História do Patinho Feio

0
67

O Patinho Feio” é um conto de fadas literário do poeta e escritor dinamarquês Hans Christian Andersen (1805-1875). A história nos conta sobre um pato nascido em um pátio que é abusado pelos outros ao seu redor até que ele, para sua grande alegria (e para a surpresa dos outros), tornou-se um belo cisne, o pássaro mais bonito de todos, ao crescer. A história é amada em todo o mundo como uma história de transformação pessoal para melhor. “O patinho feio” foi publicado pela primeira vez em 11 de Novembro de 1843, juntamente com três outras histórias da Andersen em Copenhaga, Dinamarca, com fortes críticas. A história foi adaptada para diferentes meios de comunicação, incluindo ópera, musical e filme animado. A história é inteiramente invenção de Andersen e não se deve a contos de fadas ou folclore.

Esta é a história de um cisne nascido em uma família de patos, que é jogado fora do lago porque os outros animais acreditam que esse “patinho feio” não lhes pertence. Onde quer que ele vá, o patinho feio encontra animais em todos os lugares que o evitam pela mesma razão. Ao encontrar um grupo de elegantes aves brancas, o patinho feio esforça-se por um dia ser tão bonito como eles são. Depois de um inverno terrivelmente frio e solitário, o patinho feio vê seu reflexo na água e percebe que ele não era um pato afinal – ele se tornou o cisne mais bonito do lago.

“O Patinho Feio” é uma história clássica sobre a busca da própria identidade como alternativa à assimilação. O gato e a galinha dizem-lhe que se ele quer ser levado a sério, ou mesmo reconhecido como tendo uma opinião, ele tem de se comportar de certas maneiras. Apesar deste desânimo, o patinho feio continua a procurar a sua herança, seguindo uma coisa que prefere fazer: nadar. Quando ele foi retratado para tais desejos “estúpidos”, ele deixou a fazenda na esperança de encontrar alguém mais parecido consigo mesmo. Esta determinação de descobrir onde ele pertencia encorajava as crianças a nunca desistirem. Embora o patinho feio seja retratado várias vezes na história, ele finalmente consegue uma vida feliz como uma das mais belas criaturas da natureza.

No entanto, a mensagem não é inteiramente positiva. Esta história é sobre uma pergunta que as crianças muitas vezes fazem: onde é que eu me encaixo? O patinho feio é um patinho expulso pelos demais patos, não só porque é diferente de todos os outros, mas (como se repete repetidamente na história) porque é demasiado feio. Esta é uma mensagem humilhante para crianças que provavelmente se preocupam em ser intimidadas por seus próprios erros, não importa o quão meticuloso seja. Infelizmente, esta preocupação não é refutada até o fim, quando o cisne magicamente se torna o animal mais belo e admirado do lago. Enquanto o cisne finalmente triunfa, ele não tem controle sobre sua súbita aceitação entre outros animais e humanos, exceto por seu intenso desejo de ser tratado como um igual. Esta mensagem não baseia sua aceitação em suas ações, mas em seu estado de espírito e forças externas. Por isso, é provável que as crianças acreditem que o seu desejo de ser aceitas é mais importante do que as suas ações, ou que não conseguem controlar o seu destino, fazendo com que percam a esperança.

A História do Patinho Feio

O clima de verão no campo era lindo, e o milho dourado, a aveia verde e os palheiros empilhados nos prados estavam lindos. A cegonha, andando sobre suas longas pernas vermelhas, conversava na língua egípcia, que ela havia aprendido com sua mãe. Os campos de milho e prados estavam rodeados por grandes florestas, com poças profundas no meio. Foi realmente maravilhoso andar pelo país. Em um lugar ensolarado estava uma agradável e velha casa de fazenda perto de um rio profundo, e da casa até a orla cresceu grandes folhas de bardana, tão altas, que sob as mais altas delas uma criança pequena podia ficar de pé. O lugar era tão selvagem como o centro de uma floresta espessa. Nesse refúgio aconchegante, uma pata sentou-se em seu ninho, olhando para sua cria jovem para chocar; ela estava ficando cansada de seu trabalho, pois os pequeninos estavam saindo de seus ovos por um longo tempo e ela raramente tinha visitantes. Os outros patos gostavam de nadar no rio muito mais do que subir as margens lisas, e sentar-se debaixo de uma folha de bardana, para fofocar com ela. Finalmente partiu-se uma casca, e depois outra, e de cada ovo saiu uma criatura viva que levantou a cabeça e gritou: “Peek, peek”. “Quack, quack”, disse a mãe, e depois todos eles quackaram o melhor que puderam, olhando para as grandes folhas verdes de todos os lados. A mãe deles os fazia parecer o quanto eles queriam, porque o verde é bom para os olhos. Os patos jovens disseram, “Quão grande é o mundo”, quando descobriram quanto mais espaço tinham agora do que quando estavam na casca do ovo. “Pergunta à mãe: “Espera até que tenhas visto o jardim, que se estende muito além do campo do ministro, mas eu nunca me aventurei a tal distância. Não, eu declaro que o maior ovo ainda está lá,” ela continuou, “Não, eu declaro que o maior ovo ainda está lá. Eu me pergunto quanto tempo isso vai demorar, estou cansada disso” e ela sentou-se no ninho de novo.

“Bem, como estás?” perguntou um velho pato, que lhe fez uma visita.

“Um ovo ainda não eclodiu”, disse o pato, “não vai partir. Mas olha para os outros, não são os patos mais bonitos que já viste? São a imagem do pai, que é tão hostil que nunca vem ver.”

“Mostre-me o ovo que não se parte”, disse o pato, “Não tenho dúvidas de que é um ovo de peru. Eu fui persuadido a chocar alguns, e depois de todos os meus cuidados e problemas com os jovens, eles tinham medo da água. Eu grasnei e beijei, mas tudo isto sem qualquer propósito. Não consegui que eles se aventurassem na água. Deixa-me ver o ovo. Sim, é um ovo de peru; siga o meu conselho, deixe-o onde está, e ensine as outras crianças a nadar.”.

“Eu acho que vou ficar sentado nele por um tempo,” disse o pato, “porque eu estive sentado por tanto tempo, alguns dias não serão nada.

“Por favor,” disse o velho pato, e ela foi-se embora.

Finalmente o ovo grande quebrou, e um jovem rastejou para fora e gritou: “Peek, peek”. Era muito grande e feio. O pato olhou para ele e gritou: “É muito grande e não é nada parecido com os outros. Será que é mesmo um peru? Descobriremos em breve, mas se formos para a água. Ele tem de entrar, se eu próprio tiver de ser eu a empurrá-lo”.

No dia seguinte o tempo estava lindo, e o sol estava brilhando nas brácteas verdes, então a mãe pato levou sua cria para a água, e pulou com um respingo. “Quack, quack”, gritou ela, e um após o outro os patos saltaram para dentro. A água se fechou acima de suas cabeças, mas eles subiram novamente em um instante, e nadaram com as pernas por baixo o mais bonito possível, e o patinho feio também nadou com eles na água.

“Oh,” disse a mãe, “isso não é um peru; quão bem ele usa as pernas, e quão bem ele se mantém direito! Ele é meu próprio filho, e não é tão feio quando olhas para ele de perto. Quack, quack! Vem comigo agora, eu levo-te para a grande sociedade e apresento-te ao quintal, mas tens de ficar perto de mim, senão podes ser pisado; e, acima de tudo, tem cuidado com o gato”.

Quando chegaram ao pátio, houve grande agitação, duas famílias lutaram sobre a cabeça de uma enguia, que finalmente foi levada pelo gato. “Veja, crianças, esse é o caminho do mundo”, disse a mãe pato, batendo seu bico, pois ela mesma teria gostado da cabeça da enguia. “Vá lá, usa as pernas e mostra-me como te podes comportar bem. Você tem que curvar a cabeça diante daquele velho pato ali; ela é a mais alta de todas e tem sangue espanhol, então ela está em boa forma. Você não vê que ela tem uma bandeira vermelha amarrada na perna, que é algo muito grande, e uma grande honra para um pato; isso mostra que todos estão dispostos a não perdê-la, porque ela é reconhecível tanto por humanos quanto por animais. Vá lá, não vire os dedos dos pés, um patinho bem criado estende os pés para bem longe, assim como sua mãe e seu pai, desta forma; dobre o pescoço agora e diga ‘charlatanice'”.

Os patinhos fizeram o que ofereceram, mas o outro patinho olhou fixamente e disse: “Olha, aqui vem outra ninhada, como se ainda não houvesse suficiente de nós! E que objeto estranho é um deles; não o queremos aqui”, e então um deles voou e mordeu-o no pescoço.

“Deixa-o em paz”, disse a mãe, “ele não faz mal”.

“Sim, mas ele é tão grande e feio”, disse o odioso pato, “e é por isso que ele precisa ser levado adiante”. “Os outros são crianças muito bonitas”, disse o velho pato, com o trapo na perna, “tudo menos aquele, eu gostaria que a mãe pudesse melhorá-lo um pouco”.

“Isso é impossível, Vossa Graça, a mãe respondeu; ele não é bonito, mas tem uma atitude muito boa e nada tão bem ou até melhor do que os outros. Eu acho que ele vai crescer bem e talvez ele vai ser menor; ele ficou no ovo por muito tempo, então sua figura não está bem formada” e então ela acariciou seu pescoço e suavizou as penas e disse: “É um dragão, e portanto não tão importante. Acho que ele vai crescer forte e ser capaz de cuidar de si mesmo”.

“Os outros patinhos são suficientemente graciosos”, disse o velho pato. “Sinta-se em casa agora, e se conseguir encontrar a cabeça de uma enguia, pode trazê-la até mim.

E assim se acalmaram; mas o pobre patinho, que tinha escapado da sua casca por último e parecia tão feio, foi mordido, empurrado e ridicularizado, não só pelos patos, mas por todas as aves de capoeira. Ele é muito grande”, todos eles disseram, “e o galo de peru, que nasceu com vestígios no mundo e realmente queria ser um imperador, inchou-se como um navio em plena velocidade, e voou para o patinho, e voou apaixonadamente para o patinho, e tornou-se muito vermelho na cabeça, de modo que a pobre coitada não sabia para onde ir, e foi muito miserável porque ele era tão feio e foi rido de todo o quintal. E assim continuava de dia para dia até ficar cada vez pior. O pobre patinho era impulsionado por todos; até mesmo seus irmãos eram indelicados com ele, dizendo: “Ah, sua criatura feia, eu gostaria que o gato te tivesse”, e sua mãe disse que desejava que ele nunca tivesse nascido. Os patos apanharam-no, as galinhas bateram-lhe, e a rapariga que alimentava a galinha pontapeou-o com os pés. Então, no final, ele fugiu e assustou os pássaros na sebe enquanto sobrevoava as enguias.

“Eles têm medo de mim porque sou feio”, disse ele. Então ele fechou os olhos e voou, até que encontrou uma grande charneca, habitada por patos-reais. Aqui ficou a noite toda e sentiu-se muito cansado e triste.

De manhã, quando os patos-reais se levantaram no ar, olharam para o seu novo camarada. Que tipo de pato és tu,” todos disseram, quando passaram por ele.

Ele se curvou diante deles e foi o mais educado possível, mas não respondeu à pergunta deles. “Você é extremamente feio”, disse o pato-real, “mas não importa se você não quer se casar com uma de nossas famílias.

Ele só queria permissão para se deitar entre as corridas e beber um pouco de água na charneca. Depois de dois dias na charneca, dois gansos selvagens, ou melhor, gansos, vieram porque não chocavam há muito tempo, e estavam muito picantes. “Ouve, amigo,” um deles disse ao patinho, “és tão feio que gostamos muito de ti. Você virá conosco e se tornará um pássaro de trânsito? Não muito longe daqui está outra charneca, onde há alguns gansos selvagens, todos solteiros. É uma oportunidade para teres uma mulher, talvez tenhas sorte, sejas feia como és.”

“Boneca, boneca,” soou no ar, e os dois gansos selvagens caíram mortos entre as corridas, e a água estava tingida de sangue. “Pop, pop, pop,” soou à distância, e manadas inteiras de gansos selvagens surgiram das correrias. O som continuou de todos os lados, porque os atletas cercaram a charneca e alguns até se sentaram em galhos de árvores, com vista para as corridas. A fumaça azul das armas subiu como nuvens acima das árvores escuras, e enquanto ela se movia através da água, um número de cães esportivos estavam embarcando entre as corridas, que se dobravam em todos os lugares abaixo delas. Como assustaram o pobre patinho! Ele virou a cabeça para escondê-la debaixo das asas, e ao mesmo tempo um grande cão terrível morreu perto dele. Suas mandíbulas estavam abertas, sua língua pendurada em sua boca e seus olhos brilhavam ansiosamente. Ele empurrou seu nariz para perto do patinho e mostrou seus dentes afiados, e então, “espirrando, espirrando”, ele entrou na água sem tocá-lo, “Oh,” o patinho suspirou, “como sou grato por ser tão feio; até mesmo um cachorro não me morde”. E assim ele ficou quieto, enquanto o tiro estava balançando através dos arbustos, e arma após arma foi disparada sobre ele. Era tarde do dia que tudo se calava, mas mesmo assim o pobre jovem não se atrevia a mexer-se. Ele esperou calmamente por algumas horas, e depois de ter olhado ao seu redor de perto, ele correu para longe da charneca o mais rápido possível. Ele correu pelo campo e pelo prado até uma tempestade, e mal conseguia lutar contra ela. À noite chegou a uma pobre casinha que parecia estar pronta para cair, e só ficou parada porque não conseguia decidir de que lado ele iria cair primeiro. A tempestade correu tão mal que o patinho não pôde ir mais longe; ele sentou-se junto à casa, e então percebeu que a porta não estava completamente fechada porque uma das dobradiças estava quebrada. Assim, havia uma abertura estreita no fundo que era grande o suficiente para que ele escapasse, o que ele fez muito silenciosamente, e foi-lhe dado um abrigo para a noite. Nesta casa vivia uma mulher, uma ressaca e uma galinha. A ressaca, que a amante chamava de “Meu filho”, era uma grande favorita; ele podia levantar as costas e girar, e até jogar faíscas fora do casaco se fosse acariciado na direção errada. A galinha tinha pernas muito curtas, por isso chamavam-lhe “pernas curtas de galinha”. Ela pôs bons ovos, e a sua amante amava-a como se fosse sua própria filha. De manhã o estranho visitante foi descoberto, e a ressaca começou a girar e o frango começou a cacarejar.

“A velha mulher, olhando ao redor da sala, disse, mas sua visão não era muito boa, então quando ela viu o patinho, ela pensou que devia ser um pato gordo que se tinha desviado de casa. “Oh, que preço”, exclamou ela, “Espero que não seja um dragão, porque assim terei uns ovos de pato. Tenho de esperar para ver.” Então o patinho foi autorizado a ficar em julgamento durante três semanas, mas não havia ovos. Ora, a ressaca era a dona da casa, e a galinha era a senhora, e eles sempre diziam: “Nós e o mundo”, porque acreditavam que eram metade do mundo, e a melhor metade também. O patinho pensou que os outros poderiam ter uma opinião diferente sobre isso, mas não ouviam tais dúvidas. “Podes pôr ovos?”, perguntou ela. “Não.” “Então tem a bondade de manter a boca fechada.” “Podes levantar as costas, ou aranhas, ou deitar faíscas fora?”, disse a ressaca. “Não.” “Então não tem o direito de expressar a sua opinião quando pessoas sensatas falam”. Então o patinho estava sentado num canto, com um calor muito baixo, até que o sol e o ar fresco entraram na sala através da porta aberta, e então ele começou a sentir um desejo tão grande de nadar sobre a água, que não podia deixar de dizer ao frango.

“Que ideia absurda”, disse a galinha. “Não tens mais nada para fazer, e é por isso que tens fantasias estúpidas. Se pudesses aranhas ou pôr ovos, eles morreriam.”

“Mas é tão maravilhoso nadar na água”, disse o patinho, “e tão refrescante senti-lo perto de sua cabeça enquanto você mergulha até o fundo”.

“Delicioso, de facto!” disse a galinha, “porque é que tens de ser tão maluco! Pergunte ao gato, ele é o animal mais esperto que conheço, pergunte-lhe como quer nadar ou mergulhar debaixo de água, porque não vou falar da minha opinião; pergunte à nossa senhora, a velha – não há ninguém no mundo mais esperto do que ela. Achas que ela gostaria de nadar, ou fechar a água acima da cabeça?””

“Você não me entendeu”, disse o patinho.

“Não te entendemos? Quem é que te pode entender, pergunto-me quem é que tu entendes? Achas que és mais esperto do que o gato ou a velha? Não direi nada sobre mim. Não imagine este absurdo, criança, e agradeça a sua felicidade por ter sido recebido aqui. Não estás num quarto quente e numa sociedade com a qual podes aprender alguma coisa? Mas você é um chatterbox e sua empresa não é muito agradável. Acredita em mim, só falo pelo teu próprio bem. Posso ser capaz de te dizer verdades desagradáveis, mas isso é prova da minha amizade. Portanto, recomendo que ponha ovos e aprenda a girar o mais rápido possível.”.

“Acho que devo voltar ao mundo”, disse o patinho.

“Sim”, disse a galinha. Então o patinho saiu de casa, e logo encontrou água para nadar e mergulhar, mas foi evitado por todos os outros animais por causa de sua aparência feia. Chegou o outono, e as folhas da floresta mudaram para laranja e ouro. À medida que o inverno se aproximava, o vento os pegou ao cair e os empurrou para o ar frio. As nuvens, pesadas de granizo e flocos de neve, estavam baixas no céu, e o corvo estava sobre os fetos gritando: “Croak, croak”. Assustou um arrepio de frio ao olhar para ele. Tudo isto foi muito triste para o pobre patinho. Uma noite, quando o sol se punha entre as nuvens brilhantes, uma grande manada de pássaros lindos saiu dos arbustos. O patinho nunca tinha visto nada como ela antes. Eram cisnes, e dobravam seus graciosos pescoços, enquanto sua plumagem suave era mostrada com uma brancura deslumbrante. Eles fizeram um único grito, espalhando suas asas gloriosas e voando para longe dessas regiões frias para terras mais quentes através do mar. À medida que iam subindo mais e mais alto no céu, o patinho feio sentia um sentimento estranho ao olhar para eles. Ele rodou para dentro da água como uma roda, esticou o pescoço em direção a eles, e fez um grito tão estranho que se assustou. Será que ele poderia esquecer aqueles pássaros bonitos, felizes, e quando eles estavam finalmente fora de sua vista, ele apareceu debaixo da água, quase ao seu lado com excitação. Ele não sabia os nomes destas aves, nem para onde tinham voado, mas sentia por elas como não sentia por nenhuma outra ave no mundo. Ele não tinha ciúmes destas lindas criaturas, mas queria ser tão doce como elas eram. Pobre criatura feia, tanto quanto ele gostaria de ter vivido com os patos se eles o tivessem encorajado. O inverno estava ficando cada vez mais frio; ele tinha que nadar sobre a água para evitar que ela se congelasse, mas todas as noites o espaço em que ele estava nadando era cada vez menor. Lentamente mas seguramente congelou com tanta força que o gelo crepitou na água enquanto ele se movia, e o patinho teve que remar suas pernas o melhor que pôde para evitar que o espaço fechasse. Ele estava finalmente exausto, deitado e indefeso, congelado no gelo.

De manhã cedo, um agricultor que passava viu o que tinha acontecido. Ele quebrou o gelo em pedaços com seu tamanco e levou o patinho para casa para sua esposa. O calor reanimou a pobre criaturinha, mas quando as crianças quiseram brincar com ele, o patinho pensou que lhe fariam algum mal; então ele começou a se assustar, tremendo na panela de leite e o leite espirrou pelo quarto. Então a mulher bateu palmas, o que o deixou ainda mais assustado. Ele voou primeiro na copa da manteiga, depois no bebedouro e depois saiu outra vez. Em que situação ele estava! A mulher gritou e o feriu com os alicates; as crianças riram e gritaram, e tropeçaram umas sobre as outras, tentando apanhá-lo; mas felizmente ele escapou. A porta estava aberta; a pobre criatura podia simplesmente sair dos arbustos e deitar-se na neve recém-caída.

Seria muito triste se eu vos dissesse toda a miséria e sofrimento que o pobre patinho suportou durante o inverno rigoroso; mas quando acabou, uma manhã ele deitou-se numa charneca, entre as correrias. Ele sentiu o sol quente brilhar, ouviu a cotovia cantar e viu que era uma primavera linda ao redor. Então o passarinho sentiu que as suas asas eram fortes quando bateu as asas contra o seu lado e se levantou bem alto no ar. Ele estava ainda mais entediado com eles até que se encontrou em um grande jardim, antes de saber exatamente como tinha acontecido. As macieiras estavam em plena floração, e os anciãos perfumados curvaram seus longos galhos verdes até o riacho que se enrolou em torno de um gramado liso. Tudo parecia bonito, na frescura do início da Primavera. De um arbusto próximo vieram três lindos cisnes brancos, que fizeram barulho com suas penas e nadaram levemente sobre a água escorregadia. O patinho lembrou-se dos lindos pássaros e, estranhamente, sentiu-se mais infeliz do que nunca.

“Eu voarei até aquelas aves reais”, exclamou ele, “e elas me matarão porque sou tão feia, e me matarão porque sou tão feia, e me matarão porque sou tão feia, e ousarão aproximar-se delas; mas não importa o quê: é melhor ser morto por elas do que pelos patos, espancado pelas galinhas, voltado pela virgem que alimenta as aves, ou faminto de fome no inverno”.

Depois voou para a água e nadou até aos belos cisnes. No momento em que abraçaram o estranho, correram para encontrá-lo com asas estendidas.

Matem-me,” disse o pobre pássaro, e ele curvou a cabeça até a superfície da água, e esperou pela morte.

Mas o que é que ele viu no riacho por baixo dele? Sua própria imagem; não mais um pássaro escuro, cinza, feio e desagradável de se ver, mas um cisne gracioso e belo. Nascer num ninho de patos, numa quinta, não tem importância para uma ave, se esta tiver nascido do ovo de um cisne. Ele estava agora contente por ter experimentado a dor e a angústia, porque podia desfrutar muito melhor de todo o prazer e felicidade ao seu redor; pois os grandes cisnes nadavam ao redor do recém-chegado e acariciavam seu pescoço com seus bicos, como uma recepção de boas-vindas.

Agora, no jardim, algumas crianças pequenas vinham e jogavam pão e bolo na água.

“Veja, o mais novo gritou, há um novo, e o resto foi feliz, e correu para seu pai e sua mãe, dançando e batendo palmas e gritando alegremente: “Há outro cisne vindo, há um novo vindo”.

Depois jogaram mais pão e bolos na água e disseram: “O novo é o mais belo de todos, é tão jovem e belo”. E os velhos cisnes curvaram as cabeças diante dele.

Então ele se envergonhou e escondeu a cabeça debaixo das asas; porque não sabia o que fazer, era tão feliz, mas não se ensoberbeceu em absoluto. Ele foi perseguido e desprezado por sua fealdade, e agora ele os ouviu dizer que ele era o mais belo de todos os pássaros. Até mesmo a árvore mais velha curvou seus arcos na água na frente dele e o sol estava brilhando quente e claro. Então, rastejou suas penas, dobrou seu pescoço esguio e gritou alegremente do fundo de seu coração: “Eu nunca sonhei com tal felicidade como esta, quando eu era um patinho feio”.

História do Patinho Feio
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente