Histórias Infantis Curtas Para Dormir

0
256

O teu pequeno tem medo de dormir a noite? Apresentamos dez histórias que o ajudarão a conciliar o seu sono. Quando você as lerem e ouvirem, diga ao seu filho para ele manter os olhos fechados: O efeito será sentido quase imediatamente. Desta forma, o seu filho pode relaxar e adormecer mais fácil e calmamente.

Estas histórias, inspiradas em lendas populares antigas de outros países, permitem-nos eliminar possíveis medos e ansiedades através de um processo de identificação. A criança pode identificar-se com os diferentes personagens da história, primeiro revivendo os seus próprios medos e depois superando-os.

Não é prejudicial ao seu equilíbrio emocional que personagens malignos ou situações dolorosas apareçam na história, embora a garantia de um bom final seja fundamental. Por outro lado, há uma história que se encaixa na criança, uma história que brinca numa dimensão que está longe no tempo (“muitos, muitos anos…”) ou longe da sua vida real.

 Tongo Bango e Karambé

Tongo Bango vivia na beira de uma praia selvagem, onde cresceram árvores magníficas, cheias de frutos maravilhosos, com cores bonitas e muito saborosas. Eram árvores enormes e algumas tinham troncos ocos, onde em um deles Tongo Bango vivia fresco e protegidos. Karambé vivia na água e os dois amigos passavam os seus dias de uma forma agradável. De vez em quando Tongo Bango apanhava uma fruta madura e doce e atirava-a ao amigo, que adorava o sabor deste prato original.

Um dia, enquanto Karambé falava com Tongo Bango, ele disse-lhe de repente:

“Mostre a mim a tua amizade todos os dias. Me faça companhia e partilhe generosamente comigo os frutos das árvores que não consigo alcançar. “Vem cá, para a água, e mostrarei a você como o meu mundo é maravilhoso.

“A água, querido amigo tubarão”, respondeu o gorila Tongo Bango, “não é exatamente algo para mim!

Mas o tubarão, sem desistir, insistiu:

“Venha logo. Vou levar você atrás de mim, não há o que temer. Desta forma, chegaremos à ilhota que podemos ver à distância. Flores maravilhosas crescem nela, onde vivem abelhas muito trabalhadoras. Estas abelhas produzem um mel bem perfumado e guardam-no em pequenos cestos com canas tecidas com toda a delicadeza. Podemos comer a vontade. Há também um belo palácio de madrepérola na ilha, onde vive o rei Lirta, o senhor da água. O rei tem o rosto de um homem e o corpo de um peixe e pode viver no fundo do mar ou em terra à vontade.

Tongo Bango foi seduzido pelo convite e finalmente aceitou. Escalou um grande tronco que nadou no rio e daí saltou para a costa de Karambé. Sentou-se, o melhor que pôde, sobre o corpo escorregadio do seu amigo e tentou superar o medo e a desconfiança que sentia em relação à água. O tubarão o animou e descreveu as coisas extraordinárias que o aguardavam. Finalmente, foi até o seu amigo e disse:

“Querido Tongo Bango, o Rei Lirta está muito feliz por te ver.”

“Feliz?”, pergunta o gorila: “E porquê? Se nem sequer me conhece e quem sabe, pode até me achar antipático”.

“Caro amigo, o rei não se importa com isso. O coração de um peixe bate em seu peito e ele precisa do coração de um mamífero, como você, para viver muito tempo”.

O sangue do Tongo Bangos congelou literalmente nas suas veias. Foi uma armadilha! Agora foi explicada toda a simpatia de Karambé, todos os seus carinhos e sua tenacidade em convidá-lo a dar um passeio na água. Ele queria arrancar-lhe o coração para o dar ao seu mestre. Felizmente, Tongo Bango tinha não apenas um coração, mas também um grande cérebro. Somente uma estratégia inteligente poderia salvá-lo. Ele pensou muito por uns momentos e depois disse:

“Querido Karambé, agradeço a tua lealdade ao Rei Lirta. A vida dele é muito preciosa e certamente vale o meu sacrifício. Mas, caro amigo, porque não me disse antes que precisava do meu coração? De certeza que o meu pelo e as minhas pernas não te vão fazer bem nenhum?

“Claro que não. Mas porque você diz isso?

“Devia ter-me avisado mais cedo”, continuou Tongo Bango, balançando a cabeça.

“Se eu te tivesse dito, não terias vindo!”

“Bem, está enganado. Eu teria vindo de qualquer maneira e não estaríamos nesta situação difícil agora. Saibam que não carrego o meu coração, que o vosso rei tanto precisa. Quando vou a lugares distantes, deixo-o sempre em casa, bem escondido, porque receio que esteja enferrujado.

Karambé, surpreendido pela surpresa, perguntou imediatamente:

“O que você vai fazer? Você diz isso só para salvar a tua vida!”.

“Não, não, não,acredite em mim”, Tongo Bango respondeu. “Lamento muito não ter o meu coração comigo e ofende-me que você duvide das minhas palavras. Seja como for, leve-me ao rei Lirta; eu lhe direi que me mate e coma o meu coração. “É pior para ti e para ele se não ele não encontrar nada”.

Karambé foi logo domesticado e perguntou:

“Quando eu te levar à terra, você pegará o teu coração e voltará comigo?”

Tongo Bango sentiu-se feliz (estava quase seguro), mas escondeu muito bem os seus sentimentos e disse na sua voz mais profunda:

“Se você acha que sou mentiroso, leve-me ao seu rei agora!”

“Bem, eu acredito em você, eu acredito em você”, continuou Karambé. “Me prometa que depois de pegar o teu coração, virá até mim para que eu te leve ao Rei Lirta…”

“Pode contar com isso”, respondeu o gorila.

Então Karambé virou-se na água e começou a nadar impaciente até a praia onde Tongo Bango vivia. O gorila ficou muito calmo e assim que o tubarão se aproximou da costa, pulou com todas as suas forças para chegar lá.

“Ei,” gritou o tubarão, “Volte depressa! O meu mestre está à tua espera e já é tarde demais!”

“Não se preocupe,” respondeu Tongo Bango, “Terei todo o gosto em deixar o teu rei feliz.”

Então ele virou-se e rapidamente desapareceu nas copas das árvores.

Karambé esperou um momento sem se preocupar. Mas quando viu que os minutos passados eram muitos e que Tongo Bango não voltava, começou a ficar nervoso.

“Tongo Baaaaangooooo!”, chamou o tubarão. “Onde você esta?!!!!!”.

Silêncio total. Karambé sentiu a raiva sair dos seus olhos e penetrar o resto do seu corpo.

“Mentiroso! Trapaceiro! Desleal! Eu nunca deveria ter acreditado em você,” gritou o tubarão, com os olhos cheios de ódio.

Do alto de uma árvore veio a resposta de Tongo Bango, que disse ao tubarão em tom seco e irônico:

“O que você teria feito no meu lugar, diga-me, oh meu doce e confiável amigo?”

Karambé se sentiu derrotado, mas não quis se render e resolveu tentar o gorila com outro truque inteligente. Numa voz muito suave, ele disse a Tongo Bango, que estava sempre olhando para ele de cima, rindo de seu galho de árvore:

“Vem e traz o teu coração contigo. Mas não é para o levar ao rei. Quero te levar agora para um sítio, um lugar lindo onde vivem belas gorilas. O coração servirá para que você se apaixone por uma delas e faça dela tua esposa!”.

“Você é um verdadeiro tolo”, disse Tongo Bango. “Como você pode pensar que vou cair na mesma armadilha pela segunda vez? Não, que eu não sou a gansa…”

“A gansa? Que Gansa? O que a gansa tem a ver com isso?”, o tubarão ficou zangado.

“O que você quer dizer com isso? Não conhece a história da gansa?”

“Eu não”, respondeu Karambé, que era um pouco ignorante, embora tivesse dificuldade em admitir isto.

“Bem,” diz Tongo Bango. “Então eu contarei a você!”

“Karambé, que estava muito curioso sobre a história, mas não queria admitir por nada, sussurrou: “Mas não deixe que eu demore muito tempo”.

E o Tongo Bango começou a contar a história lentamente, até Karambé pegar no sono e dormir.

O Arco-íris

Quando chove e o sol aparece, a luz que toca as gotas de água forma um belo fenômeno semicircular chamado arco-íris, formado por uma família de sete cores, tornando o céu ainda mais lindo. Os pais principais de todas as cores são três: vermelho, amarelo e azul. Depois do vermelho ardente vem o ouro amarelo e entre os dois há o laranja, uma cor secundária, a filha da união quente dos dois.

O amarelo brilhante e o azul claro criam um verde equilibrado, que é o dono da primavera.
Depois do azul vem outro irmão azul, chamado índigo ou anil, profundo e único, e no final vem a violeta mística, a fusão do azul e do vermelho. E quando todos dançam em círculo, acontece o milagre absoluto do branco: o arco-íris!

O Patinho Feio

Era uma vez uma mamãe pata que teve cinco ovos. Ela estava ansiosa pelo dia em que seus ovos seriam quebrados e seus queridos filhos nasceriam deles!

Naquele dia, os ovos da mamãe começaram a abrir um a um e ela começou a receber seus novos patinhos com alegria. Mas o último ovo demorou mais tempo a sair e a mãe começou a ficar nervosa.

Finalmente a casca quebrou e, para surpresa da mãe, um patinho saiu, muito diferente de todos os seus outros filhos. “Esse patinho feio não pode ser meu!”, exclamou a mamãe pata.

“Alguém te enganou”, disse a galinha.

Os dias passavam e à medida que os patinhos cresciam, o patinhos feio tornava-se cada vez mais diferente dos outros patinhos. Cansado do escárnio de seus irmãos e de todos os animais da fazenda, o patinho feio resolveu partir.

Mesmo longe da fazenda, o patinho não encontrava paz porque seus irmãos o perseguiam gritando em todos os lugares do lago: “você é o pato mais feio que já vimos!”. Onde quer que ele fosse, todos os animais que conhecia o ridicularizavam.

“O que devo fazer? Para onde devo ir?”. O patinho sentiu-se muito triste e abandonado.

Com o início do inverno, o patinho cansado e faminto encontra um lar e pensa: “talvez encontre aqui alguém que goste de mim!”, e ficou. O patinho passou o inverno numa casa quente com aqueles que o adoraram. Tudo teria corrido bem se a primavera não tivesse chegado, e com ela um gato malvado, que, enganando os donos da casa, colocou o patinho para fora dali!.

“Mais uma vez, estou sozinho e infeliz”, suspirou o patinho feio.

O patinho partiu e quando chegou perto de um grande lago, refugiou-se perto do junco e ficou lá por alguns dias. Um dia, muito cedo, o patinho feio foi despertado pelas vozes das crianças.

“Olha, um recém-chegado!”, uma das crianças gritou. Todas as outras crianças gritavam de alegria. “E é tão bonito!”, disse outra. “Bonito? De quem estão falando?”, pensou o patinho maroto. De repente, o patinho feio viu que todos estavam olhando para ele, e quando ele viu seu reflexo na água, ele viu um cisne alto e elegante. “Ooohhh!”, exclamou o patinho admirado. Crianças e outros cisnes admiraram sua beleza e a acolheram com alegria.

Ele não era um patinho feio, era um belo cisne jovem! A partir daquele dia, não houve mais dor e o patinho feio, que agora era um belo cisne, viveu feliz para sempre!

A Tartaruga e a Lebre

Havia uma lebre do bosque que era muito vaidosa. De todos os animais da floresta ela acreditava-se o mais bonito, rápido e inteligente. Além disso, ninguém tinha um nariz melhor do que ela para encontrar comida! Em suma, de todos os animais desta floresta, ninguém era melhor do que ela!

Na mesma floresta vivia uma tartaruga que caminhava lentamente ao longo do rio todas as manhãs. Como a tartaruga, a lebre ia ao rio todas as manhãs para procurar o café da manhã e encontrava a no caminho.

Além de muito convencida, a lebre também gostava de rir dos outros, e assim que viu a tartaruga, começou a rir e chamou-lhe de velha, lenta e outros nomes muito piores!

Numa tarde quente de verão, quando os animais da floresta estavam reunidos à sombra de uma grande árvore, a lebre decidiu rir novamente e desafiou a tartaruga para uma corrida.

Quando os animais da floresta a ouviram, todos começaram a rir. A raposa, que adorava uma confusão, disse que a tartaruga também podia derrotar a lebre. Tudo dependia da vantagem que a tartaruga teria na corrida, e até apostariam nela.

Todos os animais da floresta começaram a falar sobre a corrida ao mesmo tempo e discutiram a possibilidade de que a tartaruga seria a vencedora, podendo derrotar a lebre.

Quando a lebre ouviu estes comentários, começou a ficar zangada porque achava que era impossível alguém duvidar da sua capacidade de correr. Como a tartaruga tinha aceitado o desafio, ficou decidido qual era o melhor dia para a prova e quais eram as circunstâncias, e a raposa foi responsável por organizar tudo. Foi decidido que a meta seria ao longo do rio, onde todos os animais esperariam.

No dia e hora da corrida, a lebre e a tartaruga já estavam no lugar: a lebre estava muito feliz e confiante na sua vitória e a tartaruga com os seus olhos tristes, que pareciam mais pesados do que nunca.

Enquanto a lebre começava na linha de partida, a tartaruga começava na frente, quase no meio do rio.

A raposa deu o sinal de partida e a tartaruga começou a descer a encosta sem pressa. Mas a lebre parou enquanto via a tartaruga caminhando lentamente pela estrada e gritou: “não corra tanto, velha tartaruga, se não você pode cair e ficar triste”.

A lebre decidiu então fazer uma sesta curta em baixo de uma árvore, porque a tartaruga era tão lenta que a lebre, em duas etapas, ultrapassaria a tartaruga rapidamente e venceria a corrida.

Pouco a pouco a tartaruga foi até a linha de chegada, já muito cansada mas sem desistir. Os animais da floresta acompanharam a tartaruga e encorajaram-na com palavras de encorajamento. A tartaruga estava quase no final quando a lebre acordou de um único salto, viu a tartaruga à distância e correu como uma louca descendo a colina. O castor, que era o juiz da corrida, gritou: “cuidado, lebre, assim você vai cair!”. Mas a lebre não ouviu o castor e foi em direção à meta, convencida da sua vitória.

Os animais da floresta ficaram cada vez mais entusiasmados alguns torciam pela tartaruga, enquanto outros para a lebre, mas com a aproximação rápida da lebre, poucos duvidavam da vitória da tartaruga.

Foi então, muito perto do fim, que tartaruga tropeçou numa rocha, caiu e começou a rolar estrada abaixo. Sem perceber o que tinha acontecido, os animais da floresta viram a tartaruga chegar à linha de chegada. Foi incrível! A tartaruga havia ganho a corrida na frente da lebre! Todos aplaudiram a tartaruga entusiasmados, enquanto a convencida lebre fugiu para seu covil, com as orelhas baixas e muito envergonhada.

A Galinha Vermelha

Era uma vez uma galinha vermelha que vivia em um sítio com os seus filhotes. Um dia, ela percebeu que o milho estava maduro, pronto para ser colhido e tornar-se uma boa refeição. A galinha vermelha teve a ideia de fazer um delicioso bolo de milho. Todos iriam adorar!

Foi muito trabalho: ela precisava de muito milho para o bolo. Quem poderia ajudar a colher o milho na espiga? Quem poderia ajudar a separar todo o milho do sabugo? Quem poderia ajudar a moer o milho para fazer a farinha de milho para o bolo? Neste sentido, a galinha vermelha começou a procurar por dois amigos que pudessem ajudá-la:

“Quem me pode ajudar a escolher o milho para um bolo delicioso?”, perguntou a galinha vermelha. “Eu não posso, estou muito cansado”, respondeu o gato. “Eu também não posso, disse o cachorro”. “Eu adoraria ajudar, mas acabei de almoçar, sabe como é, né…”, afirmou o porco. “Eu infelizmente também não posso, está na hora de eu passear no pasto”, respondeu a vaca.

Todos os amigos da galinha vermelha responderam que não. Então a galinha começou a preparar tudo sozinha: pegou o milho na espiga, prensou o milho, moeu a farinha, preparou o bolo e colocou no forno. Quando o bolo estava pronto, seu delicioso cheiro aproximou os seus amigos. Todos tinham água na boca. Então a galinha vermelha disse:

“Quem me ajudou a colher o milho, a prepará-lo, a fazer o bolo?”. Todos estavam muito quietos. Ninguém tinha ajudado. Então, quem vai comer o delicioso bolo de milho sou só eu e os meus filhotes. Podem descansar olhando”.

Foi assim que a galinha vermelha e os seus filhotes curtiram a festa, e nenhum dos amigos preguiçosos foi convidado.

O Trem do Amor

Num belo bosque florido, morava o pequeno trem do amor que, onde quer que passasse, transmitia o mais puro sentimento de amor.

Durante um dia de caminhada na floresta, o trem viu dois pássaros lutando pelo mesmo espaço em uma grande árvore, e para parar a luta, o trem logo guinchou: “piuiii, o trem do amor está passando!”. Pouco depois, as aves entenderam-se uma com a outra e decidiram sentar-se uma ao lado das outra no mesmo galho.

Então o trem passou por uma abelha que estava falando com uma flor e dizendo a ela que a flor deveria estar em outro lugar do bosque. E assim disse o trem do amor: “piuiii, o pequeno trem do amor está aqui! A flor e as abelhas logo se entenderam e começaram a oferecer o amor ao próximo”.

E enquanto andava pelo bosque adentro, o trem sempre assobiava, até chegar em um caracol que passou por cima de uma pedra sem reclamar, então o trem perguntou: “Ué, Sr. Caracol, por que você não está bravo com aquela pedra no meio do seu caminho? E o Caracol respondeu: “porque o amor é contagioso e já me atingiu”! Então o pequeno trem seguiu alegremente e viu aquele amor se espalhar radiante.

Pocahontas

Uma jovem índia chamada Pocahontas vivia no estado norte-americano da Virgínia há muitos anos. Um dia o seu pai, o Grande Chefe Ponhatan, disse-lhe que Kocoum, o guerreiro mais corajoso da tribo, lhe tinha pedido em casamento.

Confusa, Pocahontas foi até a Avó Willow, um velho espírito que habitava uma árvore, para pedir conselhos a ela. “Avó, o que eu devo fazer?”, perguntou Pocahontas.

“Minha jovem, tudo à sua volta é espiritual. Ouve-os com o teu coração e eles vão mostrar a você o caminho”.

O navio “Susan Constant” acabava de chegar à Virgínia. Os colonos ingleses sob o comando do Governador Radcliffe e do Capitão John Smith estavam nele. Eles vieram em busca de terra e ouro. Quando aterraram, o governador ordenou ao capitão que verificasse a área.

Ao anoitecer, quando John Smith estava a explorar a floresta, ouviu um barulho. Ele não se importou e foi para o rio beber água. Nesse momento, ele percebeu que alguém o estava a seguir. Escondido, ele preparou sua arma e, imediatamente após o tiro, descobriu a garota mais bonita que já havia visto: Pocahontas.

Embora no início a jovem mulher parecesse assustada, ela rapidamente confiou no John. Juntos tiveram um momento muito feliz e descobriram os mistérios da natureza. Mas a felicidade de Pocahontas e John Smith foi de curta duração. A ganância de Ratcliffe virou os colonos contra os índios. Pocahontas tentou evitar a guerra, mas um dos colonos atirou em Kocoum e matou-o. Os índios condenaram o Capitão Smith à morte. Quando tentaram matá-lo, Pocahontas esteve diante de Johannes para protegê-lo.

“Se o matarem, terão de me matar primeiro”, disse ela ao pai. Surpreendidos com a coragem de Pocahontas, os colonos depuseram as armas. Radcliffe, zangado, atirou em direção a Pohantan. O corajoso Smith ficou à frente do chefe indígena e tomou o tiro em seu lugar. Confrontado com a gravidade da lesão, John teve de regressar a Inglaterra. Pocahontas disse adeus sabendo que um carregaria o outro em seu coração para sempre.

João e Maria

Era uma vez, há muito tempo, um pobre lenhador, pai de João e Maria, que vivia numa casa perto de uma grande floresta. Uma vez, houve uma grande crise no país e a situação do lenhador tornou-se muito ruim. Ele não conseguia alimentar os filhos, por isso não conseguia dormir à noite.

A madrasta de João e Maria sugeriu que as crianças fossem levadas para o bosque escuro, onde seriam abandonadas. O pai não gostou muito da ideia, mas acabou por aceitar. Havia três florestas no interior. João, que estava a ouvir a conversa, apanhou algumas pequenas pedras de cascalho que deixou cair no caminho para encontrar o caminho de volta.

No meio do bosque, o pai acendeu fogo para aquecer a todos. O pai disse que ia cortar a madeira na floresta, mas foi para casa. Como o pai nunca mais voltou, João e Maria decidiram ir para casa. Eles simplesmente seguiram o caminho dos cascalhos.

Quando regressaram a casa, o pai ficou muito feliz, mas a madrasta não gostou do seu regresso. Algum tempo depois, o desastre devastou ainda mais o país. A mulher voltou a queixar-se ao marido: “não temos o suficiente para comer. Temos de levar estas crianças para um lugar ainda mais distante”. O pai estava muito triste, mas finalmente deixou que a mulher o convencesse. João ouviu a conversa novamente e decidiu ir buscar as pedras, mas desta vez sua sogra fechou a porta de seu quarto.

Na manhã seguinte, foram todos para uma floresta muito remota. Desta vez, João jogou pelo caminho pedaços de pão para marcar seu retorno. As crianças, desta vez, foram abandonadas num lugar mais distante de casa. Quando eles decidiram voltar, João não encontrou os pedaços de pão que tinha deixado cair no caminho. Os pássaros comeram tudo.

Durante três dias e três noites, estes dois desapareceram na floresta. De repente, encontraram uma pequena casa feita de pão doce e bolo, coberta de chocolate, balas e outras guloseimas impossíveis de qualquer criança recusar. Porque tinham muita fome, comeram um pedaço da casa. Quando eles comeram, uma velha senhora com uma bengala saiu de casa e os convidou para entrar, fingindo ser uma pobre senhora, mas ela era uma bruxa muito má.

Quando entraram na casa, a bruxa prendeu o João. Ela alimentou-o bem para que ele pudesse ganhar peso e comê-lo após alguns dias. João, sabendo da intenção da bruxa, sempre lhe mostrou um pedaço de osso quando ela vinha examinar o dedo.

A bruxa não percebeu porque era meio cega. Um dia, a paciência da bruxa acabou e ela pediu a Maria que acendesse o fogão para poder comer João, ainda que o garoto estivesse magro. Maria, triste, tinha de lhe obedecer. Quando a bruxa se aproximou da fornalha, Maria empurrou-a para dentro e trancou a bruxa, que queimou até a morte. Ambos estavam livres agora.

João colocou as jóias e a comida que encontraram na casa em uma cesta e foi procurar a casa dos pais. Depois de alguns dias de busca, encontraram um lar. O pai e a madrasta acolheram-nos com grande alegria. Eles lamentaram muito por tê-los abandonado.

O Pássaro que Enganou o Gato

Um dia um gato muito esperto estava andando no telhado de uma casa quando ele avistou um passarinho cantando alegremente em um fio na rede elétrica. “Ei! Lindo pássaro cantor, ouviu as últimas notícias?”, perguntou o gato olhando cima. “Quais notícias?” perguntou o pássaro, já suspeitosamente.

“Uma nova lei foi aprovada. Agora todos os animais terão de ser amigos, não haverá mais rivalidade, não haverá mais presas, não haverá mais predadores e todos os animais terão de viver em harmonia. “A sério?!”, questionou o canário. “Sim, e para celebrar, vem cá e me dê um abraço, vamos ser amigos.” “Ok”, disse o canário. “Eu vou pousar ao lado da casinha do Rex, aquele grande pastor alemão no jardim, e então nos abraçaremos e celebraremos nós três juntos”.

Quando o gato ouviu isso, pulou alto e tentou pegar o pássaro, que voou rapidamente e riu do gato. “Nova lei…hahahaha!!!”. O gato saiu frustrado e resmungando irritado, porque não contava com a esperteza do passarinho.

Receba nossas atualizações grátis!

Comente