Os Maiores Mitos Sobre Xadrez

0
68

Xadrez, um dos mais antigos e populares jogos de tabuleiro, é jogado por dois adversários num tabuleiro de damas com peças especialmente concebidas em cores contrastantes, normalmente branco e preto. O branco move-se primeiro, depois os jogadores alternam de acordo com regras fixas, cada jogador tentando forçar o capítulo oposto, o rei, a um xeque-mate – uma posição que ele não pode impedir de ser capturado.

O xadrez surgiu pela primeira vez na Índia por volta do século VI d.C. e propagou-se da Ásia para o Médio Oriente e a Europa no século X. Desde pelo menos o século XV, o xadrez tem sido conhecido como “xadrez real” devido à sua popularidade entre a nobreza. As regras e o desenho do cenário evoluíram lentamente até que ambos atingiram o padrão atual no início do século XIX. Foi uma vez uma diversão intelectual, mas no século XX o interesse pelo xadrez aumentou explosivamente. Jogadores profissionais e patrocinados pelo Estado competiram por um título de campeão mundial oficialmente reconhecido e prêmios de torneios cada vez mais lucrativos. Torneios organizados de xadrez, jogos de correspondência postal e xadrez pela internet agora atraem homens, mulheres e crianças de todo o mundo.

A História do Xadrez

A origem do jogo de xadrez continua a ser um ponto de controvérsia. Não há provas credíveis de que o xadrez tenha existido numa forma que se aproximasse do jogo moderno antes do século VI d.C. Peças encontradas na Rússia, China, Índia, Ásia Central, Paquistão e outros lugares, que provaram ser mais antigas do que aquelas que agora vêm de jogos de tabuleiro relacionados, agora são consideradas como tendo vindo de antes, muitas vezes com dados e às vezes usando placas de 100 ou mais espaços.

Um desses primeiros jogos era um jogo de guerra chamado chaturanga, um nome sânscrito para uma formação de combate chamada Mahabharata no épico indiano. Chaturanga floresceu no noroeste da Índia no século VII e é considerado o primeiro precursor do xadrez moderno porque ele tinha duas características importantes encontradas em todas as variantes de xadrez subsequentes – diferentes peças tinham poderes diferentes (em oposição às damas e ir), e a vitória foi baseada em uma peça, o rei do jogo moderno.

Não está claro como o chaturanga se desenvolveu. Alguns historiadores dizem que o chaturanga, talvez jogado com dados num tabuleiro de 64 quadrados, transformou-se gradualmente em shatranj (ou chatrang), um jogo de dois jogadores que foi popular no norte da Índia, Paquistão, Afeganistão e Sul da Ásia Central após 600 AD. Shatranj parecia chaturanga, mas ele adicionou uma nova música, um firzān (conselheiro), que não tinha nada a ver com formação de tropas. Um jogo de shatranj pode ser ganho removendo todas as peças do adversário (dando à luz o rei) ou certificando-se de que o rei foi capturado. As posições iniciais dos peões e cavaleiros não mudaram, mas houve variações regionais e temporárias consideráveis para as outras peças.

O jogo espalhou-se para leste, norte e oeste, e assumiu características muito diferentes. A leste, levada por peregrinos budistas, comerciantes da estrada de seda e outros, transformou-se num jogo com discos gravados que muitas vezes eram colocados na intersecção das linhas do planalto e não dentro dos campos. Por volta de 750 d.C., o xadrez chegou à China e, no século XI, ao Japão e à Coreia. O jogo de xadrez chinês, a versão mais popular do jogo oriental, tem 9 e 10 linhas e 10 linhas e uma fronteira – o rio, entre as 5ª e 6ª linhas – que restringe o acesso ao campo inimigo e torna o jogo mais lento que seu primo ocidental.

Uma forma de chaturanga ou shatranj chegou à Europa através da Pérsia, do Império Bizantino e, talvez mais importante, do Império Árabe em expansão. O mais antigo jogo gravado, encontrado num manuscrito do século X, foi jogado entre um historiador de Bagdade, provavelmente o favorito de três califas sucessivas, e um estudante.

No século X, os muçulmanos introduziram o xadrez no Norte de África, Sicília e Espanha. Os eslavos eslavos do Leste espalharam-na na mesma altura para a Rússia de Kiev. Os Vikings transportaram o jogo para a Islândia e Inglaterra e são responsáveis pela mais famosa coleção de peças de xadrez, 78 peças de marfim de morsas de diferentes conjuntos encontrados em 1831 na Ilha de Lewis, nas Hébridas Exteriores que datam do século XI ou XII.

Os jogos de xadrez e de dados eram regularmente banidos por reis e líderes religiosos. Por exemplo, o Rei Luís IX baniu o jogo na França em 1254. No entanto, a popularidade do jogo foi favorecida pelo caráter social: um jogo de xadrez era frequentemente associado com riqueza, conhecimento e poder. Ele era um dos jogos favoritos dos Reis Henrique I, Henrique II, João e Ricardo I da Inglaterra, Filipe II e Afonso X (os Magos) da Espanha, e Ivan IV (o Terrível) da Rússia. O xadrez já era conhecido como o jogo real no século XV.

Regras e Objetivos do Xadrez

O tabuleiro de xadrez representa um campo de batalha onde dois exércitos lutam para conquistar o rei do outro. O exército de um jogador consiste em 16 peças que começam a jogar nas duas filas mais próximas do jogador. Há seis tipos diferentes de peças: rei, torre, bispo, rainha, rainha, rainha, rainha, cavaleiro e peão. Os jogadores alternam, o White vem primeiro.

Rei

O Rei Branco começa o jogo em e1. Preto é o rei do preto no E8. Cada rei pode mover um quadrado em cada direção; por exemplo, o rei branco pode mover-se de e1 para d1, d2, e2, e2, e2, e2, e2, e2, f2 ou f1.

Torre

Cada jogador tem dois turnos (anteriormente chamados castelos), que começam o jogo nos quadrados de canto a1 e h1 para branco, a8 e h8 para preto. Uma torre pode mover-se vertical ou horizontalmente para qualquer espaço livre ao longo da coluna ou linha em que está colocada.

Bispo

Cada jogador tem dois bispos, e eles começam o jogo em c1 e f1 para brancos, c8 e f8 para pretos. Um bispo pode mover-se para qualquer espaço livre da diagonal em que é colocado. É por isso que cada jogador tem um símbolo que fica apenas em quadrados claros e um símbolo que fica apenas em quadrados escuros.

Rainha

Cada jogador tem uma rainha, que combina os poderes da torre e do bispo e é a peça mais móvel e poderosa. A rainha branca começa em d1, a rainha preta em d8.

Cavaleiro

Cada jogador tem dois cavaleiros, e eles começam o jogo nos espaços entre os seus turnos e fichas, ou seja, em b1 e g1 para brancos e b8 e g8 para pretos. O cavaleiro tem a jogada mais difícil, em forma de L com dois passos: primeiro um quadrado como uma volta, depois um quadrado como um bispo, mas sempre na direção do quadrado inicial. Um cavaleiro em e4 pode ir para f2, g3, g5, f6, d6, d6, d6, d6, d6, c5, c3, ou d2. O cavaleiro tem a capacidade única de saltar sobre outra peça para chegar ao seu destino. Move-se sempre num quadrado de uma cor diferente.

Captura

O rei, a torre, o bispo, a rainha e o cavaleiro capturam peças inimigas da mesma forma que se movem. Por exemplo, uma rainha branca em d3 pode capturar uma torre preta em h7 indo para h7 e removendo o contador inimigo do tabuleiro. As peças só podem apanhar peças inimigas.

Peões

Cada jogador tem oito peças, que começam o jogo na segunda fila mais próxima de cada jogador; ou seja, as peças do White começam em a2, b2, c2, c2, c2, c2, c2, c2, e assim por diante, enquanto as peças do Black começam em a7, b7, c7, c7, c7, etc. Os contadores são únicos de diferentes maneiras. Um peão só pode avançar, nunca pode recuar. Move-se de forma diferente do que capta. Um peão move-se para a casa à sua frente, mas bate nas casas à sua frente diagonalmente; por exemplo, um peão branco em f5 pode ir para f6, mas só pode capturar em g6 ou e6. Um peão estacionário tem a possibilidade de avançar um ou dois quadrados. É por isso que outra opção em particular, chamada de passagem, está disponível para um contador quando um contador inimigo numa fila adjacente avança dois quadrados na sua primeira jogada e poderia ter sido capturado se tivesse movido apenas um quadrado. O primeiro contador pode tomar o contador avançado como se tivesse apenas um quadrado avançado. Uma captura em passagem deve então ser feita ou não deve ser feita de todo. Só os contadores podem ser capturados de passagem. A última característica do peão é que chega ao fim de um ficheiro; deve então ser promovido, isto é, trocado por uma rainha, torre, bispo ou cavaleiro.

Contrabando

A única excepção à regra de que um jogador só pode mover uma peça de cada vez é um movimento composto do rei e da torre, chamado turno. Um jogador constrói um castelo movendo o rei dois quadrados na direção de uma torre, que é então colocada na casa onde o rei passou. Por exemplo, o branco pode colocar o lado do rei de um castelo movendo o rei de e1 para g1 e a torre de h1 para f1. O contrabando é permitido apenas uma vez num jogo e é proibido se o rei ou torre já se tiver movido ou se um dos campos entre eles estiver ocupado. O contrabando também é proibido se a casa onde o rei começa, cruza ou termina for atacada por uma peça inimiga.

Valores relativos dos componentes

Se ao contador for atribuído um valor de 1, os valores das outras peças são aproximadamente os seguintes: cavaleiro 3, bispo 3, curva 5 e rainha 9. Os valores relativos dos cavaleiros e dos bispos variam consoante a estrutura do peão. Além disso, considerações táticas podem cancelar temporariamente os valores relativos usuais dos componentes. As questões materiais estão subordinadas à vitória.

Se um jogador move uma peça para uma casa na qual ele ataca o rei inimigo, ou seja, uma casa da qual ele pode capturar o rei se este não for protegido ou movido, então é dito que o rei é mantido em cheque. O jogo é ganho quando um rei está em cheque e não pode impedi-lo de ser capturado na jogada seguinte; isto é chamado de xeque-mate. Um jogo também pode terminar quando um jogador, que acredita que a situação é desesperada, reconhece a derrota por demissão.

Existem três resultados possíveis para jogar xadrez: ganhar, perder ou até mesmo perder. Existem seis formas de alcançar a igualdade: (1) por mútuo consentimento, (2) quando nenhum jogador tem peças suficientes para entregar um xeque-mate, (3) quando um jogador pode controlar o rei inimigo infinitamente (controle perpétuo), (4) quando um jogador que não está em cheque não tem nenhum movimento legal (deadlock), (5) quando uma posição idêntica ocorre três vezes com o jogador que tem o direito de se mover, e (6) quando nenhuma peça foi retirada e nenhuma peça foi movida durante 50 movimentos.

Em eventos competitivos, uma vitória significa um ponto, um empate significa meio ponto e uma derrota significa nenhum ponto.

Quais são os Maiores Mitos Sobre o Xadrez?

As pessoas, especialmente os próprios jogadores de xadrez, dizem as coisas mais absurdas sobre o jogo e os jogadores de xadrez.

Aqui estão alguns dos nossos mitos favoritos sobre o jogo real. Algumas dessas afirmações são absolutamente falsas, outras são opiniões desinformadas e outras são controversas, que podem ou não ser verdadeiras.

É difícil aprender xadrez

O xadrez pode não ser o jogo mais fácil de aprender, mas está longe de ser o mais difícil. O jogador deve aprender o movimento de seis peças, o valor mais baixo do qual, o contador, tem os movimentos mais complicados. Então, ele deve aprender as regras de ataque e defesa do rei, como o Roque.

Você também deve aprender algumas regras sobre jogos onde nenhum jogador ganha. Um aspecto do mito é verdadeiro: é difícil, muito difícil, muito difícil, muito difícil, muito difícil, muito difícil, muito difícil, aprender a jogar xadrez corretamente. Um em cada cem jogadores assume o controlo.

O xadrez tem milhares de anos

Os antecessores do xadrez directo podem ser datados em segurança por volta de 600 AD. Isso daria ao jogo 1400 anos, e se ele ainda sobrevive 100 anos, ele poderia ser arredondado para 2000, por isso podemos dizer que o jogo é “milhares de anos de idade”.

Os fracassos como os conhecemos, com os movimentos modernos da Rainha e do Bispo, podem certamente ser uma data do final do século XV, quando Cristóvão Colombo descobriu a América. O jogo de xadrez moderno é, portanto, um pouco mais de 500 anos de idade.

O xadrez é uma perda de tempo

Não é bem um mito, é melhor ser julgado como uma opinião. Claro que o xadrez é “apenas um jogo”. No entanto, ao contrário de muitos jogos, o xadrez contém elementos de lógica e arte. E se a lógica e a arte são uma perda de tempo, então o xadrez também é uma perda de tempo.

Na sociedade moderna, tudo o que não está relacionado com o desenvolvimento económico parece ser, para alguns, uma perda de tempo. Para estas pessoas, as falhas são certamente uma perda de tempo. Que assim seja! Todos são livres para escolher seus próprios prazeres na vida.

Você tem que ser esperto para jogar xadrez

Existe uma certa relação entre as habilidades de xadrez e a inteligência em geral, mas é necessário um mínimo de inteligência. Cães e gatos nunca vão aprender o básico, e ninguém nunca tentou ensinar golfinhos e chimpanzés.

Falha significa, em última análise, o uso mais eficaz de vários compartimentos avançados do cérebro. Pessoas de todos os tipos de xadrez, muitos alcançam a maestria. Algumas pessoas muito inteligentes gostam de jogar xadrez, mas nunca chegam ao nível de principiante.

O xadrez é para nerds

Na verdade, não é um mito, porque o xadrez é para todos. O xadrez é para nerds, nerds, nerds, nerds, nerds, nerds, skulls, ratos de laboratório, como é para todos. Aqueles que dizem que “os fracassos são apenas para nerds” o fazem numa tentativa de insultar os outros, mas isso é totalmente falso.

E mesmo que isso fosse verdade, o que seria? Pessoas inteligentes, estranhas e estranhas têm contribuído mais do que outros para o progresso da humanidade. Se querem jogar xadrez, esse é o problema deles.

O xadrez foi resolvido por computadores

Os computadores fizeram progressos impressionantes e estão a fazer progressos na abertura e no final do xadrez. A teoria de abertura vai além das 10-15 partes das aberturas populares, as extremidades de até 5 peças (incluindo os dois reis) são perfeitamente resolvidas por enormes bases de dados, e as extremidades de seis peças ainda têm seus segredos.

Os computadores, por outro lado, fizeram muito pouco progresso na descoberta da complexidade que existe entre a abertura e o encerramento do jogo. O xadrez não é um jogo fácil.

Os Maiores Mitos Sobre Xadrez
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente