Notas Musicais: Dó, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si

0
569

Na música, uma nota é um símbolo para um som musical. Uma nota também pode ser o próprio som. Uma nota pode representar o tom e a duração de um som na notação musical. Uma nota também pode representar uma classe de altura.

As notas musicais são os blocos de construção de muitas músicas escritas: discretizações de fenômenos musicais que facilitam a performance, a compreensão e a análise.

O termo “nota” pode ser usado tanto em um sentido geral como em um sentido específico. Podemos dizer que “Parabéns pra você” começa com duas notas do mesmo tom, ou que uma peça começa com duas repetições da mesma nota. No primeiro caso, uma nota é usada para se referir a um determinado evento musical; no segundo, o termo é usado para se referir a uma classe de eventos com o mesmo tom.

Duas notas com frequências fundamentais numa razão correspondente a uma possível força de integração de duas (por exemplo, metade, duas ou quatro vezes) são consideradas muito semelhantes. Portanto, todos os sons com este tipo de relação podem ser agrupados sob a mesma classe de tom.

Na teoria da música tradicional, a maioria dos países do mundo usa a convenção “Do-Ré-Mi-Fá-Sol-Lá-Si” para nomear as notas musicais, incluindo, por exemplo, Itália, Portugal, Espanha, França, Polônia, Romênia, a maioria dos países da América Latina, Grécia, Bulgária, Turquia, Rússia e todos os países de língua árabe ou persa. No entanto, nos países de língua inglesa e neerlandesa, as classes de altura são geralmente representadas pelas primeiras sete letras do alfabeto latino (A, B, C, D, E, F e G). Alguns países europeus, incluindo a Alemanha, utilizam grafias quase idênticas, com o H a substituir o B (ver infra). Na música indiana, os nomes sânscritos Sa-Re-Ga-Ma-Pa-Dha-Ni (सा-रे-गा-गा-मा-पा-धा-नि) são usados, como em Telugu Sa-Ri-Ga-Ma-Pa-Da-Ni (స-రి-గ-మ-ప-ప-దని), e em Tamil (ச-ரி-ரி-க-ப-த-நி). Bizantinos utilizavam os nomes Pa-Vu-Ga–Di-Ke-Zo-Ni (πΑ-Βου-Γα-Δι-κΕ-Ζω-νΗ).

A oitava nota tem o mesmo nome que a primeira, mas tem uma frequência dupla. A oitava de nome também é usada para indicar o intervalo entre uma nota e outra com dupla frequência. Para distinguir dois tons que têm a mesma classe de altura, mas caem em oitavas diferentes, o sistema de notação científica combina um nome de letra com um número árabe indicando uma oitava particular. Por exemplo, o tom usado hoje para a maioria das músicas ocidentais é de 440 Hz, a′ ou A4.

Existem dois sistemas formais para definir cada nota e oitava, a notação Helmholtz e Índice acústico científico.

Os sistemas de notação musical usam as letras do alfabeto há séculos. O filósofo do sexto século Boécio usou as primeiras quatorze letras do alfabeto clássico latino (a letra J não existia antes do século XVI), A B C D E F F G H I K L M M M N O, para representar as notas da escala de duas oitavas usadas na época e na notação científica moderna do tom, são representadas da seguinte forma: A2 B2 C3 D3 E3 F3 G3 A3 B3 C4 D4 E4 F4 G4.

Embora não se saiba se esta foi a sua invenção ou a prática habitual na época, ela ainda é referida como notação boêmia. Embora Boécio tenha sido o primeiro autor a usar essa nomenclatura na literatura, cinco séculos antes Ptolomeu escreveu na escala de duas oitavas e a chamou de sistema perfeito ou sistema completo – ao contrário de outros, pautas menores que não continham todas as oitavas possíveis (ou seja, as sete oitavas de A, B, C, D, E, F e G).

Como resultado, o intervalo das notas utilizadas foi estendido para três oitavas e o sistema de repetição de letras A-G foi introduzido em cada oitava, escrito em letras minúsculas para a segunda oitava (a-g) e em letras minúsculas duplas para a terceira (aa-gg). Se a escala foi estendida de uma nota para um G, esta nota foi referida como a letra grega gama (Γ). (Daí a palavra francesa para escala, gama e a palavra inglesa gamut, derivada de “gamma-ut”, a nota mais baixa da notação musical medieval).

As cinco notas restantes da escala cromática (as teclas pretas de um teclado de piano) foram adicionadas gradualmente; a primeira foi B♭, já que B foi achatado em alguns modos para evitar o intervalo tritonal dissonante. Esta mudança nem sempre foi indicada na notação, mas quando foi escrita, B♭ (se achatado) foi escrito em latim, redondo “b”, e B♮ (se natural) em gótico (Blackletter) ou “hard frame” b. O apartamento B foi escrito em latim, redondo “b”, e o apartamento B em gótico, preto, ou notação emoldurado duro b. Estes tornaram-se os símbolos (♭) e natural (♮). O símbolo agudo desenvolvido a partir de um b barrado, o “b cancelado”.

Notas Musicais: Do, Ré, Mi, Fá, Sol, Lá, Si

As notas de música são sinais que representam o tom de um som musical. Embora a música use inúmeros sons, apenas sete notas são suficientes para representá-los:

DO – RE – MI – FÁ – SOL – LÁ – SI

Um conjunto de sete notas consecutivas, com a repetição da primeira, é chamado de escala, e esta pode ser crescente ou decrescente. Por exemplo, o alcance do Sol inclui as seguintes notas ascendentes: Sol, Lá, Si, Dó, Ré, Mi, Fá, Sol  e descendentes: Sol, Fá, Mi, Ré, Dó, Si, Lá, Sol.

Estes indicadores monossilábicos foram introduzidos por Guido d’Arezzo, usados principalmente no latim, e correspondem às sete letras (o sistema alfabético introduzido pelo Papa Gregório o Grande, ± 540 A.D.) usadas em inglês, alemão, grego, etc.,

Dó – ré – mi – fá – sol – Lá – si
C – D – E – F – G – A – B (inglês)
C – D – E – F – G – A – H (alemão)

A letra “B” indica a nota “si” em inglês; em alemão, a letra “B” indica a nota “si bemol” e o “H” representa o “si,”

Music notes

Das quatro características sonoras, o tom é o mais importante. É determinado pela frequência de vibração, ou seja, se o som tiver vibrações baixas, teremos som baixo, se o som tiver vibrações altas, teremos som alto.

Ao escrever música, o tom é representado pela clave e pela posição da nota no pentagrama. Notas em diferentes inclinações e em ordem sucessiva, em uma direção horizontal, produzem uma melodia. Quando as notas estão em diferentes alturas, mas em ordem ao mesmo tempo, temos acordes que são a base da harmonia.

As notas são representadas graficamente por sinais ovais que, dependendo da posição em que estão escritas no pentagrama, indicam os tons mais baixos ou mais altos.

Um pentagrama ou pauta musical é um conjunto de cinco linhas paralelas e horizontais e quatro intervalos entre elas, onde as notas de música são gravadas. Contamos sempre estas linhas e espaços de baixo para cima.

Como o pentagrama por si só não é suficiente para expressar todos os sons musicais, uma vez que apenas nove notas o mantêm, foram criadas linhas adicionais que são segmentos curtos de linhas horizontais que funcionam como uma extensão do pentagrama, mantendo a mesma distância da linha normal da pauta.

Quando estas linhas são colocadas acima do pentagrama, elas representam sons agudos. Sob o pentagrama, eles representam sons graves.

O nome da nota no pentagrama é determinado pela chave, que é um sinal colocado no início do pentagrama dando o nome da nota escrita na sua linha. Há sete claves, representadas por números – G, F e C. Por exemplo: uma clave marcada na segunda linha significa que o nome da segunda linha será “sol”, então o segundo espaço será “lá”, a terceira linha será “se” e assim por diante.

Receba nossas atualizações grátis!

Comente