quase exclusivamente devidas ao sistema de circulação atmosférica. A precipitação média anual está entre 2.000 e 3.000 mm ao norte de Mato Grosso a 1.250 mm no Pantanal do Mato Grosso. Apesar dessa desigualdade, a região é bem suprida de chuva. A estação é tipicamente tropical, máxima no verão e mínima no inverno. De novembro a março, mais de 70% da chuva total cai durante o ano. O inverno é muito seco, pois a chuva é muito rara.

Climas do Brasil [Geografia]
5 (100%) 1 voto

Comente