Jean Piaget [Pedagogia]

0
343

Jean William Fritz Piaget (Neuchâtel, 9 de agosto de 1896 – Genebra, 16 de setembro de 1980) foi um biólogo, psicólogo e epistemologista suíço que é considerado um dos mais importantes pensadores do século XX. Ele defendeu uma abordagem interdisciplinar da pesquisa epistemológica [nota 1] e estabeleceu a teoria do conhecimento genético baseada no estudo da gênese psicológica do pensamento humano.

Ele primeiro estudou biologia na Universidade de Neuchâtel, fez seu doutorado lá e depois se dedicou ao campo da psicologia, epistemologia e pedagogia. Foi professor de psicologia na Universidade de Genebra de 1929 a 1954 e tornou-se mundialmente famoso por sua revolução epistemológica. Durante sua vida, Piaget escreveu mais de cinquenta livros e várias centenas de artigos.

Jean Piaget também teve implicações significativas no campo da ciência da computação. Seymour Papert usou o trabalho de Piaget como base para o desenvolvimento da linguagem de programação Logo. Alan Kay usou as teorias de Piaget como base para o sistema de programação conceitual Dynabook, que foi discutido pela primeira vez na Xerox PARC. Essas discussões levaram ao desenvolvimento do protótipo Alto, que primeiro explorou os elementos da interface gráfica do usuário e, a partir da década de 1980, influenciou a criação de interfaces de usuário.

Em 1919 Piaget viaja para Paris e começa a trabalhar no Instituto Jean Jacques Rousseau, quando publica os primeiros artigos sobre a criança. O nascimento dos filhos (1925-1931) amplia a sociabilidade cotidiana com a “criancinha” e permite o registro de observações que geram novas hipóteses sobre as origens do conhecimento humano. Durante sua estada em Paris, Piaget conhece Théodore Simon, que o convida a padronizar os testes de argumentação desenvolvidos por Cyril Burt. Essa experiência permitiu-lhe delinear um campo de estudo empírico: pensamento infantil e raciocínio lógico. Como resultado desse trabalho, Piaget é convidada a se tornar a coordenadora de pesquisas do instituto, que também inclui a “Maison des Petits” (Casa da Criança).

Filho de Arthur Piaget, professor que fala médico e literatura medieval, e Rebecca Suzanne, uma das ex-socialista suíça, Piaget vive sua infância e juventude em Neuchâtel, onde aos onze anos (1907), a primeira conta de um pardal lançado albino. No mesmo ano, tornou-se assistente de Paul Godet, especialista em malacologia e diretor do museu de história natural da cidade. Aos quatorze anos, o jovem Piaget se junta à “Associação dos Amigos da Natureza” e em 1911 escreveu os primeiros artigos sobre “Taxonomia Malacológica” para os periódicos.

Influenciado por sua mãe, Piaget visita a Igreja Independente de Neuchâtel (Protestante) no mesmo ano em que começa a ler a obra de Henri Bergson, que influencia a longo prazo e é cercada por várias leituras de filosofia e psicologia. Ele freqüenta cursos de lógica, metodologia científica e psicologia. Confuso, Piaget vive um momento que se opõe à religião e à ciência e se vê forçado a escolher a fé ou o conhecimento. Na filosofia de Bergson, ele busca um caminho possível para o conhecimento científico e análise crítica da origem do conhecimento e descobre a epistemologia.

No contexto da guerra (1915), Piaget conclui o ensino secundário, junta-se à Faculdade de Ciências Naturais da Universidade de Neuchâtel e publica A Missão da Idéia. Em 1917 ele se juntou à Federação Cristã-Socialista. Em 1918, ele recebeu um diploma de bacharel em ciências naturais e completou sua tese de diploma: Introdução à Malacologia de Valais.
Entre 1915 e 1917, problemas de saúde obrigaram-no a permanecer em Leysin. Piaget então retoma o dilema entre ciência e fé e em 1918 escreveu o romance filosófico e autobiográfico “Recherche”.

Durante este tempo, Piaget estuda psicologia e vai para Zurique. Lá ele conhece Eugène Bleuler, então diretor de um hospital psiquiátrico, e seu assistente Carl Gustav Jung. A perspectiva psicanalítica não lhe interessa, e em 1919 ele retomou seus estudos em malacologia e viajou para Paris. Na Sorbonne, ele conhece grandes nomes da psicologia e da psicopatologia, como Pierre Janet e Léon Brunschvicg.

Sua permanência em Paris (1919-1921) é particularmente importante para seu encontro com Théodore Simon, que lhe permite examinar o pensamento da criança e descobrir na pequena criança uma pequena forma de pensar. Esta pesquisa leva à publicação de três artigos. Sua primeira pesquisa psicológica como coordenadora do Instituto Jean Jacques Rousseau levou a um ciclo de cinco publicações: Linguagem e Pensamento na Criança (1923); O raciocínio da criança (1924); A representação do mundo na criança (1926); Causalidade física em crianças (1927); e julgamento moral na criança (1931).

Esta fase, especialmente para apresentar a criança como um tema da razão “por uma razão”, desperta o interesse dos cientistas e Piaget é convidado a apresentar suas idéias nas universidades européias e norte-americanas. Pouco depois, Piaget participa de um congresso internacional para a psicanálise em Berlim, que trata do “pensamento simbólico infantil”. O livro A Linguagem e o Pensamento na Criança Piaget apresenta uma imagem do processo de aprendizagem infantil. Qualificada como uma “coleção de estudos preliminares”, tornou-se o começo de um trabalho influente sobre o desenvolvimento humano.

Além de suas atividades de pesquisa, Piaget ensina e assume o cargo de professor de “Filosofia da Ciência, Psicologia e Sociologia” na Universidade de Neuchâtel. Em 1929 ele também assumiu a cadeira de “História do Pensamento Científico” e continua a ensinar “Psicologia Infantil” no Instituto Jean Jacques Rousseau. É também neste ano que a Piaget assumirá a gestão do Bureau Internacional de Educação ligado à Unesco. Os anos 1920 também são representativos da vida privada de Piaget. Em 1924 ele se casou com Valentine Châtenay, com quem teve três filhos: Jacqueline (1925), Lucienne (1927) e Laurent (1931).

Na educação como pedagogo, Piaget usa sua “teoria dos” estágios para contrapor-se à doutrina tradicional e autoritária do século XIX. A nova escola crítica, especialmente no início do século XX, a escola onde “professores e alunos copiados e repetidos” – Paulo Freire chamou de “educação bancária”. Na medida em que esta educação tradicional é criticada, Piaget é erroneamente interpretado como não “diretivista” como “espontâneo”: “Se o diretivismo entende o que o professor ensina e os alunos aprendem, não coloque o diretivismo na educação de holofotes e pregará isso”. A criança aprende por si mesma. A ideia piagetica de interação não foi aceita na forma de escola tradicional.

Da trilogia: O nascimento da inteligência na criança; A construção do real na criança; A formação do símbolo na criança – Piaget relata seus estudos sobre o desenvolvimento cognitivo para mostrar que “a capacidade cognitiva humana nasce e se desenvolve, não está pronta”. Assim, para o behaviorismo, a oposição de marca, por um lado, e a figura, por outro lado, quando ele diz que o conhecimento vem da interação “sujeito-objeto”. [Nota 4] A idéia de habilidades cognitivas de Piaget sugere que o conhecimento não nasce no sujeito, não no objeto, mas surge da interação “sujeito-objeto”.

A pesquisa de Piaget desenvolveu a teoria da construção do conhecimento, mais conhecida como epistemologia genética. Seu foco principal foi sobre o assunto epistemológico estudado com o método clínico desenvolvido pelo próprio Piaget. A teoria explica como o conhecimento é adquirido e acumulado em nossa psique desde a infância até a maturidade humana. O trabalho deste estudioso é reconhecido mundialmente, pois contribui para a compreensão da formação e construção do intelecto.

Por meio dessa teoria, surgiram várias propostas educacionais diferenciadas para as crianças em cada uma das fases, para melhorar sua formação por meio das características específicas de cada uma dessas fases que Piaget observou em seus estudos. A compreensão do processo de construção do conhecimento permitirá o desenvolvimento de métodos pedagógicos mais eficientes para melhorar ou substituir os sistemas educacionais existentes. Como exemplo, um de seus alunos, Reuven Feuerstein, desenvolveu a teoria da modificabilidade cognitiva estrutural. Isto significa que a inteligência humana pode ser estimulada e que cada pessoa, independentemente da idade e até mesmo considerada inapta, pode adquirir a capacidade de aprender.

A Teoria dos Estágios de Desenvolvimento de Piaget

Ao observar cuidadosamente seus filhos e, acima de tudo, outras crianças, Piaget avançou a teoria cognitiva que sugere em humanos a existência de quatro estágios de desenvolvimento cognitivo: os estágios:

Inteligência sensório-motora: inteligência prática, manifestada em ações. Esquemas de ação, “conceitos” sensório-motores, início de construção de categoria de objeto, espaço, tempo e causalidade.Da diferenciação i-mundo fora do objeto de reconhecimento, espaço, tempo, causalidade.

Pré-operatório: pensamento indutivo, presença de animismo e artificialidade no pensamento, egoísmo. Indiferença entre o próprio ponto de vista e o da assim chamada rigidez e irreversibilidade do pensamento. Interesse como uma extensão da necessidade, sentimentos de respeito (afeto ansiedade +) para os idosos, obediência, moral heterônoma.

Concreto Operativo: transferência da intuição para a lógica do concreto, início do descentramento. Obtém a capacidade de realizar a reversibilidade de operações, explicações causais, noções de permanência de substância de peso e volume. Sentimentos de respeito mútuo e justiça (distributiva e retributiva), moralidade de cooperação (correlacionada com a lógica da reversibilidade), aparência da vontade como regulação da ação.

Formal ou abstrato operacional: acesso à lógica operacional abstrata, a descentralização é concluída. Declarações e pensamento hipotético-dedutivo, esquemas formais de lógica combinatória e proporções. Construção de autonomia.

Piaget influenciou a educação de maneira profunda. Para ele, as crianças só podiam aprender o que estavam prontas para assimilar. Seria melhor que os professores melhorassem o processo de descoberta dos alunos.

Nesta fase, Piaget conclui sua pesquisa com Barbel Inhelder e Alina Szeminska e examina a gênese psicológica em diferentes áreas do conhecimento científico “estruturas para pensar”, em oposição ao estudo do pensamento das crianças – de sua expressão linguística – na década de 1920. entrevistas levantam questões específicas e incluem a possibilidade de que a criança interaja com os objetos, manipulando brinquedos, modelando argila, líquidos e flores.

Receba nossas atualizações grátis!

Comente