Estado do Pará (PA) [Geografia]

0
123

Pará é um estado no norte do Brasil atravessado pelo baixo rio Amazonas . Faz fronteira com os estados brasileiros (no sentido horário a partir do norte) do Amapá, MaranhãoTocantinsMato Grosso, Amazonas e Roraima. A noroeste, faz fronteira com a Guiana e o Suriname ; a nordeste, faz fronteira com o Oceano Atlântico. A capital e maior cidade é Belém, na foz da Amazônia, no Oceano Atlântico e a 11ª cidade mais populosa do país .

O Pará é o estado mais populoso da região norte, com uma população de mais de 7,5 milhões, sendo o nono estado mais populoso do Brasil. É o segundo maior estado do Brasil em área, com 1,2 milhões de km² (460.000 milhas quadradas), perdendo apenas para o Amazonas. Seus ícones mais famosos são o rio Amazonas e a floresta amazônica. O Pará produz borracha (extraída de seringais naturais), madeiras tropicais como mogno e minerais como minério de ferro e bauxita. Uma nova commodity é a soja, cultivada na região de Santarém.

Todo mês de outubro, Belém recebe dezenas de milhares de turistas para a celebração religiosa mais importante do ano: a procissão do Círio de Nazaré. Outra atração importante da capital é a cerâmica de estilo marajó, baseada na cerâmica da extinta cultura indígena marajó , que ficava em uma ilha no rio Amazonas. Esses projetos ganharam fama internacional considerável e aumentaram a conscientização internacional.

O topônimo da palavra pará tem sua origem na língua tupi e significa “rio-mar”. O nome do estado vem do rio do mesmo nome; o rio Pará é um dos afluentes do rio Amazonas no estado.

Em 1500, o navegador espanhol Vicente Yañez Pinzón foi o primeiro europeu a navegar na foz do rio Amazonas. [3]Em 26 de agosto de 1542, o espanhol Francisco de Orellana chegou à foz do rio Amazonas, via fluvial de Quito, no Equador. Em 28 de outubro de 1637, o português Pedro Teixeira deixou Belém e foi para Quito: durante a expedição, ele colocou um marco na confluência dos rios Napo e Aguarico, na atual fronteira entre Equador e Peru, para Portugal, e mais tarde para o Brasil, obtendo a posse da maior parte da Amazônia, incluindo todo o território atual do Pará.

Arqueólogos dividem os antigos habitantes da pré-história do Brasil em grupos de acordo com seu modo de vida e ferramentas: caçadores-coletores da costa e fazendeiros. Esses grupos foram posteriormente nomeados pelos colonos europeus como “índios”. Existem registros arqueológicos que comprovam a presença humana no Brasil e na região de Santarém desde 3000 aC.

O povo marajó vivia em cabanas ou casas de agricultores há 3.500 anos. Essas pessoas conheciam cerâmicas, corantes, compostos medicinais naturais e plantavam mandioca. Sua cultura permanece na cerâmica marajoara, que possui tamanho e decoração peculiares. O período de 500 a 1300 foi o auge da cultura marajoara.

A região do vale do Amazonas, pelo Tratado de Tordesilhas (1494), estava de posse da Coroa Espanhola, os expedicionários portugueses, com o objetivo de consolidar a região como território português, fundaram o Forte da Presépio (Forte do Presépio) em 1616, na então Santa Maria de Belém do Grão-Pará (Santa Maria de Belém do Grande Pará). O prédio foi o primeiro do modelo na Amazônia e o mais significativo no território amazônico até 1660. Apesar da construção do forte, a ocupação do território foi marcada por incursões inglesas e holandesas em busca de especiarias, daí a necessidade dos portugueses. para fortalecer a área. 

No século XVII, a região, integrada à capitania do Maranhão, era próspera de lavouras e gado. Em 1616 foi criada a capitania do Grão-Pará, pertencente ao estado colonial português do Maranhão. No mesmo ano, o estado do Grão-Pará e Maranhão transferiu capital para Belém, formando e vinculando a capitania do Rio Negro em 1755, criando o Estado do Grão-Pará e do Rio Negro.

Em 1751, com a expansão para o oeste, o estado colonial do Grão-Pará, que além da capitania do Grão Pará, abrigaria a capitania de São José do Rio Negro (atual Estado do Amazonas).

Em 1823, o Pará decidiu se juntar ao Brasil independente, que havia sido separado durante o período colonial, reportando-se diretamente a Lisboa. No entanto, as disputas políticas continuaram. A mais importante delas, a Cabanagem (1835), decretou a independência da província do Pará. Esta foi, junto com a revolução Farroupilha, no Rio Grande do Sul , a única a elevar o período de regência quando a energia foi tomada. A Cabanagem foi a única revolta liderada pelos estratos populares.

A Cabanagem, uma revolta popular e social durante o Império do Brasil, na região amazônica, foi influenciada pela Revolução Francesa. Foi principalmente devido à extrema pobreza, fome e doenças que devastaram a Amazônia no início do período, na antiga província do Grão-Pará, que incluía os atuais estados amazônicos do Pará, Amazonas , Amapá , Roraima e Rondônia. A revolta se estendeu de 1835 até janeiro de 1840, devido ao processo de independência do Brasil (1822), que não ocorreu imediatamente na província devido à irrelevância política a que a região foi relegada pelo príncipe regente Pedro I. Após a independência, a forte influência portuguesa permaneceu estável, conferindo irrelevância política nesta província ao governo central brasileiro.

Índios, negros e mestiços (principalmente membros de classe pobre), todos chamados cabanos, se uniram contra o governo do regente e se rebelaram, para aumentar a importância da região no governo central do Brasil, abordando a questão da pobreza como uma das razões. Todos viviam em cabanas de barro (daí o nome da revolta). No fundo da rebelião, houve uma mobilização do Império brasileiro contra as forças reacionárias da província do Grão-Pará em expulsar os insurgentes que queriam manter a região como uma colônia portuguesa ou território independente. Muitos dos líderes locais, que se ressentiam da falta de participação política nas decisões do centralizador do governo brasileiro, contribuíram para o clima de insatisfação contra o governo provincial.

O Pará se apresentará em dose dupla a São Paulo e ao Brasil, a partir desta terça-feira, 29, até o dia 2 de setembro, em ações promocionais desenhadas para a edição especial da Feira Internacional de Turismo (Fita) 2017, que será realizada na capital paulista, com o mote “A Obra-Prima da Amazônia”. FOTO: FERNANDO SETTE CÂMARA / DIVULGAÇÃO DATA: 28.08.2017 BELÉM – PARÁ

Após a revolta, a economia local cresceu rapidamente durante o século 19 e início do século 20 pela exploração da borracha, o látex, através da extração. Nesse período, a Amazônia experimentou dois ciclos econômicos distintos com a exploração da mesma matéria-prima.

O intendente Antônio Lemos foi o personagem principal da transformação urbana que Belém experimentou, que veio a ser conhecida como Paris n´America (Paris na América), como uma referência à influência da urbanização que Paris experimentou na época, que serviu de inspiração para Antônio Lemos.

Durante este período, por exemplo, o centro da cidade foi fortemente alinhado com mangueiras transportadas da Índia e desenvolvimento inspirado no modelo de Paris. Com o declínio dos dois ciclos da borracha (1870-1920 e 1940-1945), veio uma perturbadora estagnação econômica, que parou nas décadas de 1960 e 1970, com o desenvolvimento de atividades agrícolas no sul do país. Estado. A partir da década de 1960, mas principalmente na década de 1970, o crescimento acelerou com a exploração de minerais principalmente na região sudeste do estado, como a extração de ferro na Serra dos Carajás e o ouro da Serra Pelada.

Um clima de floresta tropical úmida é um tipo de clima tropical em que não há estação seca – todos os meses têm valores médios de precipitação de pelo menos 60 milímetros (2,4 polegadas). É geralmente encontrado em latitudes dentro de cinco graus do equador – que são dominadas pela Zona de Convergência Intertropical. O clima equatorial é denotado Af na classificação climática de Köppen.

A Amazônia representa mais da metade das florestas remanescentes do planeta e compreende os maiores e mais ricos trechos de floresta tropical do mundo. As florestas tropicais úmidas são o bioma mais rico em espécies , e as florestas tropicais das Américas são consistentemente mais ricas em espécies do que as florestas úmidas na África e na Ásia. Como a maior extensão de floresta tropical nas Américas, as florestas tropicais da Amazônia têm uma biodiversidade incomparável. Mais de um terço de todas as espécies do mundo vivem na floresta amazônica. A maior biodiversidade do planeta está presente em todo o estado do Amazonas.

Grandes extensões do estado do Pará sofrem de desmatamento ilegal e ocupação do solo, principalmente devido à pecuária e à produção de soja. Houve conflitos entre o governo, as tribos indígenas, os caboclos que são camponeses mestiços da área e os fazendeiros pelo direito à terra. É improvável que a situação seja resolvida em breve, particularmente devido à demanda por carne bovina da Europa e soja da China.

A polêmica barragem de Belo Monte é um complexo de hidrelétrica proposto para ser construído no rio Xingu; os oponentes acreditam que isso ameaça o habitat de uma área relativamente não perturbada da floresta tropical do Pará e colocaria em risco várias espécies de peixes endêmicos. Também é provável que atraia mais desenvolvimento e migração para o estado, em detrimento da floresta tropical do estado.

A maioria da população é mista, devido à grande população indígena e, em menor escala, àqueles com ascendência africana. No último censo do IBGE (2010), 817.000 brasileiros se classificaram como indígenas, cerca de 0,26% da população do país. 

O Pará atraiu inúmeros imigrantes portugueses, espanhóis e japoneses. Contaram suas histórias em um espaço permanente, o “Quarto Vicente Salles” do “Memorial do Povo”, em Belém. Os colonos portugueses foram seguidos por espanhóis fugindo de guerras e distúrbios sociais devido a disputas políticas na Península Ibérica. Os japoneses se estabeleceram em comunidades agrárias, estabelecendo-se em cidades como Tomé-Açu.

Exploradores portugueses e missionários se estabeleceram no estado no século XVII. Em janeiro de 1616, o capitão português Francisco Caldeira Castelo Branco iniciou a ocupação da terra, fundando o Forte da Natividade, núcleo da futura capital do estado. Missões religiosas portuguesas foram usadas para estabelecer assentamentos entre aqui e o Forte de São Luís do Maranhão. A maioria dos colonos navegou pelo rio Amazonas, pois viajar por terra era extremamente árduo. Os portugueses foram os primeiros a chegar ao Pará, deixando contribuições que vão da culinária à arquitetura.

Os primeiros imigrantes japoneses que se estabeleceram na Amazônia deixaram o Porto de Kobe no Japão, em 24 de julho de 1926, e chegaram à cidade de Tomé-Açu, em 22 de setembro daquele ano, com paradas no Rio de Janeiro e em Belém.

Os japoneses introduziram culturas como a juta e a pimenta-preta nos anos 1930; juta foi tão bem sucedida que levou a um boom na economia regional. Na década de 1970, os agricultores japoneses introduziram o cultivo de mamão e melão havaiano, para o qual há demanda internacional. A terceira maior comunidade étnica japonesa no Brasil é no Pará, com cerca de 13.000 habitantes (superada apenas por assentamentos nos estados de São Paulo e Paraná). Eles moram principalmente nas cidades de Tomé-Açu, Santa Izabel do Pará e Castanhal.

Imigrantes italianos no Pará vieram predominantemente do sul da Itália, originários da Calábria, Campania e Basilicata. Foi uma época de onda de emigração. Eles eram todos colonos e dedicados ao comércio. O primeiro comércio italiano foi registrado em 1888 em Santarém. Os imigrantes plantaram raízes familiares em Belém, Breves, Abaetetuba, Óbidos, Oriximiná, Santarém e Alenquer. A presença no oeste do Pará foi tão pronunciada que o Consulado da Itália estabeleceu um escritório em Óbidos, que é a maior cidade povoada por italianos no estado. O consulado foi em Recife, Pernambuco.

Em Belém, os italianos trabalharam em serviços comerciais e de varejo. Eles foram importantes durante o início da industrialização da capital do estado (1895). Segundo o censo de 1920, cerca de 1.000 italianos viviam no Pará. No final da Segunda Guerra Mundial, outra onda de imigrantes italianos chegou após a perseguição de japoneses, italianos e alemães. Semelhante aos imigrantes franceses, essa onda de italianos não ficou no Pará.

Os imigrantes libaneses chegaram ao Pará em meados do século 19, na época do boom da borracha, e até 1914. Havia entre 15.000 e 25.000 imigrantes sírio-libaneses, dos quais um terço foi para o Acre. No Pará, os libaneses se instalaram em Belém, e nas cidades de Cametá, Marabá, Altamira, Breves, Monte Alegre, Alenquer, Santarém, Óbidos, Soure, Maracanã, Abaetetuba, entre outros.

Os primeiros imigrantes franceses chegaram ao Brasil na segunda metade do século XIX, instalando-se na colônia de Benevides, na região metropolitana de Belém do Pará. Os franceses foram atraídos para a região por causa do boom da borracha, acabando por se instalar em Belém, que ficou conhecida como Paris N’América.

Estado do Pará (PA) [Geografia]
5 (100%) 1 voto


Receba nossas atualizações grátis!

Comente