Pitágoras (570 – 496 a.C.) [Filosofia]

0
155

Pitágoras (em grego antigo: Πυθαγόρας, Pitágoras; Samos, entre 580 AC e 570 AC – Metapontum, cerca de 496 AC) foi um antigo filósofo grego. Foi matemático, curandeiro, astrônomo, cientista, político e fundador em Crotone de uma das mais importantes escolas de pensamento da humanidade, que tomou de si mesmo seu nome: a Escola Pitágoras.

Ele é lembrado como o fundador histórico da escola nomeado após ele, em que ele desenvolveu um monte de conhecimento, especialmente matemática e suas aplicações como o famoso teorema de Pitágoras. Seu pensamento teve enorme importância para o desenvolvimento da ciência ocidental, porque ele foi o primeiro a compreender a eficácia da matemática na descrição do mundo. Suas doutrinas marcariam o nascimento de uma reflexão baseada no amor pelo conhecimento.

Pitágoras foi uma vez referido como o autor do termo “filosofia” (φιλοσοφία) entendido como “amor à sabedoria”. A história da filosofia remonta a fontes como Heraclid Ponticus, Cícero (no Tuscolanas) e Diógenes Laércio (nas Vidas e doutrinas dos filósofos mais famosos).

Autores modernos como Walter Burkert e Christoph Riedweg questionaram esta antiga tradição. Riedweg apontou como entender modestamente o filósofo como alguém que ama (φιλέω) a sabedoria (σοφία) mas não a possui porque apenas os deuses são verdadeiramente sábios, querendo dizer que com uma aparente “definição humilde de filosofia”, o filósofo pretendia “alcançar algo inatingível”: a sabedoria divina.

Esta interpretação do termo “filosofia” não corresponde ao significado das doutrinas dos pré-socráticos onde o interesse fundamental era o conhecimento da natureza, excluindo qualquer outra consideração transcendente para a qual esse significado parece ser mais apropriado à doutrina platônica.

Num fragmento que remonta a Heráclito, então, o termo “filosofia” já estaria indicado, mesmo antes em Pitágoras, e assim também numa obra anterior de Heródoto que, no entanto, para uso normal, isso não está em seu significado específico, que ele faz dela em suas Histórias torna difícil pensar que essa palavra nasceu nos anos vinte do século V, quando sua obra foi provavelmente publicada.

Finalmente, esta atribuição de modéstia que se encontraria no significado do filósofo que “ama a filosofia mas não lhe pertence” não seria consistente com o carácter de Pitágoras que orgulhosamente se apresentava como um líder religioso com uma personalidade carismática.

A figura histórica de Pitágoras, mencionada por escritores de seu tempo ou pouco depois como Xenófanes, Heráclito, Heródoto, Heródoto, parece estar comprovada mas sua aparência de filósofo se confunde porque se mistura com a lenda narrada nas muitas Vidas de Pitágoras, composta no período de neoplatonismo tardio e neopitagorismo, em que o filósofo é apresentado como o filho do deus Apolo. Segundo a lenda, o nome etimologicamente remete a uma palavra que significa “anunciador do Pizio”, ou seja, do deus Apolo (Πυθαγόρας – Pitágoras), composta por Πύθιος (Pýthios, epíteto de Apolo) e agora (ἀγορά – “piazza”); outras fontes identificam o primeiro elemento com pèithō (πείθω – “persuadir”), depois “aquele que persuade a praça”, “aquele que fala na praça”, “orador da praça”.

Vieram considerá-lo profeta, curandeiro, mago e atribuir-lhe verdadeiros e próprios milagres. Sobretudo em Jamblicus e nos neoplatonistas, esta imagem sobrenatural do filósofo é construída como um mito de religiosidade pagã, talvez em oposição ao cristianismo desenfreado e à figura de Cristo.

É quase impossível distinguir, no conjunto de doutrinas e fragmentos que nos chegaram, não só o que pertence ao pensamento de Pitágoras, mas nem sequer, apesar das tentativas de John Burnet de separar o pensamento do primeiro pitagorismo do seguinte.

Mesmo Aristóteles, que podemos considerar o primeiro historiador da filosofia, na evidente dificuldade de identificar a doutrina do mestre, fala genericamente de “os chamados pitagóricos”.

A vida de Pitágoras é pouco conhecida e a maior parte da evidência que lhe diz respeito é de tempos posteriores. Alguns autores antigos ou seus contemporâneos como Xenofanes, Heráclito e Heródoto deram tal evidência para sugerir a existência histórica de Pitágoras, mesmo que seja parte da tradição lendária.

Segundo estas fontes, Pitágoras nasceu na primeira metade do século VI a.C. na ilha de Samos, onde foi aluno de Ferecidas e Anaximandro sob influência do seu pensamento. De acordo com algumas reconstruções, o pai poderia ter sido um cidadão rico chamado Mnesarco, este estando em Delfos queria perguntar à Pizia explicações sobre o seu futuro e a sacerdotisa predisse o nascimento de um filho útil à humanidade e sábio. Segundo outras fontes, Pitágoras não nasceu na Grécia, mas na cidade homônima de Samos na Calábria, depois de se mudar com a família de mercadores ricos, e depois mudou-se daqui para Crotone.

Atribuível às lendas sobre a vida de Pitágoras é o seu casamento com Teano, do qual teria tido três filhos: dois homens, Arimnesto e Telégrafo, e uma mulher, Damo.

De Samos, Pitágoras mudou-se para Magna Graecia. Em Crotone, por volta de 530 a.C., fundou a Escola de Pitágoras. Segundo Russell, a transferência de Pitágoras deveu-se a causas políticas porque o filósofo não aprovou a tirania de Policratos. De suas viagens ao Egito e à Babilônia, narradas pela tradição dossográfica, não há fontes seguras; são consideradas, pelo menos em parte, lendárias.

Os relatos dos biógrafos sobre sua morte não coincidem: desde que uma revolta dos democratas contra o aristocrático partido pitagórico se desencadeou, a casa onde se reuniram os expoentes mais importantes da seita foi incendiada. Arquipo e Liside, que se refugiaram em Tebas, foram salvos. De acordo com uma versão, Pitágoras tinha-se retirado para Metapontum antes da revolta, onde morreu. De acordo com outros, pelo contrário, por acaso ele estava ausente da reunião na casa queimada e assim ele conseguiu salvar-se fugindo primeiro para Locri, depois para Taranto e de lá para Metaponto onde morreu. A este respeito escreveu Porphyry (232-305 A.D.):

“Diz-se que Pitágoras encontrou a morte na comunidade de Metapontum, depois de ter-se refugiado no pequeno templo dedicado às Musas, onde permaneceu quarenta dias sem o necessário para viver. Outros autores afirmam que os seus amigos, no fogo da casa onde estavam reunidos, atiraram-se para as chamas que abriam uma saída para o mestre, formando com os seus corpos uma espécie de ponte sobre o fogo. Tendo escapado do fogo, Pitágoras, dizem-nos ainda, morreu pela dor de ter sido privado dos seus amigos.

Quase certamente Pitágoras não deixou nada escrito e as obras Três Livros e Versos Dourados são atribuídas a autores desconhecidos, que as escreveram na era cristã ou pouco antes.

Giamblico, fundador de uma escola neoplatônica em Apamea, na Síria, atesta que os primeiros livros de conteúdo pitagórico publicados foram obra de Filolau.

Uma versão da morte de Pitágoras está ligada à idiossincrasia do filósofo e da sua Escola de Favas, que os pitagóricos tinham o cuidado de não comer, evitando também o simples contato. Segundo a lenda, o próprio Pitágoras, fugindo dos esgrimistas de Cilão de Croton, preferiu ser alcançado e morto em vez de se salvar num campo de favas.

Há duas interpretações da proibição de comer favas. Gerald Hart, segundo a qual o favismo era uma doença generalizada na área de Crotone e isso daria à proibição uma razão profilática de saúde. Então Pitágoras viveu em zonas de favorecimento difuso, e disto nasceu a sua proibição higiênica; mas por que os médicos gregos não tinham identificado esta patologia? Na experiência diária, as favas eram uma pedra angular da dieta que, no máximo, causava flatulência e insônia e se alguém que ao mesmo tempo tivesse comido favas adoecia, os dois fatos não estavam relacionados. Se, portanto, Pitágoras se abstiver de comer favas faz dele até um preceito moral, é porque os gregos do século VI a.C. tinham uma maneira diferente da nossa de considerar as doenças no sentido em que se referiam à religião pelo que, como dizia Claude Lévi-Strauss, as favas eram consideradas ligadas ao mundo da morte, decomposição e impureza, do qual o filósofo deve manter-se afastado.

Pitágoras é tradicionalmente considerado o iniciador do vegetarianismo no Ocidente graças a alguns versículos das Metamorfoses de Ovídio, que o descrevem como o primeiro dos antigos a lançar-se contra o hábito de comer animais, considerado pelo filósofo como uma causa inútil de massacres, dado que a terra oferece plantas e frutos suficientes para se alimentar sem derramamento de sangue; Ovídio liga o vegetarianismo de Pitágoras à crença na metempsicose, segundo a qual nos animais há uma alma não diferente da dos seres humanos.

Diógenes Laércio também afirma que Pitágoras costumava comer pão e mel de manhã e vegetais crus à noite; além disso, implorou aos pescadores que devolvessem ao mar o que tinham acabado de capturar.

Embora pareça que Pitágoras não tenha deixado nenhum escrito, os seus discípulos atribuíram-lhe uma extensa doutrina, mesmo escrevendo obras em seu nome.

Poucos são os elementos certos da doutrina pitagórica, entre eles a metempsicose. Além de Dicearchus – dois séculos depois de Pitágoras – Aristóteles fala dele como um “mito” pitagórico. Platão refere-se várias vezes à doutrina da transmigração das almas, mas nunca a Pitágoras; pelo contrário, cita os pitagóricos como Filolaus. Diogenes Laercio relata (atribuindo-o a Xenofanes) um episódio em que Pitágoras defendeu um cão do seu dono porque tinha reconhecido no animal a alma de um amigo seu desaparecido.

Derivado do orfismo, na doutrina pitagórica há um aspecto religioso, relacionado com a transmigração das almas que, por culpa original, foram forçadas a encarnar em corpos humanos ou bestiais até a purificação final para purificar-se.

A novidade do pensamento de Pitágoras em relação ao orfismo é representada pela consideração do conhecimento como um instrumento de purificação no sentido de que a ignorância é considerada uma culpa da qual se liberta com conhecimento. Esta particularidade da doutrina é considerada pelos estudiosos que certamente provêm de Pitágoras, que tradicionalmente se define, a partir de Heráclito, como polimatos (estudiosos) que “…praticavam a pesquisa mais do que todos os outros homens”, ainda que fosse uma sabedoria fraudulenta (kakotechnie). Heráclito não especifica qual era o conteúdo dessa sabedoria. O pórfiro, referindo-se à referida Investigação, fala de Pitágoras como aluno de Aristóteles menciona, embora dois séculos após a morte do filósofo, os principais aspectos da sua filosofia: a imortalidade da alma, a sua transmigração entre várias espécies animais num ciclo de renascimentos, para que todos os seres vivos sejam reconhecidos como pertencentes a uma única espécie. O pórfiro não menciona nenhum interesse de Pitágoras na matemática, insistindo no problema da alma. Isto levou a pensar que Porfírio e Giamblico (outra fonte tardia de pitagorismo) pertenciam à escola platônica, determinando um tipo de sincretismo entre a doutrina pitagórica e platônica, uma “platonização do pitagorismo”.

Segundo os últimos testemunhos de Giamblico e Porfirio na escola pitagórica, havia uma distinção entre os discípulos, segundo o seu interesse por conteúdos “científicos” ou místico-religiosos, em “Matemática” (matemática, ciência) e “Acústica” (akousma, chamado oral). Após a morte de Pitágoras, surgia uma disputa entre as duas facções que atribuíam o patrimônio filosófico do professor[45]. Os primeiros tentaram renovar o pitagorismo referindo-se a uma suposta doutrina secreta de Pitágoras, da qual eram considerados os repositórios privilegiados. Os ” matemáticos ” afirmavam que Pitágoras tinha ensinado publicamente os anciãos, encarregados da direção política da polis[46], sem prestar muita atenção ao aspecto rigoroso do seu ensino. Por outro lado, teria reservado aos jovens discípulos o seu ensinamento baseado na matemática. Esta tradição de divisão entre os dois grupos de discípulos foi considerada pouco fiável e historicamente infundada, embora útil para evidenciar os aspectos místicos da doutrina de Pitágoras: o ensino praticado atrás de uma tenda dava um aspecto oracular à sua palavra para os alunos, uma simples acústica, ouvintes obrigados a seguir as lições em silêncio.

É quase certo que o ensinamento pitagórico tinha um aspecto místico-religioso constituído por uma adução dogmática, segundo o conhecido lema da escola “αὐτὸς ἔφα” ou “ipse dixit” (dizia ele) e um conteúdo que se referia a opostos e números (como princípios cosmológicos), para ser entendido, entretanto, como vários autores (entre eles Édouard Schuré e René Guénon) têm observado em um sentido não apenas quantitativo, mas também qualitativo e simbólico.

Em relação às elaborações científicas atribuídas a Pitágoras, os historiadores da filosofia não são capazes de ter certeza.

As doutrinas astronómicas foram certamente desenvolvidas pelos seus discípulos na segunda metade do século V AC.

O teorema pelo qual o filósofo é famoso já era conhecido dos antigos babilônios, mas alguns testemunhos, incluindo Proclus, relatam que Pitágoras teria adivinhado a validade. Este “teorema” está inserido na proposição 47 do Livro I dos Elementos de Euclides. A atribuição do dito “teorema” a Pitágoras deve-se, no entanto, exclusivamente ao comentário de Proclus que, por sua vez, se referiu ao testemunho de um obscuro Apolódoro que afirmou que Pitágoras, após a descoberta do teorema, sacrificaria um boi. Embora seja provável que o “ensaio” de Samus estivesse interessado em argumentos matemáticos e filosofia da natureza, deve-se lembrar que “até e incluindo Platão e Aristóteles, não há sombra de evidência direta que permita que Pitágoras seja qualificada como filósofo da natureza ou como matemático”.

Por outro lado, Pitágoras foi responsável por ter indicado a harmonia como a substância primordial (archè), determinada pela relação entre números e notas musicais, da qual deriva a invenção da escala musical. Pitágoras teria traduzido experimentalmente a sua intuição construindo uma monocorde: esticou uma corda entre duas pontes e obteve a oitava colocando uma barra exatamente no meio da corda (1:2). Em seguida, ele colocou outra em 2/3 do comprimento da corda, estabelecendo assim o intervalo de 5ª. Ao colocar outra barra em 3/4 ele encontrou o intervalo de 4ª. A distância, em termos de altura, entre o 4 º e o 5 º chamado de tom. A escala musical baseada nestes intervalos, que na Idade Média era atribuída ao próprio Pitágoras, tinha uma importância teórica particular, para além da prática musical: Platão, no diálogo Timóteo, descreveu-o como o fundamento numérico da alma do mundo.

Platão herdou de Pitágoras a ideia da importância da matemática como linguagem para descrever o mundo, mantendo-o dentro do contexto metafísico mas limpando-o da pesada bagagem mística em que estava imerso. A astronomia da escola pitagórica, que continua na visão do cosmos de Platão, será destinada a tornar-se um modelo de ciência, que, através de Copérnico, será a base da ciência moderna. A influência do projeto pitagórico-platônico é explícita nos cientistas da revolução científica moderna, como Galileu e Kepler.

Plutarco relata que Platão, como um homem velho, mudou de ideia sobre o geocentrismo relatado no Tomilho, tudo para demonstrar como a teoria do fogo no centro do universo poderia ter sido aceita na Academia Platônica.

Pitágoras (570 – 496 a.C.) [Filosofia]
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente