Joana d’Arc [História]

0
306

Apelidada de “Donzela de Orleans“, Joana d’Arc era uma líder militar que supostamente agia sob orientação divina. Uma heroína nacional na França moderna, Joan tinha apenas 18 anos quando liderou o exército francês para uma vitória importante em Orléans, impedindo os ingleses de conquistar a França durante a Guerra dos Cem Anos.

Joan nasceu em 1412 na aldeia de Domrémy, na Lorena, para os agricultores Jacques d’Arc e sua esposa Isabelle. Na primeira infância, ela aprendeu habilidades valiosas de sua mãe e se tornou uma talentosa costureira.

A partir de 1420, Joan começou a experimentar visões místicas incentivando-a a levar uma vida piedosa. As visões ficaram cada vez mais vivas; ela alegou ouvir as vozes de São Miguel e Santa Catarina designando-a como a salvadora da França e encorajando-a a conhecer o delfim – o futuro Carlos VII.

Em 1428, Joan viajou para a aldeia vizinha de Vaucouleurs para encontrar Robert de Baudricourt, o comandante da guarnição e um defensor de Charles contra os ingleses e seus aliados borgonheses. Baudricourt inicialmente recusou-se a falar com ela, mas depois cedeu depois de testemunhar o apoio que recebeu dos aldeões. No início de 1429, ele ofereceu a ela um cavalo e uma escolta de vários soldados para levá-la a Chinon, no Vale do Loire, onde Charles tinha sua corte. Joan cortou o cabelo e vestiu roupas masculinas para a jornada de 11 dias.

Charles foi inicialmente cauteloso com Joan, uma camponesa que proclamou que só ela poderia salvar a França. No entanto, Joan logo o impressionou com sua capacidade de identificá-lo, vestido completamente fora do personagem, entre uma multidão de seus cortesãos. Joan e Charles tiveram uma conversa privada, durante a qual Joan divulgou detalhes de uma oração que Charles fez a Deus para proteger a França.

Em abril de 1429, Carlos permitiu que Joana, de 17 anos, acompanhasse o exército francês a Orléans, sitiado pelos ingleses. Em uma série de batalhas de 4-7 de maio, os franceses assumiram o controle das fortificações inglesas. Joan foi ferida, mas voltou para ajudar com um assalto final. Em meados de junho, os franceses mostraram que eram uma força a ser considerada.

Na primavera de 1430, Carlos VII enviou Joana d’Arc à cidade de Compiègne para enfrentar os burgúndios. Joan foi jogada de seu cavalo durante a batalha e saiu de fora dos portões da cidade, onde foi aprisionada. Depois de longas negociações, os borgonheses entregaram Joan aos ingleses em troca de 10 mil francos.

Quando oficiais da igreja inglesa insistiram que Joana fosse julgada como herege, Carlos VII não fez nenhuma tentativa de salvá-la, pois ele ainda não estava convencido de sua inspiração divina. Após um julgamento em Rouen, Joana d’Arc foi considerada culpada e queimada na fogueira em 30 de maio de 1431.

Carlos VII ordenou mais tarde uma investigação sobre sua morte e, em 1456, foi declarada inocente de todas as acusações e designada mártir. Joana d’Arc foi canonizada em 16 de maio de 1920 e agora é a santa padroeira da França.

A Donzela de Orléans tinha apenas 19 anos quando os ingleses a queimaram viva, mas tal é a sua fama que existem mais de 20.000 livros sobre ela na Bibliothèque Nationale, em Paris. Ela mesma não sabia quando era seu aniversário ou quantos anos tinha, mas um deles, em uma carta escrita em 1429, disse que ela nasceu na noite da Epifania em 1412 e essa é a data agora amplamente aceita.

Joan veio da aldeia de Domrémy na região de Lorraine, no nordeste da França (agora Domrémy-la-Pucelle em sua homenagem). Jacques d’Arc, seu pai, era um agricultor de poucos recursos, embora de alguma importância na aldeia, e sua mãe, Isabelle ou Romée, ensinaram Joan a fazer suas orações. Joan cresceu piedosa e forte de espírito. Quando ela tinha cerca de 12 ou 13 anos, parece que ela começou a ver visões e ouvir vozes de figuras que ela identificou como São Miguel Arcanjo, Santa Catarina de Alexandria e Santa Margarida de Antioquia. Eles disseram a ela que ela tinha uma missão divina para lutar e derrotar os ingleses. Ela ouvia suas vozes mais vezes em sua vida e os santos não poderiam tê-la melhor.

A monarquia francesa estava em desespero. A vitória de Henrique V em Agincourt em 1415 foi seguida por outras derrotas francesas e em 1420 o Tratado de Troyes reconheceu Henrique V como o herdeiro de Carlos VI da França (que sofreu repetidas crises de insanidade). O tratado deserdou seu filho, o dauphin, também Charles, cuja posição foi enfraquecida ainda mais quando o duque de Borgonha se aliou aos ingleses.

Em 1422, Henrique V e Carlos VI morreram a menos de dois meses um do outro, deixando o novo rei inglês, Henrique VI, com menos de um ano de idade, como rei titular da França. Seu tio e regente, o duque de Bedford, assumiu as operações na França.

Em janeiro de 1429, grandes áreas da França estavam sob controle da Inglaterra ou da Borgonha e os ingleses sitiavam Orléans, uma das poucas cidades ainda leais ao Delfim. Joana d’Arc agora agia. Com cerca de 17 anos, ela deve ter sido incrivelmente impressionante e ela convenceu um dos senhores locais a dar-lhe uma escolta para a corte do Dauphin em Chinon. Ela viajou para lá vestida como um homem. 

De acordo com um relato na época, sua escolta achou que ela estava maluca e pretendia largá-la em uma vala, mas de alguma forma se viram fazendo o que ela disse. Em Chinon, estimulada por uma de suas vozes divinas, reconheceu instantaneamente o dauphin entre os outros nobres, embora nunca o tivesse visto antes. Ela persuadiu-o a autorizá-la a ir a Orléans e afastar os ingleses.

Emprestando peças de armadura para poder vestir-se como um cavaleiro e afastar a irritação de muitos da nobreza francesa, ela levou as tropas francesas à vitória em uma série de ataques astutos que forçaram os ingleses a abandonar o cerco e recuar. Na última ação ela foi ferida no pescoço por uma flecha, mas ainda levou seus homens na carga decisiva final.

A moral francesa floresceu e o Delfim nomeou Joana para o comando conjunto de seu exército. Ela liderou em uma sucessão de vitórias para Reims, que abriu suas portas em julho. Ela estava presente quando o Dauphin foi coroado lá como a tradição exigia, como Charles VII.

Muitos de seus adversários derrotados pensavam que Joan deveria ser uma bruxa, dirigida não pelas vozes dos santos, mas pelo diabo. O duque de Bedford chamou-a de “discípula e membro do Demônio”. Seu curativo como homem aumentou essa impressão. Em maio de 1430, ela foi capturada pelos burgúndios e vendida por 10 mil francos para os ingleses, que a julgaram por heresia. O tribunal eclesiástico condenou-a e ela foi queimada na fogueira em Rouen em 30 de maio de 1431. Foram tomadas medidas para tornar sua morte tão agonizantemente lenta quanto possível.

Canonizada em 1920, Joan tem sido uma encarnação da identidade nacional francesa e orgulho por seis séculos e todos os aspectos de sua vida foram estudados, contestados, negados ou reavaliados. Que uma camponesa adolescente sem educação deveria ter tido um impacto tão grande, faz dela uma das maravilhas da história.

Joana d’Arc [História]
5 (100%) 2 votos

Receba nossas atualizações grátis!

Comente