Naturalismo [Literatura]

0
83

O naturalismo é um movimento artístico e literário conhecido como radicalização do realismo, baseado na fiel observação da realidade e da experiência. Isso mostra que o indivíduo é determinado pelo ambiente e pela hereditariedade. A escola delineou os primeiros passos do pensamento evolutivo de Charles Darwin.

O naturalismo filosófico como forma de compreender o universo é um dos pilares da ciência moderna e é também objeto de reflexão filosófica.

Os romances naturalistas são caracterizados por uma abordagem extremamente aberta ao sexo e ao uso da linguagem falada. O resultado é um diálogo vivo e extraordinariamente verdadeiro, que na época era considerado até mesmo chocantemente inovador. Ler um trabalho naturalista dá a impressão de ler um trabalho contemporâneo que acaba de ser escrito. Os naturalistas acreditavam que o indivíduo é apenas um produto da hereditariedade e que seu comportamento é o resultado da educação e do ambiente em que ele vive e age.

A perspectiva evolutiva de Darwin inspirou os naturalistas que acreditavam que a seleção natural era a força motriz por trás da transformação das espécies. Assim, nesse tipo de romance, o instinto fisiológico e natural que retrata a agressão, a violência e o erotismo como elementos da personalidade humana dominam. Além de Darwin, Hippolyte Taine e Auguste Comte tiveram uma clara influência na estética naturalista.

Os autores naturalistas criaram narradores oniscientes e apáticos para apoiar a teoria em que acreditavam. Eles exploraram temas como a homossexualidade, o incesto, o desequilíbrio que leva à loucura e criaram personagens que eram governados por seus instintos e desejos porque viam no comportamento humano traços de sua natureza animal.
No Brasil, a prosa naturalista de Aluísio Azevedo foi influenciada pela obra publicada em 1881, O Mulato. Esse foi o início do naturalismo brasileiro, e a obra o Cortiço, também escrita por ele, marcou essa tendência.

Quais são as Características do Naturalismo?

As principais características do Naturalismo são a impessoalidade / linguagem simples e enxuta; engajamento literário (o autor tenta convencer o leitor); determinismo (o homem é fruto do meio/ raça/ momento); darwinismo social; positivismo / cientificismo exagerado; ambiente restrito como microcosmo de toda a sociedade; preferência por grupos humanos marginalizados; patologias sociais (prostituição, traição, incesto); animalização /; zoomorfização dos personagens.

O francês Emile Zola foi o fundador do naturalismo e o escritor que mais se identificou com ele. O romance experimental (1880) é considerado um manifesto literário do movimento.
As leituras de Zola sobre a teoria da evolução de Darwin (a gênese da espécie foi publicada em 1859), a filosofia da arte (1865), “grande estudo fisiológico e psicológico”. O que Claude Bernard descobrira no corpo humano dissolveria Zola na sociedade. Por curiosidade, diz-se que Zola teve pouco mais a fazer do que substituir as palavras médico pelo romancista do livro “Introdução à Medicina Experimental Médica” (Claude Bernard) para escrever sua obra “Le Roman Expérimental” 1880.

Outras fortes influências sobre seu trabalho a este respeito seria obra de Honoré de Balzac (que fez um verdadeiro raio da sociedade francesa com a série de romances – a comédia humana, concluída em 1846) e as idéias socialistas em ascensão (Das Communist Manifesto of Karl Marx e Friedrich Engels é de 1848). Em 1871, Zola iniciou seu grande projeto, a série Os Rougon-Macquart.

A repercussão na imprensa do sucesso de The Tavern (1876) levou Zola a responder as críticas da seguinte forma: “Sou considerado um escritor democrata, fã do socialismo, mas não de rótulos como Se você quiser nos classificar, dizer eu” Sou uma Natureza … você se surpreende em usar com as cores verdadeiras e tristes Eu pinto a classe trabalhadora, mas elas expressam a realidade que eu traduzo apenas em palavras, o que eu vejo .. deixo a necessidade de puxar lições moralistas Meu trabalho não é um anúncio ou um partido político. Meu trabalho representa a verdade “.

Nana foi lançado em 1880 e é muito bem sucedido. Trata-se de um tema ousado: a prostituição de luxo. Em 1881, Zola traz sua obra-prima Germinal no mercado. Para escrevê-lo, o autor não ficou satisfeito com a pesquisa, foi direto para a fonte. Ele trabalhou como mineiro por dois meses. Viveu com os mineiros, ele comeu e bebeu nas mesmas tabernas para se familiarizar com o meio ambiente. Sentiu-se sacrificado no trabalho de carne, empurrando a dificuldade de um carro cheio de carvão, para cavar o problema de calor e umidade dentro da mina, o trabalho insano necessário ao carvão, a promiscuidade da habitação, baixos salários e fome. Ele também seguiu de perto a greve dos mineiros, razão pela qual sua história é tão chocante. A força germinal causa um tremendo impacto, consagrando Emile Zola como um dos maiores escritores de todos os tempos.

No teatro, o naturalismo fez mudanças notáveis ​​com a aparição do diretor, cenógrafo e figurinista. Até agora, o único ator escolheu suas roupas, um único cenário foi usado para várias reuniões e ele não estava em uma posição definida como coordenador de todas as funções. A iluminação foi examinada mais de perto e o isolamento acústico foi retomado. É um radicalismo do realismo. Na pintura de um exemplo naturalista e famosa pintura de Vincent van Gogh, os comedores de batatas (1885).

No Brasil, em 1880, foram publicados os primeiros trabalhos naturalísticos, influenciados pela leitura de Émile Zola. O primeiro romance é O Mulato (1881), do Maranhão Aluísio Azevedo, o escritor que melhor representa a corrente literária do naturalismo brasileiro. Além desse trabalho, ele foi responsável pela criação de um dos maiores marcos da literatura brasileira: O Cortiço.

A recepção crítica da teoria naturalista de Zola foi realizado em Portugal por autores como Júlio Lourenço Pinto (1842-1907), José António dos Reis Dâmaso (1850-1895), António José da Silva Pinto (1848-1911), Alexandre (1842-1942) , 1988), autor da série de comédia da comédia Campo e burguesa, e o mais notável deles, Abel Botelho (1854-1917), criador da série patologia social, ou Carlos Malheiro Dias (1.875-1.941) iria tentar Aplicar naturalismo a história e o romance.

Pela primeira vez, a literatura trouxe à tona os pobres, homossexuais, negros e mulatos que foram discriminados. Alguns representantes do Brasil estiveram entre outras Aluísio Azevedo, Horácio de Carvalho, Sousa Inglês, Júlio Ribeiro, Papi Júnior, Rodolfo Teófilo, Carneiro Vilela, Faria Neves Sobrinho e Manoel Arão.

Naturalismo [Literatura]
5 (100%) 1 voto

Receba nossas atualizações grátis!

Comente