Lendas Brasileiras [História]

0
176

Mitos, lendas e contos folclóricos são histórias, crenças e costumes que foram passados ​​de geração em geração e geralmente são transmitidos oralmente. Esses contos geralmente combinam um relato vagamente preciso (se for o caso) de eventos históricos junto com um personagem mitológico (geralmente um herói ou um vilão) e uma moral para a história.

As ações dos personagens são frequentemente usadas para transmitir uma lição ou um aviso aos ouvintes. O Brasil foi ocupado por tribos de caçadores a séculos atrás. De fato, as evidências indicam que havia civilizações humanas ocupando esta parte da América do Sul em 9 000 aC (antes de nossa era comum). Estes tinham muitos contos que passavam através das gerações.

Gradualmente, como a América do Sul foi colonizada e habitada por outras culturas a partir do século 16, o folclore e mitos foram infundidos com influências dos escravos africanos, colonos portugueses e outros folclore europeu (de lugares como Polônia e Alemanha, por exemplo). Os santos que existiram através dos tempos também deixaram sua marca no folclore do Brasil.

Naturalmente, há também tradições modernas que se misturaram com o folclore do passado para evoluir e moldá-las em contos mais recentes e atuais que as crianças e os jovens de coração continuam a desfrutar.

Existem dezenas de figuras conhecidas no folclore brasileiro. Apenas alguns destes são:

  • Alamoa – este fantasma é colocado na Ilha de Fernando de Noronha e acredita-se ser o fantasma de uma mulher loira (portanto alemã). Ela seduz homens destemidos e depois os leva para a morte. 
  • Besta-fera – acredita-se que esta besta seja Satanás, o Diabo. 
  • Boitatá – esta serpente tem os chifres de um touro e enormes olhos de fogo e desliza por campos abertos após o anoitecer. Os moradores acreditam que olhar para os olhos vai cegar você. 
  • Boto – Acredita-se que esse golfinho de conto de fadas se transforme em um homem bonito e seduza meninas infelizes. 
  • Bumba-meu-Boi – esse boi continua a figurar na mitologia brasileira. O conto é frequentemente celebrado com música e dança.
  • Caipora – refere-se a espíritos dentro da selva que saem de seus alojamentos nas árvores à noite para assombrar viajantes perdidos e errantes.
  • Corpo-Seco – traduzido para “cadáver seco”, acredita-se que a alma deste homem tenha sido rejeitada por Satanás em sua morte por ser tão má. Até a terra não podia causar seu corpo a apodrecer. Então, ele anda em um estado de nada inútil até o dia do julgamento referido na Bíblia. 
  • Cuca – Cuca é usado para assustar crianças pequenas que não querem ir para a cama a tempo. Ela é uma velhinha malvada que fará coisas malvadas para eles, ou pelo menos é o caso. 
  • Iemanjá – a deusa do mar, segundo a tradição afro-brasileira.
  • Lobisomem – esta é a versão brasileira do lobisomem comumente conhecido. 
  • Mãe do Ouro – acredita-se que essa mulher seja tão poderosa e letal que ninguém que a tenha visto pessoalmente jamais viveu. Assim, não há descrição disponível. Ela é vista à distância e é descrita como uma bola de fogo que voa de uma montanha para outra. 
  • Saci Pererê – esse jovem de uma perna é certamente um dos personagens mais populares do folclore brasileiro. Ele é travesso e é culpado por qualquer coisa que dê errado na fazenda. O Saci é conhecido como um vigarista que pode desaparecer e reaparecer à vontade. Quem quer que possa pegar seu boné vermelho é concedido um desejo pelo Saci, mas a lenda diz que o cheiro do boné é tão ruim, você nunca pode se livrar dele.
  • Mapinguari – O mapinguari (“animal que ruge” ou “besta fétida”) é basicamente o pé-grande da América do Sul. Essa criatura é descrita como uma fera gigante e fedorenta que pode ficar de pé como um urso pardo, com o rosto de um macaco e um pelo espesso sobre a pele, resistente o suficiente para impedir um tiro de espingarda. Algumas fontes relataram que ostenta uma segunda boca no meio de sua barriga, que emite um odor repugnante que deixa os homens tontos, confusos e inconscientes. Muitas vezes, as pessoas dizem que o mapinguari serve como uma espécie de protetor de selva, atacando aqueles que tomam mais recursos do que o necessário. Nesse sentido, é semelhante a outras figuras lendárias de protetores / punidores, como o boitatá e o curupira, uma criatura com pés para trás que encontra alegria em confundir os caçadores.
  • Mula-sem-cabeça – Como outras lendas, a mula-sem-cabeça provavelmente surgiu como uma tática assustadora para encorajar os princípios morais. A lenda da mula fala de uma menina ou mulher que foi amaldiçoada por ter relações com um padre. Como punição por sua parte em um homem do pecado de Deus, ela está condenada a se transformar em uma mula selvagem com fogo no lugar de uma cabeça, atirando chamas de suas narinas inexistentes e correndo pelas aldeias à noite. De manhã, ela volta à sua forma humana, acordando nua e incapaz de lembrar de nada. A mula-sem-cabeça produz um aterrorizante barulho durante a sua fúria, e o barulho de suas ferraduras dá medo em todos que a ouvem. Se você chegar muito perto dela, deve garantir que partes específicas do corpo estejam escondidas de sua visão, pois ela parece gostar de comer os olhos, polegares, dentes, dependendo de qual versão da lenda você se lembra, enquanto no processo de morrer de susto. Dizem que você pode desfazer a maldição da mula removendo o freio de seu nariz ou fazendo sangrar – ambos os métodos são quase impossíveis, dada a alta probabilidade de levar um coice no peito.
  • Mulher de branco – Como a maioria dos países, o Brasil tem seu quinhão de lendas urbanas, algumas delas aterrorizantes. Tome a lenda da loira-do-banheiro, por exemplo. Esta lenda conta a história de uma linda garota loira que se matou (ou foi morta) em um banheiro. Sua alma está presa lá, e ela deve passar o resto da eternidade assustando as pessoas que aparecem por lá. Assim como acontece em outras culturas ao redor do mundo , há muitos relatos relacionados a mulheres fantasmagóricas vestidas de branco, coletivamente conhecidas como damas-de-branco, a maioria das quais foi violentamente morta. Algumas morreram no parto, enquanto outras foram assassinadas nos chamados “assassinatos de honra”. Todos eles pairam em torno da terra dos vivos para assombrar os lugares onde eles encontraram seus feios fins, e às vezes para seduzir os homens e levá-los à morte.
  • Iara – A Iara é uma sereia que seduz homens com beleza e música. A maioria de suas vítimas é morta por afogamento; os poucos que sobrevivem a um encontro com essa sirene acabam enlouquecendo. Originalmente, Iara era uma trabalhadora indígena Tupi e filha de um xamã. Ela era tão diligente e corajosa que outros trabalhadores, particularmente seus próprios irmãos, ficaram com ciúmes. Uma noite, seus irmãos se reuniram e tentaram acabar com ela, mas ela se defendeu e os matou. Assustada, ela fugiu para a selva, mas um grupo de busca a localizou e a jogou no famoso encontro das águas, nos rios Negro e Solimões, perto de Manaus, Amazonas. O grupo de busca deixou Iara se afogar. No entanto, peixes flutuaram seu corpo para a superfície, e a luz da lua cheia transformou-a em uma sereia de cabelos compridos e olhos verdes. Por meio de vingança, ela agora passa seus dias atraindo marinheiros para a água e assassinando-os, e parece que ela é tão boa como um homem que se afoga como trabalhador. Acredita-se que a lenda de Iara seja uma fusão dos mitos europeus das sereias e uma velha lenda tupi de um peixe gigante e feroz chamado ipupiara que emergiria de rios com uma vingança para virar a mesa dos pescadores.
  • Caboclo d’água – O caboclo d’água é uma criatura de baixa estatura, forte e de um olho que habita o Rio São Francisco, um rio de 1.800 quilômetros que percorre os estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Alagoas e Sergipe. Ele pode estar em vários lugares ao mesmo tempo e, se tiver vontade, se manifestar como um animal. O caboclo, sendo uma fera da água, torna a vida infernal dos pescadores. Quando não está assustando os peixes longe de seus ganchos e redes, ele está tentando virar seus barcos ou encalhá-los. Um relato do caboclo afirma que ele apareceu a um pescador como um cavalo, flutuando morto na água, mas depois voltou à vida, submergiu e começou a balançar o barco como um louco. O caboclo pode ser temporariamente aplacado jogando um pouco de tabaco na água, que é como o pescador no caso do cavalo “morto” escapou da perda de seu barco. Medidas preventivas incluem pintar uma estrela branca ou prender facas no casco do seu barco, e / ou esculpir figuras assustadoras em sua proa. Diz-se que o caboclo vive em uma gruta profunda enfeitada com ouro, mas qualquer pessoa louca o suficiente para procurar esse tesouro – ou mesmo pensar em fazê-lo – estará sujeita ao ataque iminente da criatura.
  • Cabeça satânica – A cabeça satânica, também conhecida como a cabeça errante, é uma cabeça de demônio sem corpo que salta ou rola pelo chão, sorrindo um sorriso do mal encarnado. Se você não enlouquecer apenas com a visão, ela pula em você , o que, segundo a lenda, é tudo o que precisa para deixá-lo rapidamente doente e depois morto. Na maioria das vezes, a cabeça aparece como um estranho de cabelos longos na floresta à noite, de costas para a vítima. Mas isso não é assustador o suficiente, então o corpo do estranho cai direto no chão (e / ou no inferno), provavelmente muito parecido com o estômago da testemunha infeliz. Ele pára de cair no pescoço, e apenas uma cabeça desgrenhada continua a ser vista. Sorrindo como um lunático, a cabeça se vira para encarar sua presa. Há pequenas variações desta lenda, uma das quais descreve a cabeça como uma espécie de bomba de horror lançada por algum outro ser maligno, que joga em qualquer pessoa ao alcance para atormentá-los por chutes e risadinhas. 
Lendas Brasileiras [História]
5 (100%) 1 voto


Receba nossas atualizações grátis!

Comente