Estado do Ceará (CE) [Geografia]

0
49
Canoa Quebrada, antiga vila de pescadores, e hoje concorrido pólo turístico do Ceará possui belas praias com dunas de areias brancas e falésias avermelhadas. São quilômetros de praias que podem ser conhecidas a pé ou por meio de passeios de bugue. Canoa Quebrada (CE). 1999. Foto: Christian Knepper / Embratur *** Local Caption *** PT: Autorizado o uso exclusivo para divulgação do produto turístico brasileiro. EN: Exclusively authorized for promoting the brazilian tourist product.

O Ceará é um dos 27 estados do Brasil e está localizado na Região Nordeste do Brasil, na costa do Atlântico. Ele é o oitavo maior estado brasileiro em população e o 17º por área. É também um dos principais destinos turísticos do Brasil. A capital do estado é a cidade de Fortaleza, a quarta cidade mais populosa do país.

O território do Ceará era originalmente habitado por diferentes povos indígenas, como Tabajara, Potyguara, Anacés, Kariri, Inhamum, Jucá, Kanindé, Tremembé, Paicaú e outros, que tinham relações comerciais com vários povos europeus, incluindo os franceses, antes do Português decidiu incluir a área no Brasil.

O primeiro plano de colonização português no Ceará data de 1534, mas as primeiras tentativas de colonização do território fracassaram, e o primeiro assentamento português foi feito perto da foz do rio Ceará, em 1603, por Pero Coelho de Sousa. Ele estabeleceu o forte de São Tiago, mas um ano depois ele e sua família abandonaram o Ceará por causa de um período de seca, um fenômeno natural que aflige periodicamente a província, que os colonos portugueses estavam mal equipados para suportar.

Portugal queria formar uma base militar no Ceará para apoiar as operações portuguesas na guerra contra os franceses. A primeira tentativa com Pero Coelho de Sousa, em 1603, não teve sucesso, e os franceses continuaram operando a partir de Maranhão e Ibiapaba, onde estabeleceram uma base em 1590. Os índios e franceses formaram alianças políticas e militares. Em 1607, dois jesuítas, Francisco Pinto e Pereira Figueira, chegaram ao Ceará com a missão de espionar a área de Ibiapaba. Em outubro daquele ano Francisco Pinto foi morto pelos índios e Pereira Filgueira retornou com mais informações sobre a região e a aliança entre franceses e indianos.

Em 1612, os franceses foram expulsos com sucesso do Ceará e do Maranhão por uma expedição militar sob o comando do português Martim Soares Moreno. No mesmo ano ele construiu a fortaleza de São Sebastião no mesmo local que São Tiago, e um ano depois deixou o Ceará para Portugal. Foi somente em 1618 que Martim Soares Moreno retornou ao Ceará, e é a partir desta data que a presença portuguesa data. Isto foi restringido inicialmente à área do rio Ceará: Martim Soares Moreno fez uma aliança com os índios da tribo Potiguara. Em 1631, Martim Soares Moreno deixou o Ceará para ajudar os portugueses contra os holandeses em Pernambuco e o forte de São Sebastião perdeu sua importância.

Neste momento, o que hoje é o Brasil foi muito disputado pelos holandeses e portugueses. A área foi invadida duas vezes pelos holandeses, em 1637 e em 1649. Em 1637, os holandeses e os índios tomaram o Forte de São Sebastião e dominaram o Ceará. Os holandeses expandiram sua presença no Ceará e fizeram alianças com diferentes tribos indígenas. Em 1639, Georg Marcgrave fez uma expedição no Ceará, mas em 1644 os índios atacaram o governador holandês do Ceará, Gideon Morris, os soldados holandeses foram mortos e São Sebastião foi destruído.

Não havia europeus na região entre 1644 e 1649, mas em 1649, antes das negociações com as diferentes tribos indígenas, Matias Beck chegou ao Ceará para explorar as minas de prata de Maranguape. Prata de boa qualidade não foi encontrado no entanto. Nesse período, os holandeses construíram outro forte, às margens do rio Pajeú, e batizaram-no de Forte Schoonenborch, em homenagem a um de seus comandantes. Em 1654, os holandeses foram expulsos do Brasil; os portugueses levaram Schoonenborch, mudaram seu nome para Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, e as diferentes tribos indígenas que tinham feito aliança com os holandeses tiveram que fugir da perseguição portuguesa.

Em 1661, os Países Baixos cederam formalmente seus territórios brasileiros à coroa portuguesa, encerrando o conflito na região. Ceará tornou-se uma dependência de Pernambuco em 1680; Essa relação durou até 1799, quando a Capitania do Ceará se tornou independente.

A luta pela independência do Brasil em 1822 foi acirrada no Ceará, com a área sendo uma fortaleza rebelde que sofreu retribuição cruel de partidários. A capitania tornou-se uma província em 1822 sob dom Pedro I. Uma revolução se seguiu em 1824, o presidente da província foi deposto quinze dias após a sua chegada, e uma república foi proclamada. Dissidências internas irromperam imediatamente, o novo presidente foi assassinado e, após um breve reinado de terror, a província voltou a fidelidade ao império.

O Ceará tornou-se a primeira província do Brasil a abolir a escravidão, em 25 de março de 1884, mais de quatro anos antes da lei nacional de abolição de 1888, aprovada pela princesa Isabel.

Literalmente, o nome Ceará significa “canta a jandaia”. De acordo com José de Alencar, um dos escritores mais importantes do Brasil e uma autoridade em Tupi Guarani, Ceará significa águas turquesas ou verdes. Há também teorias de que o nome do estado seria derivado de Siriará, uma referência aos caranguejos da orla marítima.

O estado é mais conhecido por seu extenso litoral, com 600 km de areia. Há também montanhas e vales produzindo frutas tropicais . Ao sul, na fronteira da Paraíba, Pernambuco e Piauí, fica a Floresta Nacional do Araripe.

O Ceará possui uma área de 148.016 quilômetros quadrados (57.149 sq mi). É limitado a norte pelo Oceano Atlântico, a leste pelos estados do Rio Grande do Norte e da Paraíba, a sul pelo estado de Pernambuco e a oeste pelo Piauí .

O Ceará fica em parte na encosta nordeste das terras altas brasileiras e, em parte, na planície costeira arenosa. Sua superfície é uma sucessão de grandes terraços, voltados para o norte e nordeste, formados pelo desnudamento do antigo planalto de arenito que antes cobria essa parte do continente; os terraços são costurados por cursos d’água e seus vales são quebrados por morros e montanhas de terras altas. Estes últimos são os restos do antigo planalto, cobertos com camadas horizontais de arenito, com uma altitude uniforme de 610 a 730 m. O topo plano de tal faixa é chamado de chapada ou taboleira, e sua largura em lugares é de 32 a 56 milhas (51 a 90 km). A linha de fronteira com o Piauí segue uma dessas faixas, a Serra de Ibiapaba, que se une com outra faixa no limite sul do estado, conhecida como a Serra do Araripe. Outro intervalo, ou escarpa, atravessa o estado de leste a oeste, mas é dividido em duas divisões principais, cada uma com vários nomes locais. Essas faixas não são contínuas, a desintegração do antigo planalto foi irregular e desigual.

Os rios do estado são pequenos e, com uma ou duas exceções, ficam completamente secos na estação seca. O maior é o Jaguaribe, que corre inteiramente em todo o estado na direção nordeste.

O Ceará tem um ambiente variado, com manguezais, caatinga, selva, cerrado e floresta tropical. As faixas mais altas interceptam a umidade considerável dos ventos alísios predominantes, e seus flancos e vales são cobertos por uma floresta tropical típica da região, reunindo espécies de florestas tropicais, caatinga e cerrado. As áreas menos elevadas dos planaltos são de floresta fina ou de campo aberto. A maior parte da região, nas altitudes mais baixas, é caracterizada por florestas escamosas chamadas caatingas, que é uma vegetação endêmica brasileira. A planície costeira arenosa, com uma largura de 19 a 29 km, está quase sem vegetação, embora a costa tenha muitos enclaves de restingas e manguezais.

O solo é, em geral, fino e poroso e não retém umidade; conseqüentemente, a longa estação seca transforma o país em um deserto estéril, aliviado apenas pela vegetação ao longo das cadeias fluviais e de montanhas, e pela palmeira de carnaúba (Copernicia cerifera), que em alguns lugares forma bosques de considerável extensão. Algumas áreas nas faixas mais altas da Serra da Ibiapaba, Serra do Araripe e outras são mais apropriadas para a agricultura, já que seu solo e vegetação são menos afetados pela estação seca.

As praias do estado são uma grande atração turística. O Ceará possui várias praias famosas como Canoa Quebrada, Jericoacoara, Morro Branco, Taíba e Flexeiras. As praias são divididas em dois grupos (em relação à capital Fortaleza): Costa do Sol (Costa do Sol Poente) e Costa do Sol Nascente (Costa do Sol nascente).

O Ceará fica em uma das poucas regiões do país que experimentam terremotos. Em 1980, um terremoto de 5,8 graus na escala Richter ocorreu perto de Quixeramobim, no centro do estado, causando violência na cidade de Fortaleza, mas sem feridos. 

O clima do Ceará é quente quase o ano todo. A temperatura no estado varia de 22 a 36 ° C (72 a 97 ° F). A costa é quente e úmida, temperada pelos ventos frios; nas regiões mais elevadas e semi-áridas é muito quente e seco (geralmente acima de 22 ° C, mas raramente acima de 30 ° C), embora as noites sejam frescas. Nas faixas mais altas (Serra da Ibiapaba, Chapada do Araripe e várias terras altas menores) as temperaturas são mais baixas e variam de cerca de 14 a 18 ° C (57 a 64 ° F). A temperatura mínima registrada registrada no Ceará era de 8 ° C (46 ° F), registrada em Jardim, uma pequena cidade da Chapada do Araripe.

O ano é dividido em uma estação chuvosa e seca, as chuvas começam em janeiro a março e duram até junho. A estação seca, julho a dezembro, às vezes é interrompida por leves chuvas em setembro e outubro, mas estes são de pequena importância. Às vezes, as chuvas fracassam completamente e, em seguida, uma seca, causando fome e pestilência em toda a região. As secas mais destrutivas registrados nos séculos 18 e 19 foram as de 1711, 1723, 1777-1778, 1790, 1825, 1844-1845 e 1877-1878, este último (conhecido pela população local como a Grande Seca “a Grande Seca”, destruindo quase todos os rebanhos do estado e causando a morte por fome e pestes de quase meio milhão de pessoas, ou mais da metade da população. Devido ao risco constante de secas, muitas barragens (chamadas açudes) foram construídas em todo o Ceará, sendo a maior delas o Açude Castanhão. Por causa das barragens, o rio Jaguaribe não seca mais completamente.

Estado do Ceará (CE) [Geografia]
5 (100%) 1 voto

Comente