Immanuel Kant (1724 – 1804) [Filosofia]

0
184

Immanuel Kant escreveu algumas das principais obras filosóficas da modernidade. Personalidade influente no meio intelectual de sua cidade e membro da Academia Real de Ciências de Berlim, o pensador nunca deixou sua cidade natal, Königsberg.

Kant fundou uma nova teoria do conhecimento, chamada idealismo transcendental, e sua filosofia, como um todo, fundou a crítica, uma corrente crítica do conhecimento filosófico que buscava, como Kant queria, delinear os limites do conhecimento humano.

As obras de Kant possuem uma erudição rara, um estilo literário único e um rigor metodológico e filosófico sem paralelo. Professor da Universidade de Königsberg durante quase cinco décadas, o professor e pesquisador dedicou-se a escrever sobre Lógica, Metafísica, Teoria do Conhecimento e Ética e Filosofia Moral.

Filho de uma família chefiada por um artesão escocês, Kant nasceu na cidade de Königsberg, Prússia Oriental, em 22 de abril de 1724. Sua família protestante tradicional marcou sua vida e seu relacionamento com a religião. O grande pensador da modernidade não disse que era ateu, mas sempre manteve uma relação controversa com a religião ao defender, em sua crítica, que só podemos saber o que podemos intuir, ou seja, o que podemos ver, ouvir, experimentar de fato.

Aos 16 anos, Immanuel Kant entrou no curso de Teologia da Universidade de Königsberg, onde começou a aprofundar os estudos de Filosofia, especialmente em Leibniz. Ele também estava interessado em física e matemática, incluindo a escrita sobre ciências naturais.

Em 1746, a morte de seu pai obrigou o filósofo a trabalhar como preceptor, ensinando os filhos das famílias ricas de Königsberg. Felizmente, o pensador ganhou um certo prestígio e conseguiu entrar no ambiente intelectual da cidade, devido à influência adquirida como preceptor e sua inteligência incomum.

Em 1754, o filósofo retornou à universidade, onde obteve o doutorado em filosofia e começou a ensinar como professor livre. Em 1770, o filósofo e professor de Königsberg tornou-se professor de Lógica e Metafísica na Universidade de Königsberg, cargo que ocupou até sua morte.

Sua admissão como professor também impulsionou o trabalho filosófico de Kant, que estava a cargo de suas principais obras, que iria promover o que ele chamou de “revolução copernicana da filosofia”, devido à sua inclinação para a crítica, que iria resolver os becos sem saída dos filósofos anteriores e correntes filosóficas.

O rei Frederico Guilherme II da Prússia proibiu Kant de escrever sobre religião por causa de suas teses controversas, o que levaria a um tipo de agnosticismo intelectual. Kant não publicou textos sobre religião até 1797, após a morte do rei.

Alguns dos livros principais do Kant são: Crítica da razão pura, Crítica da razão prática, Crítica da faculdade de julgar e Base da Metafísica dos costumes. Extremamente rigoroso e metódico, o filósofo nunca se casou e não teve filhos, dedicando-se quase inteiramente à pesquisa e ao ensino da Filosofia. Curiosamente, o pensador prussiano nunca deixou sua cidade natal, e sua extrema erudição e conhecimento geral foram obtidos através da leitura e contato com estranhos.

Algumas curiosidades sobre a personalidade de Kant saltam aos olhos dos leitores de suas biografias. Um homem muito inteligente, astuto, bondoso e gentil, o filósofo também tinha certos hábitos que se referiam à sua personalidade metódica. Sabe-se que ele tinha uma rotina rigorosa e que cumpriu fielmente os seus deveres em tempos estritamente controlados. Ele tinha o tempo certo para dormir, acordar, comer, estudar, escrever e fazer suas caminhadas da tarde.

Diz-se que os habitantes de Königsberg, alguns dos vizinhos do filósofo, acenderam os relógios quando viram Kant passar pela rua, porque ele passava sempre pelos mesmos lugares ao mesmo tempo. Apenas uma vez, o pensador prussiano chegou tarde para ser absorvido em uma leitura, e esse atraso foi suficiente para despertar a curiosidade dos vizinhos.

Depois de sofrer de uma doença degenerativa, o filósofo morreu em 12 de fevereiro de 1804, com a idade de 79 anos.

A Filosofia de Immanuel Kant

Immanuel Kant era conhecido por formular o que ele chamou de “revolução copernicana em filosofia”. Um grande leitor do racionalista Gotfried Wilhelm Leibniz e do empirista inglês David Hume, Kant tentou reunir elementos das duas correntes que mais moveram a moderna filosofia europeia para uma teoria crítica, sem cair em qualquer tipo de relativismo.

O idealismo transcendental kantiano construiu uma complexa teia de conceitos para explicar que nem o empirismo era correto nem o racionalismo explicava plenamente o conhecimento humano. Para Kant, o conhecimento é obtido a partir da percepção do que ele chamou de “coisa em si”, que é o objeto.

Este processo se dá através do que o pensador chama de intuição, e é a racionalidade, através das faculdades mentais, que proporciona ao ser humano o conhecimento, pois nossa mente é capaz de relacionar conceitos puros com os dados da percepção.

Para Kant, há a coisa em si e o conceito transcendental, e nossa relação com estes dois elementos é estritamente pessoal e psicológica, mas o fato de haver um conceito universal, que serve como parâmetro, impede que a teoria kantiana seja relativista.

No campo moral, Kant formulou uma teoria chamada Metafísica dos Costumes, baseada no imperativo categórico, que tenta desfazer qualquer relativismo moral usando forças para descobrir máximas ou leis morais universais. Para Kant, há um dever universal baseado em leis morais e esse dever está sujeito à estrita observância das leis morais em qualquer situação racional. O ser humano ou qualquer outro ser racional deve cumprir as disposições da lei moral.

No campo político, Kant escreveu o livro Paz Perpétua, no qual elabora um tratado de paz e uma cooperação universal imaginária entre Estados. Este tratado, inspirado no Iluminismo e nos republicanos, visava garantir a paz entre as nações, o respeito pelos direitos humanos e a vida. A obra de Kantian, publicada em 1795, influenciou fortemente a consolidação das Nações Unidas (ONU) mais de 150 anos depois.

Kant também escreveu um artigo intitulado “O que é Iluminação? ou “O que é Iluminação? A relação estabelecida entre iluminação e iluminação está na tradução dos termos em alemão (a palavra Aufklärung significa iluminação e iluminação) na obra de Kant. Elaborado em resposta à pergunta, o texto argumenta que o ser humano deve afastar-se da “minoria”, que seria o estado de ignorância que impede o desenvolvimento autônomo, e chegar ao conhecimento, que seria a garantia de autonomia e iluminação.

No campo estético, Kant desenvolveu uma teoria complexa, ligada à sua teoria do conhecimento, chamada estética transcendental. Esta teoria está presente na Crítica da Razão Pura, um livro que trata principalmente da epistemologia, e na Crítica da faculdade de julgar, que fala especificamente de julgamentos estéticos.

Ideias Principais de Immanuel Kant

Crítica: filosofia orientada a estabelecer os limites do conhecimento humano a partir de um intenso exercício filosófico, estabelecendo uma crítica revisionista da Filosofia.

Idealismo transcendental: doutrina filosófica destinada a compreender como o conhecimento humano é produzido, com base em noções como julgamento analítico, julgamento sintético e julgamento estético.

Iluminação: a indicação da iluminação através do conhecimento é o pré-requisito para a formação de uma mente autônoma.

imperativo categórico: é a formulação de uma lei moral, o máximo de ação ética em qualquer situação. O imperativo kantiano pode ser formulado da seguinte forma: ele age de tal forma que torna sua ação uma lei universal. Isto significa que a ação deve ser universalmente correta ou, em qualquer situação, em correspondência com o dever. Há também a máxima: age de tal forma que usa a natureza e as pessoas como um fim e nunca como um meio. Isto significa que há uma obrigação moral de não usar as pessoas como meio para alcançar algo.

Immanuel Kant (1724 – 1804) [Filosofia]
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente