Estado do Acre (AC) [Geografia]

0
312

Acre é um estado situado na região norte do Brasil. Localizado na parte mais ocidental do país, com duas horas de diferença de Brasília , o Acre é limitado no sentido horário pelo Amazonas ao norte e nordeste, Rondônia a leste, o departamento boliviano de Pando a sudeste, e as regiões peruanas de Madre de Dios, Ucayali e Loreto para o sul e oeste. Ocupa uma área de 152.581,4 km 2 , sendo ligeiramente menor que a Tunísia.

Sua capital e maior cidade é Rio Branco. Outros lugares importantes incluem Cruzeiro do Sul, Sena Madureira, Tarauacá e Feijó.

A intensa atividade extrativista, que atingiu seu auge no século 20, atraiu brasileiros de várias regiões para o estado. A partir da mistura de povos Sulistas, do Sudeste Brasil, nordestinos e indígenas diversas tradições surgiram, bem como uma cozinha diversificada, que une carne seca-sol (carne de sol) com pirarucu, um peixe típico da região. Esses pratos são temperados com tucupi, molho feito de mandioca.

O transporte fluvial, concentrado nos rios Juruá e Moa, na parte oeste do estado, e os rios Tarauacá e Envira, no noroeste, é a principal forma de circulação, especialmente entre novembro e junho, quando a chuva sai da BR-364 intransponível, que liga Rio Branco a Cruzeiro do Sul.

Praticamente todo o terreno do estado do Acre faz parte do baixo planalto de arenito, ou terra firme, unidade morfológica que domina a maior parte da Amazônia brasileira. Esses terrenos sobem, no Acre, do sudeste para o nordeste, com topografia muito tabular em geral. No extremo oeste encontra-se a Serra da Contamana ou a Serra do Divisor, ao longo da fronteira oeste, com as maiores altitudes do estado (609 m; 1.998 ft). Cerca de 63% do estado de superfície fica entre 200 e 300 m (660 e 980 pés) de altura; 16% entre 300 e 609 (984 e 1.998 pés); e 21% entre 200 e 135 (656 e 443 pés).

O clima é quente e muito úmido, do tipo Am no sistema de classificação climática de Köppen, e as temperaturas médias mensais variam entre 24 e 27 ° C (75 e 81 ° F), sendo a menor média da Região Norte. A precipitação atinge um total anual de 2.100 mm (83 in), com uma estação seca clara nos meses de junho, julho e agosto. A Floresta Amazônica abrange todo o território do estado. Muito rico em seringueiras das espécies mais valiosas ( Hevea brasiliensis ) e castanheiras ( Bertholletia excelsa), a floresta garante que o Acre seja o maior produtor nacional de borracha e nozes. Os principais rios do Acre, em sua maioria navegáveis ​​durante a estação chuvosa (Juruá, Tarauacá, Envira, Purús, Iaco e Acre) atravessam o estado com cursos quase paralelos, que só convergem fora de seu território.

A Amazônia representa mais da metade das florestas remanescentes do planeta e compreende o maior e mais rico trecho de floresta tropical do mundo. As florestas tropicais úmidas são o bioma mais rico em espécies , e as florestas tropicais das Américas são consistentemente mais ricas em espécies do que as florestas úmidas na África e na Ásia. Como a maior extensão de floresta tropical nas Américas, as florestas tropicais da Amazônia têm uma biodiversidade incomparável. Mais de 1/3 de todas as espécies do mundo vivem na Floresta Amazônica.

Acredita-se que a região do atual Acre tenha sido habitada por civilizações pré-colombianas há pelo menos 2.100 anos. As evidências incluem geoglifos complexos dessa idade encontrados na área, que também sugerem que os nativos que os criaram tinham um conhecimento relativamente avançado sobre essa tecnologia. Desde pelo menos o início do século XV, a região foi habitada por povos que falavam línguas panóicas; seu território era geograficamente próximo dos Incas.

Em meados do século XVIII, a região foi colonizada pelos espanhóis e se tornou parte do vice-reinado do Peru. Depois das guerras peruanas e bolivianas de independência, que terminaram em 1826, a região e grandes porções se tornaram parte da Bolívia. Foi um território da curta Confederação Peru-Bolívia (1836-1839), até que os dois países se separaram novamente e a região retornou ao controle boliviano.

A descoberta de seringueiras na região em meados do século 19 atraiu mais imigração, e isso incluiu particularmente os exploradores brasileiros. Apesar do aumento do número de brasileiros, o Tratado de Ayacucho (1867), determinou que a região pertencia à Bolívia. Em 1877, a população do Acre era quase inteiramente brasileira vinda do nordeste.

Em 1899, colonos brasileiros do Acre criaram um estado independente na região chamado República do Acre. Os bolivianos tentaram ganhar o controle da área, mas os brasileiros se revoltaram e houve confrontos fronteiriços, gerando o episódio que ficou conhecido como a Guerra do Acre. Em 17 de novembro de 1903, com a assinatura e venda no Tratado de Petrópolis, o Brasil recebeu a posse final da região. O Acre foi então integrado ao Brasil como um território dividido em três departamentos. O território passou sob soberania brasileira em troca do pagamento de dois milhões de libras esterlinas, terras retiradas de Mato Grosso e de acordo com a construção da ferrovia Madeira-Mamoré.

Tendo sido unificada em 1920, em 15 de junho de 1962, foi elevada à categoria de Estado, sendo a primeira a ser governada por uma mulher, a professora Iolanda Fleming.

Durante a Segunda Guerra Mundial, as seringueiras da Malásia foram tomadas pelos japoneses, e o Acre, assim, deixou uma grande marca na história ocidental e mundial, ajudando a mudar o curso da guerra em favor dos aliados. Isto foi graças aos Soldados do Borracha, nativos principalmente da plantação do Ceará. Foi talvez devido ao Acre e sua contribuição decisiva para a vitória aliada, que o Brasil recebeu recursos norte-americanos para formar a Companhia Siderúrgica Nacional e, assim, ajudar na industrialização do Centro-Sul, que foi até o momento estagnada, e que ainda não possuía indústrias pesadas básicas.

Em 4 de abril de 2008, o Acre venceu um debate judicial com o estado do Amazonas em relação à disputa em torno da Linha Cunha Gomes, que culminou com a anexação de parte dos municípios de Envira, Guajará, Boca do Acre, Pauini, Eirunepé e Ipixuna. A redefinição territorial consolidou a incorporação de 1,2 milhão de hectares do complexo Florestal da Liberdade, Gregório e Mogno ao território do Acre, que corresponde a 11.583,87 km 2.

Desde a década de 1970, numerosos geoglifos foram descobertos em terras desmatadas no Acre, datadas entre 0-1250 dC, levando a afirmações sobre civilizações pré-colombianas. 

Durante o século XVII, as penetrações portuguesas já haviam atingido muitos dos extremos máximos do Brasil. A expansão do horizonte geográfico para o oeste foi uma consequência inevitável, atingindo terras de possessão espanhola; fato que se tornou tema dos Tratados de Madri (1750) e de San Ildefonso (1777). Ambos os tratados, baseados nas explorações do bandeirante português Manoel Félix de Lima das bacias hidrográficas do rio Madeira e do Guaporé, estabeleceram os leitos dos rios Mamoré e Guaporé até seus limites ocidentais na margem esquerda do rio Javari como linha divisória entre as respectivas áreas em questão.

O assentamento da zona, estimulado pela criação da nova capitania real de Mato Grosso (1751), ocorreu na direção da fronteira, fazendo emergir vários centros importantes: Vila Bela (1752) nas margens do rio. Guaporé, Vila Maria (1778) no rio Paraguai e Casalvasco (1783). Até meados do século 19, um assentamento sistemático da área não foi pensado. Naquela época, a grande fonte virgem de borracha encontrada ali atraía interesse comercial, provocando sua colonização.

As políticas econômicas do império, voltadas para as atividades de exportação agrícola baseadas no café, não permitiam a utilização e incorporação dos territórios do extremo oeste. 

Apesar de tais políticas, alguns poucos grupos armados de exploradores brasileiros exploraram a região rural e despovoada, sem saber se pertenciam ao Brasil, Peru ou Bolívia. Assim, ainda em meados do século XIX, alimentado pelo impulso que a busca pela borracha ocasionou, como era solicitado no mercado internacional, várias expedições procuraram a área buscando facilitar a instalação dos colonos. Naquela época, João Rodrigues Cametá iniciou a conquista do rio Purús; Manuel Urbano da Encarnação, um índio com amplo conhecimento da região, alcançou o rio Acre, subindo até a vizinhança dos Xapuri; e João da Cunha Correia chegaram à bacia de drenagem do alto Tarauacá. Todo esse desmatamento ocorreu, em sua maior parte, em terras bolivianas.

Paisagem e Casas do interior do Acre. Foto: Cecília Bastos/USP Imagem

Atividades exploratórias, a importância industrial das reservas de seringueiras e a penetração de colonos brasileiros na região despertaram a atenção da Bolívia, que solicitava uma melhor fixação das fronteiras. Depois de muita negociação falhada, em 1867 assinou-se o Tratado de Ayacucho, o qual reconhecia o uti possidetis colonial. Estabeleceu-se uma fronteira paralela à confluência dos rios Beni e Mamoré, a leste, até as cabeceiras do rio Javari, embora a nascente desse rio ainda não fosse conhecida.

A evolução do Acre parece ser um fenômeno típico da penetração moderna na história do Brasil, acompanhado de importantes contribuições para a projeção econômica do país. Exercendo um papel proeminente nas exportações nacionais até 1913, quando a borracha foi introduzida nos mercados europeu e norte-americano, o Acre desfrutou de um período de grande prosperidade: no início do século 20, num período de menos de dez anos, gabava-se de mais de 50.000 habitantes.

Pode-se afirmar que todos os esforços para a integração do Acre à vida brasileira correspondem aos esforços paralelos do governo federal, a partir de 1946, no sentido de recuperar a economia da Amazônia, incluindo-a em projetos de desenvolvimento regional.

Atendendo aos arranjos judiciais do Tratado de Petrópolis, o presidente Rodrigues Alves sancionou a lei que criou o Território do Acre (1904), dividindo-o em três departamentos: Alto Acre, Alto Purús e Alto Juruá, sendo este último separados para formar Alto Tarauacá (1912). A administração departamental foi exercida até 1921 por prefeitos indicados pelo presidente do Brasil. Naquela época, os arranjos foram alterados, passando a administração para um governador. A segunda Constituição do Brasil (1934) concedeu ao Acre o direito de eleger representantes para o Congresso Nacional do Brasil.

Durante o Estado Novo, surgiram ideias políticas envolvendo a valorização do interior, com o intuito de promover a articulação de áreas mais isoladas. Posteriormente, a votação de 1946 recomendou a canalização de recursos orçamentários da União para a Amazônia, determinando que o Território do Acre seria elevado à condição de Estado assim que sua receita atingisse o equivalente à menor tributação estadual. 

Na década de 1960, o segundo ciclo de esforços para acelerar o progresso da área da Amazônia foi iniciada com a Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia ou SUDAM, 1966). Foi buscada uma melhor articulação dos subsetores regionais do estado, conectando os ramais da Transamazônica, que ligava Rio Branco e Brasiléia, no alto curso do rio Acre, e Cruzeiro do Sul, nas margens do Juruá, cruzando os vales do Purús e do Tarauacá. A política de planejamento se desenvolveu, portanto, destinada a corrigir as distorções demográficas, econômicas e políticas da integração nacional.

Estado do Acre (AC) [Geografia]
5 (100%) 1 voto

Receba nossas atualizações grátis!

Comente