História em Quadrinhos: O Que é? Confira Exemplos

0
97

Um gibi, história em quadrinhos ou HQ, é uma publicação constituída por quadrinhos desenhados sob a forma de sucessivos painéis justapostos que representam cenas individuais. Os painéis são frequentemente acompanhados de prosa descritiva e narrativa escrita, geralmente em balões de palavras. Embora os quadrinhos tenham sido introduzidos pela primeira vez no Japão no século XVIII, eles foram distribuídos pela primeira vez nos Estados Unidos e no Reino Unido na década de 1930. A primeira história em quadrinhos moderna, Famous Funnies, publicada em 1933 nos Estados Unidos, é uma reimpressão de tira de quadrinhos anteriores do jornal que havia estabelecido muitos dos dispositivos narrativos usados nos quadrinhos.

O maior mercado de histórias em quadrinhos é o Japão. Até 1995, o mercado de mangá no Japão era estimado em 586,4 bilhões de ienes (6 a 7 bilhões de dólares), com um faturamento anual de 1,9 bilhão de libras/mangá no Japão (15 números por pessoa) O mercado de gibis nos Estados Unidos e Canadá foi estimado em 1,09 bilhão de dólares em 2016. Outro grande mercado de quadrinhos é a França, onde os quadrinhos franco-belgas e a mangá japonesa representam 40% do mercado, seguidos pelos quadrinhos americanos com 10% do market share. No Brasil, uma das histórias em quadrinhos de maior sucesso é a Turma da Mônica, criada pelo Maurício de Souza.

A história em quadrinhos depende da sua organização e aparência. Os autores focam principalmente em frames de página, tamanho, orientação e posição dos painéis. Estes aspectos característicos da história desenhada são necessários para transmitir o conteúdo e as mensagens do autor. Os elementos-chave da história em quadrinhos são molduras pretas, balões de fala, textos (linhas) e números. Balões são geralmente recipientes convexos contendo informações sobre uma figura usando uma espécie de cauda que aponta a sua origem, um caminho, um ponto e uma direção específica. As principais tarefas na criação de histórias em quadrinhos são escrever, desenhar e pintar. Existem muitas fórmulas tecnológicas que são usadas para criar histórias em quadrinhos, incluindo direções, eixos, dados e métricas. Escrever, desenhar e colorir seguem estes importantes procedimentos de formatação.

A história em quadrinhos como meio de impressão existe na América desde The Adventures of Mr. Obadiah Oldbuck impressa em capa dura em 1842, tornando-a o protótipo das histórias em quadrinhos americanas. As revistas de histórias em quadrinhos começaram a aparecer no início do século XX, com a primeira tira em tamanho real, Funnies on Parade. Funnies on Parades foi o primeiro livro a definir o tamanho, duração e formato dos quadrinhos modernos. Depois veio a Famous Funnies: A Carnival of Comics, o primeiro verdadeiro novato americano em quadrinhos, com 36 páginas. A introdução em 1938 do Superman, criado por Jerry Siegel e Joe Shuster, fez desta indústria o que ela é hoje, abrindo caminho para a era dourada dos quadrinhos. A idade de ouro apareceu como o arquétipo do super-herói. De acordo com o historiador Michael A. Amundson, personagens atraentes de quadrinhos têm ajudado a aliviar os medos dos jovens leitores sobre a guerra nuclear e a neutralizar seu medo das questões de energia nuclear.

Os historiadores geralmente compartilham a cronologia da história em quadrinhos americana em épocas, ou eras. A era de ouro dos quadrinhos começou na década de 1930; é geralmente considerada o início da história em quadrinhos tal como a conhecemos hoje. A era de prata das histórias em quadrinhos é amplamente considerada como sendo o início do primeiro renascimento bem sucedido da forma então adormecida do super-herói, com o início do Flash in Showcase #4 (Out. 1956). A era de prata durou até ao final dos anos 60 ou início dos anos 70, quando a Marvel Comics revolucionou o meio criando super-heróis naturalistas, como Quarteto Fantástico e Homem Aranha. A fronteira entre a era de prata e a próxima era, a era de bronze dos quadrinhos, é menos clara. A era de bronze dos quadrinhos foi do início dos anos 1970 até meados dos anos 1980. A era moderna dos quadrinhos se estende de meados dos anos 1980 até o presente.

Um evento notável na história da publicação de quadrinhos americanos foi a crítica do psiquiatra Fredric Wertham deste meio em seu livro Sedução do Inocente (1954), que levou o Subcomitê do Senado dos EUA sobre delinquência juvenil a investigar os gibis. Em 1954, a AAMC notificou a Comics Code Authority e, nesse ano, estabeleceu o Comics Code of Self-Censorship, que exigia que todos os quadrinhos estejam sujeitos a um processo de aprovação. Foi apenas nos anos 70 que a banda desenhada pôde ser publicada sem passar na inspeção da AAMC. O código foi oficialmente eliminado em novembro de 2011.

Histórias em Quadrinhos: Década Por Década

Novos eventos que caracterizam a indústria das histórias em quadrinhos são constantemente adicionados. Enquanto as bases da indústria de hoje foram lançadas na década de 1920, os eventos de hoje estão moldando a indústria do amanhã.

Alguns dos eventos listados abaixo são importantes porque têm um impacto no passado e no presente, mas também pelo que ainda fazem hoje. No entanto, algumas das questões abordadas já foram importantes, mas desapareceram ao longo do tempo, mas ainda hoje afetam a indústria. Um elemento é claro em todos esses eventos, o significado não é apenas o que aconteceu, mas quando aconteceu.

Com a atual diluição do público e a saturação do mercado pelas distrações da cultura pop, a maioria dos eventos que moldaram a mídia não teria o mesmo efeito se tivessem sido apresentados hoje. Neste contexto, este artigo discute eventos importantes da época, bem como eventos não reconhecidos que tiveram efeitos significativos a longo prazo.

1920

Os quadrinhos existiam antes da virada do século, mas não foi até 1929 que The Funnies #1 (Dell) foi lançado. The Funnies foi a primeira coleção de banda desenhada, mas era mais um suplemento de jornal colorido porque não tinha capa do que o formato de banda desenhada conhecido hoje em dia. Antes de 1929, quase todos os quadrinhos faziam parte de revistas, jornais ou suplementos e não eram vendidos separadamente. Embora o The Funnies tenha sido a primeira coleção e definitivamente se tenha tornado um sinal para quadrinhos posteriores, ele se assemelha tanto aos quadrinhos modernos quanto aos primeiros veículos movidos a vapor do século XVIII para os carros modernos de hoje.

A maioria dos personagens de quadrinhos da década de 1920 foi criada para tiras de jornais e não para livros independentes. É triste ver os personagens dessa época e como poucos sobreviveram aos tempos modernos. Desde o início das primeiras duas décadas do século XX, houve literalmente centenas de personagens e quadrinhos, mas apenas um punhado deles fez o salto em quadrinhos e ainda assim são pouco conhecidos hoje em dia. O Gasoline Alley era uma banda desenhada extremamente popular em sua época e, embora já não fosse o monstro que era, ainda hoje pode ser encontrado na seção de quadrinhos de alguns jornais americanos. Os maiores sobreviventes desta lista são Tintin, Buck Rogers, Popeye e Tarzan, que não atraem leitores como no seu auge.

1930

A década de 1930 marcou o início da era dourada dos quadrinhos. Foi nessa época que as sementes de tudo o que sabemos hoje em quadrinhos foram semeadas pela primeira vez. Há vários eventos e figuras chave da década de 1930 que moldaram o surgimento dos quadrinhos modernos.

Famous Funnies: An Eastern Color Printing Carnival foi lançado em 1933. Foi a primeira publicação a se assemelhar ao que hoje chamamos de quadrinhos, com capa e páginas internas coloridas. Famous Funnies: A Carnival of Comix foi doado ou vendido (não sabemos muito bem) para a loja de departamentos Woolworth. Isto foi seguido em 1934 por Famosas Funnies #1, um grande formato de 68 páginas vendidas por 10 centavos cada. Lembre-se que o salário líquido médio de uma pessoa nos Estados Unidos na época era inferior a $25 por semana e que em tempos de depressão uma moeda de 10 centavos poderia servir uma refeição. Apesar do alto custo, a primeira edição vendeu mais de 180.000 cópias.

New Fun Comics (mais tarde More Fun Comics) #1 (National Allied Publications, mais tarde DC) foi publicado em 1935 e foi a primeira tira de quadrinhos a conter qualquer material novo. Este título contaria mais tarde com as primeiras aparições de personagens como Doctor Fate, The Spectre, Green Arrow, Aquaman e Superboy. New (More) Fun foi a primeira tira de quadrinhos da DC e colocou a indústria de quadrinhos em movimento que conhecemos hoje.

O acontecimento mais importante dos anos 30 pode ser resumido como “a roupa interior no exterior”. No ano entre as datas de capa de junho de 1938 e maio de 1939, os dois personagens mais importantes da história em quadrinhos apareceram pela primeira vez. Sim, mas a importância do Superman e Batman para quadrinhos e muitas outras mídias não pode ser enfatizada demais. Na altura das suas primeiras atuações, ambos tiveram êxitos. Quando Super-Homem fez a mudança para histórias em quadrinhos, sua chamada para as crianças que liam livros passou a ser para lerem suas aventuras no jornal. Uma vez que o rádio começou com as aventuras do Super-Homem, a explosão pop-cultural começou. O Batman era um grande sucesso quando começou. Não há nada na cultura popular moderna que possa ser comparado ao fenômeno do Superman/Batman. É improvável que, se estes personagens fossem criados hoje, tivessem o impacto que tiveram nos anos 30. Mas para ser honesto, nem mesmo na vizinhança desses revolucionários, nenhum médium criou nada por muito tempo, nem mesmo na vizinhança desses personagens revolucionários.

Com exceção de Mickey Mouse, cuja estrela desapareceu nas últimas décadas, Superman e Batman são os únicos ícones que cruzam todas as linhas divisórias culturais, étnicas e sociais que são instantaneamente reconhecíveis. O dinheiro ganho com esses dois personagens em impressão, filme e merchandising está na casa dos bilhões. O império de histórias em quadrinhos da DC e uma grande parte do estúdio de cinema da Warner Brothers seriam muito diferentes hoje em dia sem estes dois homens de collants. É muito provável que, sem a chegada dos super-heróis, não houvesse hoje uma indústria de gibis e histórias em quadrinhos como hoje.

Havia muitas editoras que começaram nos anos 30, incluindo DC (então ainda Aliada Nacional) e Marvel (então ainda Timely), pequenas ilhas no oceano de editoras que dividiam com Dell, Centaur, McKay, Eastern Color, Fawcett e muitas outras. Das empresas ativas na edição de histórias em quadrinhos nos anos 30, apenas a Marvel e a DC ainda hoje existem como editoras desse tipo de material. A maioria das outras empresas faliu completamente, parou de fazer quadrinhos ou foi absorvida por outras empresas.

1940

Há apenas um grande acontecimento a considerar desde os anos 40, a Segunda Guerra Mundial. Embora a guerra em si tenha sido uma coisa terrível, teve alguns efeitos positivos sobre a indústria das histórias em quadrinhos. Um dos maiores efeitos a curto prazo foi a necessidade de ler material para as tropas estacionadas no estrangeiro. Quase 30% do material de leitura enviado aos soldados eram histórias em quadrinhos. Os soldados estavam ansiosos para a distração e fuga da realidade e a qualidade do material nunca foi tão importante quanto o vínculo com o lar que as tropas sentiram ao ler essas histórias.

Outro efeito importante que durou mais tempo foi a movimentação do papel durante a guerra. Havia uma grande demanda por papel, porque tudo, desde explosivos e tochas até as caixas para o transporte de suprimentos, precisava de papel. Quase todo o papel, como o jornal antigo, era necessário para o esforço de guerra, e os quadrinhos não estavam isentos. Recolher e depois destruir tantos quadrinhos teve um efeito a longo prazo surpreendente no mercado de colecionadores. Basta pensar no número de livros da Edade de Ouro que estão disponíveis no mercado de colecionadores de hoje sem as unidades de papel durante a guerra, o que poderia render uma enorme quantidade de livros da Idade de Ouro. Action Comics #1 (a história em quadrinhos mais valiosa com 2,1 milhões de dólares no leilão recente), por exemplo, é incrivelmente rara, com estimativas de menos de 100 cópias restantes. Dessas 100 cópias, apenas seis foram registadas como “justas” ou em melhores condições (para colocar isto em perspectiva: a tiragem original foi de cerca de 200.000 cópias). Quantos seriam hoje sem os discos de papel? A quantidade disponível de livros da Era de Ouro seria imprevisivelmente maior do que é hoje e a indústria teria uma aparência bastante diferente.

Além das consequências políticas da guerra, muitos personagens surgiram na década de 1940, dos quais o Capitão Marvel era o mais popular na época. A terceirização regular do Superman foi o que acabou condenando o “Big Red Cheese”, como ele era carinhosamente chamado, à ignorância relativa. Anos de processos por violação de direitos autorais acabaram por matar o personagem e a Fawcett Publications, seu editor de então. Foi somente na década de 1960 que a DC Comics, vencedora dos processos, comprou a Fawcett e a publicou como SHAZAM (entretanto, a Marvel Comics havia criado e marcado o nome Captain Marvel como um novo personagem). SHAZAM teve alguma popularidade, mas nunca foi tão interessante para os fãs mainstream quanto o Capitão Marvel original. Outro efeito estranho do processo Fawcett/DC (que foi finalmente estabelecido em 1953) foi que, quando o Capitão Marvel desapareceu dos quadrinhos, havia lacunas nos livros que precisavam ser preenchidas. Estes incluíam os seus livros britânicos, que eram na sua maioria reimpressões de histórias mais antigas impressas para a Grã-Bretanha. A lacuna criada pelo desaparecimento do Capitão Marvel foi fechada por um imitador mal escondido chamado Marvelman. O litígio desencadeado pela questão DC/Fawcett levou ao litígio da Marvelman, e os leitores de histórias em quadrinhos ainda estão sentindo os efeitos.

O personagem dos anos quarenta com o maior efeito deve ser outro capitão, o Capitão América. Embora tenha experimentado bastante sucesso durante os anos de guerra, a popularidade do Capitão América começou a diminuir e suas aventuras terminaram completamente em 1949. Depois de algumas tentativas terríveis de reavivamento nos anos 50, o personagem parecia morto. Quando a Marvel decidiu, em 1964, recapturar o personagem como um membro dos Avengers, a popularidade do capitão foi assegurada e ele é um fator-chave para o sucesso da Marvel que continua até hoje.

1950

A década de 50 do século passado não foi uma boa década para a indústria das histórias em quadrinhos. Após a guerra, as vendas caíram drasticamente e depois continuaram a diminuir nos anos 50. Super-heróis morreram entre 1950 e 1955 e apenas Superman, Batman e Mulher Maravilha (e alguns menores) foram lançados. Como o super-herói falhou, outros gêneros começaram a ganhar popularidade. Os quadrinhos ocidentais, românticos, criminosos, de horror e de ficção científica tornaram-se extremamente populares. Foi o súbito aumento da popularidade do crime e quadrinhos de terror, juntamente com um aumento da delinquência juvenil, que levou a Fredric Wertham e sua cruzada contra os quadrinhos.

O Dr. Wertham era um psiquiatra que se virou contra as histórias em quadrinhos. Ele viu uma conexão entre eles e a delinquência juvenil, mas suas conclusões foram baseadas em evidências anedóticas e geralmente surgiram com a mesma coisa que acontece a cada poucos anos na sociedade quando as pessoas “bem intencionadas e bem pensantes” têm medo de alguma coisa. “X é uma má influência sobre Y, e por isso Z acontece”. Em geral, os itens que preenchem X são uma cultura popular, como livros, filmes, TV e jogos de vídeo, e Y é sempre crianças ou pessoas mentalmente perturbadas. Z raramente tem uma conexão real com X ou Y que vai além de um imaginário.

Wertham testemunhou em audiências no Capitólio Hill que a indústria da comédia, juntamente com seu livro Sedução do Inocente, levou à criação de uma instituição de autocensura chamada Comics Code Authority. As novas regras da CCA significavam que praticamente todos os quadrinhos de crime, horror e fantasia negra eram parados ou desinfectados para serem ilegíveis. Muitos editores (Ace, Avon, Fiction House e Mainline) fecharam suas portas por causa das novas restrições. A EC Comics só sobreviveu convertendo a revista em quadrinhos MAD em um formato de revista que estava isento da CCA. Sob as novas regras, qualquer gibi que fosse até mesmo remotamente controverso sofreu e se tornou como um episódio de Ozzie e Harriet. Esta desinfecção do produto apenas agravou a queda das vendas.

Hoje em dia, a CCA é quase completamente esquecida e não tem sido constantemente perseguida pelas grandes editoras há anos. A Marvel deixou-a cair completamente em 2001, seguida pela DC e pela Archie em 2010. O único efeito duradouro do código é o prejuízo que causou a todo o setor.

Os anos cinquenta não foram perdas totais. Em 1956, Julie Schwartz começou a Era de Prata dos quadrinhos. Não realmente, mas o Showcase #4 (DC) é agora considerado pelos colecionadores como o início da Era da Prata. Sob a direção editorial de Schwartz, a DC entrou na era de prata, com muitos personagens clássicos, adaptados com uma nova origem e identidades atualizadas para o público moderno dos anos 50. Hoje, a maioria desses grandes personagens ainda está lá e prosperando (Flash, Lanterna Verde e o Átomo). Praticamente todos os personagens atuais da DC datam da Idade da Prata dos anos 50, e os novos 52 estariam mais próximos dos novos 25, se não daqueles criados ou reconstruídos durante a Era da Prata.

1960

Os anos sessenta foram um período de crescimento considerável na indústria de quadrinhos. Nunca mais haveria o auge da Idade de Ouro, mas a agora avançada Idade de Prata tornou possível que mais e mais quadrinhos fossem publicados.

Na década de 1960, os primeiros grandes congressos de quadrinhos começaram e tiveram grande popularidade. Não houve grande presença na mídia ou visualização de filmes, mesmo que os painéis honorários e convidados de honra ou qualquer forma de status de celebridade para os representantes da indústria estivessem faltando.

Em papel, os quadrinhos do Atlas tornaram-se quadrinhos da Marvel e começaram a lançar um novo grupo de títulos, como Quarteto Fantástico, Os Vingadores, Hulk e Homem-aranha. A tentativa de selecionar o mais importante dos livros da Marvel dos anos 60 é como pregar gelatina em uma árvore. O que está claro sobre este tempo na história dos quadrinhos é que a Marvel começou a crescer e evoluir quando a DC começou a vacilar. O acordo restritivo de distribuição que a Marvel tinha para seus livros (uma empresa de propriedade da DC era responsável pela distribuição e limitava a Marvel a oito títulos por mês) impediu que eles explodissem em popularidade, mas a fonte estava na parede da DC.

1970

Enquanto a década de 1970 estava em pleno andamento, a Marvel assumiu o número um da DC e expandiu sua essa liderança. O cancelamento de uma grande parte dos livros da DC, chamado The DC Implosion, prejudicou a editora em termos de dinheiro e leitores. Infelizmente, a qualidade dos livros publicados pela Marvel diminuiu. A supervisão muito pobre do talento significou que quase tudo foi impresso e a empresa não ganhou muito dinheiro com a nova liderança. Por mais que hoje em dia se perca a interferência editorial, tanto o uso das editoras para alguma coisa e a falta de controle editorial ficou evidente com alguns títulos da Marvel.

Enquanto isso, Jack Kirby deixou a Marvel para DC, onde criou o que se tornaria o Quarto Mundo. Na época, a DC não estava muito satisfeita com os títulos Mister Miracle, The New Gods e The Forever People ou com as vendas que eles geravam. Parte do problema era como as empresas de CD e banda desenhada geralmente determinavam a venda de um livro. Houve um atraso significativo na compreensão de como um livro vendeu bem. As empresas tiveram de esperar vários meses até que chegassem as devoluções para determinar o número de exemplares efetivamente vendidos. Quando a DC percebeu que os três títulos estavam vendendo bem o suficiente, eles começaram o processo de cancelamento dos livros, e nenhum dos três teve sucesso depois de 25 edições. É interessante notar que os personagens dos Novos Deuses que foram integrados no universo DC e relançados na década de 1980 são agora parte integrante do DC e do New 52.

Olhando para trás, o maior evento da década de 1970 foi a criação do mercado direto em meados da década. Anteriormente, os quadrinhos eram distribuídos em quiosques, farmácias e confeitarias através do sistema central de distribuição periódica de algumas empresas. Havia um pequeno sistema de assinatura, mas a maioria dos quadrinhos vendidos vinha dos quiosques. Esses varejistas podiam devolver quadrinhos não vendidos para crédito (somente cobertores rasgados eram devolvidos e os outros tinham que ser descartados) para fazer a próxima compra. É esse novo sistema de distribuição que tem impulsionado o crescimento das lojas especializadas, trazendo diversos benefícios para o cliente. A velocidade do serviço melhorou à medida que as lojas diretas receberam livros mais rapidamente, o que tem sido muito popular entre os leitores. A condição dos livros também era geralmente melhor do que nas bancas de jornais ou nas assinaturas. Os varejistas gostaram porque fizeram mais lucros com os livros porque não puderam devolvê-los. Podiam continuar a vender banda desenhada como edições anteriores e ganhar dinheiro.

O problema com o mercado direto é que ele só foi criado para substituir temporariamente o sistema de quiosques com falha. Não havia nenhum plano para o que seguiria o sistema direto, apenas que haveria uma substituição em algum momento. Infelizmente, os editores puseram todos os seus ovos neste cesto e, nos anos 90, o número de encerramentos de lojas aumentou acentuadamente e a queda nas vendas de livros teve consequências graves. A criação de lojas especializadas bloqueou o potencial de crescimento, pois os novos leitores foram desencorajados ou não tiveram acesso a esses locais. A indústria agora é baseada em um distribuidor principal (Diamond), onde costumava haver um monte deles. Livrarias e quadrinhos digitais também ocupam parte do mercado direto, e essa “solução temporária” começa a mostrar as rachaduras de quase quatro décadas.

A lista de novos personagens dos anos 70 é realmente digna de uma visita. Algumas das primeiras aparições dos personagens principais conhecidos hoje foram: o Lanterna Verde John Stewart, Power Girl (janela do peito opcional neste ponto), Adam Warlock, Luke Cage e os personagens mais importantes de todos, The Wonder Twins! No entanto, o personagem que celebrou sua estréia e teve a influência mais duradoura na década de 1970 deve ser Wolverine. Criado por Len Wein e Herb Trimpe, Sr. “Sou o melhor no que faço, mas o que faço não é muito bom.” (Wolverine) teve um impacto duradouro na indústria da banda desenhada, não apenas no melhor. Foi somente quando Chris Claremont começou a escrever Wolverine que o personagem desenvolveu uma verdadeira profundidade e sentimento, sem mencionar referências a uma história de fundo ridiculamente bloqueada. Wolverine também se tornou a inspiração para uma nova colheita de anti-heróis escuros e granulares. Wolvie está agora impresso em todos os livros da Marvel e provavelmente também em alguns livros de DC. Está bem, nem por isso, mas há meses em que é assim.

1980

A explosão de novas editoras na indústria de quadrinhos imediatamente marcou a década de 1980 como um destaque criativo. Novos editores surgiram da indústria da construção em madeira e ostentaram um novo conjunto de criadores pertencentes a alguns dos maiores nomes da indústria e novos criadores “em ascensão”. Entre os muitos quadrinhos e editoras estão Capital Comics (Nexus e Badger), Pacific Comics (The Rocketeer, Groo e Jack Kirby’s Captain Victory), First Comics (American Flagg! e Jon Sable, Freelance), Comico (Mage e Grendel), Eclipse Comics – de fato no final dos anos 70, mas eles só chegaram nos anos 80 (Miracleman, Zot! e DNAgents) e naturalmente Dark Horse Comics. É um pouco triste que, como muitos outros não mencionados aqui, nenhum dos novos editores que apareceram naquela época exista hoje, exceto o Cavalo Negro.

O trabalho inovador de muitos criadores remonta aos anos 80. Matt Wagner, Alan Moore, Neil Gaiman, Steve Rude, Dave Stevens, Mike Grell, Scott McCloud, Frank Miller e John Byrne eram criadores novos ou desconhecidos quando apareceram pela primeira vez no palco nos anos 80.

Miracleman, de Alan Moore fez sua estréia nos Estados Unidos a partir da banda desenhada Eclipse (ele já havia começado no Reino Unido na revista Warrior) e foi mais tarde escrito por Neil Gaiman após a partida de Moore.

The Dark Knight Returns de Frank Miller redefiniu o personagem de Batman para o mundo moderno e desde então tem inspirado ou informado todos os filmes em quadrinhos.

“Maus”, de Art Spiegelman contou a história da própria família de Spiegelman durante a Segunda Guerra Mundial e, em seguida, recebeu um Prêmio Pulitzer por cartas em 1991, ano de sua coleção.

Watchmen by Alan Moore e Dave Gibbons tornou-se um dos quadrinhos mais famosos da história e ganhou um lugar na lista da revista Time Magazine dos 100 maiores romances ingleses do século 20.

Sem preocupações: Nascido de novo por Frank Miller e David Mazzucchelli, um personagem que não tinha feito bem desde que Miller havia deixado o título alguns anos antes e que não seria bem feito por vários anos, mas este livro é uma obra-prima.

O homem de aço de John Byrne reiniciou o Superman após a crise e formou a base para toda a próxima década das histórias do Superman.

Falando de crise, a Crise na Terra Infinita guincha apenas no período de tempo desta lista e tem sido a base definidora de qualquer DC para as próximas três décadas.

Mais de Moore, Whatever Events to the Man of Tomorrow de Alan Moore também foi publicado. Foi a única história da época da crise que se concentrou no Super-Homem antes da crise, e é uma característica da época.

E para completar esta lista, Frank Miller e David Mazzucchelli trouxeram-nos o primeiro ano do Batman. Uma origem redefinida para o Batman e uma história que parecia fresca e nova para um mundo moderno.

Esta lista não é apenas uma boa banda desenhada, é uma lista essencial para qualquer amante de banda desenhada. É difícil considerar-se um verdadeiro fã até ter lido estes livros, porque todos eles são importantes para o médium e, em alguns casos, para a própria literatura. O fato de que todos eles vêm do mesmo período de alguns meses é mais do que surpreendente; deve ter sido algo na água.

1990

Às vezes, à medida que nos afastamos dos eventos, é mais fácil ver livros importantes entre livros empilhados. Desde a década de 1990 que os acontecimentos são tão recentes que os fatos e a sua importância para os meios de comunicação social continuam a ser resolvidos. A década de 1990 é lembrada como a revolução da criação e do renascimento criativo.

O verdadeiro renascimento criativo teve um início muito mais calmo. Dark Horse Comics e outros pequenos editores estavam na vanguarda, os melhores fabricantes fazendo seus próprios livros e gibis e possuindo o que produziam. Alguns deles têm sido um sucesso retumbante (Frank Miller-Hard Boiled, Give Me Liberty, Sin City ou John Byrne-Next Men) e outros menos (Alan Moore e Bill Sienkiewicz-Big Numbers). Mas os grandes jogadores também tiveram momentos de quase grandeza. A DC criou a marca Vertigo como um lar para equipamentos mais modernos e maduros até que a recente saída de Karen Berger da empresa, foi o modelo absoluto de como fazer os livros do fabricante nas mãos de uma grande empresa. DC teve um dos maiores sucessos na história dos quadrinhos com Superman’s Death e apesar do que muitos pensavam na época, esta história é muito ultrapassada e continua a ser bastante vendida.

A Marvel também tinha grandes histórias. A série Weapon X na antologia da Marvel Comics Presents redefiniu Wolverine e aproximou os fãs da compreensão das origens dos personagens. A Maravilha também causou uma sensação com O Gauntlet Infinito e as histórias que se seguiram. É muito provável que essas histórias cósmicas tenham um papel importante como base para o próximo ciclo do filme Marvel.

Infelizmente para todas essas grandes histórias, houve grandes embaraços na década de 1990, tanto nos livros como nos bastidores. Após a saída da Marvel da equipe da Image, uma série de más escolhas financeiras levou a empresa a pedir proteção à falência. Marvel também perdeu um de seus maiores bens pouco antes da deserção da Image quando Chris Claremont, que foi forçado a deixar os X-Books que havia escrito por 17 anos em favor de Jim Lee.

Outro duro golpe para a indústria foi, depois de anos de especuladores coletando quadrinhos para ficar rico e perder completamente o que fez o valor de um gibi, o estouro da bolha trazendo com ele as fortunas financeiras da indústria e muitos varejistas também.

A década de 1990 foi sombria na indústria, mas não completamente desesperada para o futuro. Há algumas séries da década de 1990 que nos lembram o quão bons os quadrinhos podem ser (Marvels, Kingdom Come) e podem ser vistos como uma celebração dos grandes elementos dos personagens clássicos que a indústria esqueceu ou tornou ásperos e sinistros para atrair novos públicos.

2000 e Além

Dos anos 2000 para cá ocorreram alguns marcos importantes, já que a indústria perdeu alguns de seus mais brilhantes criadores, como Mike Wieringo, Dave Stevens e o grande Johnny Craig da EC Comics, além de muitos outros. Jean’Moebius Giraud e Joe Kubert também faleceram O que deveria ter sido o maior evento em muitos anos, o fim da monumental corrida de Dave Sim na Cerebus, veio e foi com apenas uma opinião da indústria de quadrinhos.

A Marvel lançou o Universo Ultimate, uma versão supostamente leve e contínua do padrão Marvel U. Depois de um começo duvidoso e de alguns erros, as coisas correram bem por um tempo, mas não demorou muito para que a continuidade fosse tão importante quanto o resto da Maravilha. Há ainda alguns pontos positivos, Miles Morales é o novo Homem-Aranha e a versão final dos Avengers é interessante o suficiente para que os filmes da Marvel sejam inspirados por ela.

Estes são os filmes da Marvel que provavelmente serão mais lembrados na década. Desde os filmes do Homem-Aranha da Sony até a franquia X da Fox e a parceria Marvel/Disney, esses filmes têm sido um sucesso notável. A tentativa da Fox para as franquias O Quarteto Fantástico and Daredevil foi menos bem sucedida e, embora não tenha sido terrível, esses filmes falharam nas áreas mais importantes; eles não conseguiram impressionar os fãs e não foram muito fortes. A série de filmes Marvel/Disney terminou impressionantemente em 2012 com Os Vingadores e marcou o início do próximo ciclo de filmes que começou com Homem de Ferro 3 em 2013.

A crescente popularidade dos sistemas de distribuição digital de conteúdo de histórias em quadrinhos ainda não superou a da impressão em termos de vendas, mas o mercado de histórias em quadrinhos digitais continua a crescer de forma constante e as editoras estão procurando maneiras de explorar essa nova demanda.

História em Quadrinhos: O Que é? Confira Exemplos
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente