Resumo do Filme Matrix [Filosofia]

0
161

No clássico filme Matrix (Andy e Larry Wachowski, 1999) Keanu Reeves interpreta um programador de computador que leva uma vida de duplo hacker chamado “Neo”. Depois de receber mensagens crípticas na tela de seu computador, Neo começou a procurar o esquivo Morpheus (Laurence Fishburn), líder de um grupo de resistência clandestino, que ele disse ser responsável pelas mensagens. Finalmente, Neo encontra Morpheus, e é dito que a realidade é realmente muito diferente do que ele e a maioria das outras pessoas percebem.

Morpheus diz a Neo que a existência humana é apenas uma fachada. Na realidade, as pessoas são “cultivadas” como fonte de energia por uma raça de máquinas sensíveis e malignas. De fato, as pessoas vivem toda a sua vida em casulos, alimentando os seus cérebros com estímulos sensoriais que lhes dão a ilusão de viver uma vida “comum”. Morpheus explica que a “realidade” que Neo tem observado até agora é na verdade “um mundo de sonho gerado por computador… uma simulação neural interativa”, que é chamada de matriz, ou matrix.

A Matrix é baseada em uma questão filosófica do filósofo e matemático francês do século XVII René Descartes. Uma das propostas mais importantes de Descartes era a autonomia intelectual, ou seja, a capacidade de pensar por si mesmo. Para Descartes, isto significa não só um “bom espírito”, mas também uma “boa aplicação”.

Descartes sabia que suas experiências sensoriais nem sempre correspondiam à realidade e utilizou o argumento da cera para mostrar como os sentidos não são confiáveis: os sentidos nos informam que uma peça era uma forma específica, textura, cheiro, etc. Mas estas características mudam rapidamente quando a cera se aproxima de uma chama.

Tudo o que aceitamos até agora como sendo absolutamente verdadeiro e certo, aprendemos com os sentidos ou através dos sentidos. Então o que eu pensava ter visto com os meus olhos, na verdade eu só entendia com a habilidade de julgar, o que estava na minha cabeça.

Descartes estava, portanto, desconfiado de suas observações, do conhecimento que tinha adquirido através de seus sentidos e de todas as suas próprias crenças. Ele se convenceu de que era necessário usar sua mente, e não seus sentidos, para obter informações sobre o mundo. No sistema de conhecimento construído por Descartes, a percepção não é um meio confiável de coletar informações, e o processo mental de dedução é a única maneira de obter um conhecimento real do mundo.

Em Meditações de Primeira Filosofia, publicadas em 1641, ele leva esta ideia ao extremo e conclui que talvez todas as suas experiências sejam evocadas por este demônio maligno:

“Sempre acreditei firmemente na existência de um Deus Todo-Poderoso que me fez o tipo de criatura que sou. Como posso saber que Ele não se certificou de que não havia terra, nem ar, nem imensidão, nem forma, nem tamanho, nem lugar, enquanto ao mesmo tempo fazia com que todas essas coisas se parecessem como são hoje? Além disso, assim como eu acho que outros às vezes se perdem em casos em que eles acham que têm o conhecimento mais perfeito, como eu sei que Deus não me fez errado toda vez que eu adiciono dois e três ou conto os lados de um quadrado, ou em alguns casos ainda mais simples, se isso é possível? Mas já que se diz que ele é muito bom…suponho que… que um demônio malicioso da maior força e astúcia usou todas as suas energias para me enganar. Pensarei que ar, vento, terra, cores, formas, sons e todas as coisas externas são apenas as ilusões dos sonhos que ele imaginou para conquistar o meu julgamento.

Descartes, portanto, abordou todo o conhecimento, incluindo o seu próprio, de um ponto de vista muito céptico. Apesar do seu cepticismo, Descartes, era certo que você não poderia estar errado sobre a sua própria existência, daí a sua famosa frase cogito ergo sum (! Eu acho, é por isso que eu sou isso”). Descartes queria dizer com isso que a única coisa que ele não duvidava era de sua própria existência, porque o ato de pensar e duvidar da realidade de suas observações era a confirmação de sua existência. Ao dizer “acho que estou”, ele definiu “verdade” em termos de dúvida.

O argumento de Descartes é epistemológico. Questiona a natureza, os limites e a validade do conhecimento humano. Em vez de investigar a natureza da realidade, Descartes questiona seu próprio conhecimento e interpretação da realidade. Usando o ceticismo metodológico, Descartes questionou tudo o que poderia ser questionado a fim de criar uma base para o verdadeiro conhecimento. Em termos de epistemologia, muito do que aprendemos é suficiente para explicar o mundo, mas não há verdade “absoluta”.

O cérebro de um vaso, embora seja apenas uma repetição do argumento de Descartes, está mais diretamente relacionado à Matrix. No filme, as nacelas em que as pessoas passam a vida formam o recipiente. A única diferença é que as vagens contêm todo o corpo, não apenas um cérebro imaterial.

Na teoria, os computadores poderiam imitar a realidade se os estímulos sensoriais correspondentes à experiência humana pudessem ser determinados e “executados” como um programa de computador, que poderia “andar” em um tipo de implante de cérebro avançado. Na prática, no entanto, mesmo se os cálculos exatos necessários para gerar um fluxo constante simulado de consciência foram estabelecidos, nenhum computador no mundo é poderoso o suficiente para realizar os cálculos necessários. O supercomputador mais poderoso do mundo não é poderoso o suficiente para processar a informação visual que entra no olho de uma mosca da fruta por um período de um segundo, muito menos para gerar o fluxo de consciência de um ser humano (No entanto, alguns argumentariam que com a aceleração da velocidade de processamento e avanços na computação quântica, os computadores podem ter o poder de simular a consciência humana no futuro próximo).

A ideia de Descartes de que todas as nossas observações são falsas à primeira vista parece ridícula, mas é de fato impossível provar o contrário. Descartes tinha razão em desconfiar dos seus sentidos. As ilusões de ótica são um bom exemplo de estímulos sensoriais que causam uma lacuna entre o que vemos e o que experimentamos, e há muitos outros exemplos, como as perturbações psiquiátricas em que as alucinações visuais ou auditivas são sintomas. No caso das ilusões de ótica, estamos cientes da lacuna, mas não questionamos os nossos sentidos. Para Descartes, mesmo a hipótese mais fundamental da realidade era questionável.

Mesmo que não olhemos para as ilusões de ótica e percebamos o mundo como deveríamos, somos sempre enganados pelos nossos sentidos. Em termos neurobiológicos, “realidade” é pouco mais do que um modelo de representação do mundo, uma construção gerada por múltiplos circuitos neurais paralelos. Este modelo é baseado em experiências sensoriais que o cérebro recebe através dos sentidos e que só podem detectar a menor gama de estímulos. Por exemplo, o olho humano é sensível à radiação eletromagnética em um comprimento de onda de cerca de 400-750 nm (nanômetro, bilionésimo de metro), uma parte infinitamente pequena de todo o espectro. A este respeito, os outros sentidos não são muito diferentes.

Os habitantes das cavernas têm uma ideia da realidade a partir das sombras nas paredes. Eles podem ver a sombra de um objeto e construir uma representação mental desse objeto. Mas, segundo Platão, conhecer a forma do objeto não é suficiente para compreendê-lo plenamente, o que só pode ser alcançado através de uma experiência mais direta. Para ele, o mundo tal como o percebemos não é mais ou menos real do que as pessoas da Matriz, porque nem nós nem elas temos qualquer experiência direta com este mundo.

Para Blake, estamos errados quanto à nossa compreensão da realidade. O argumento de Platão, como o de Descartes, implica o engano de outras entidades. Enquanto Descartes acredita que seu demônio está enganando-o sobre a natureza da realidade, os habitantes das cavernas são enganados pelos misteriosos marionetistas atrás do muro. A “realidade” para os espeleólogos nada mais é do que as sombras a dançar nas paredes. Estas são apenas impressões do que está atrás do muro, mas os espeleólogos usam-nos para construir os seus modelos do mundo, porque esta é a única informação que têm.

Embora não tenhamos de ser tão cépticos como Descartes, temos de ter em mente que ele estava certo até certo ponto. Mas não há forças malignas que nos enganem sobre a natureza da realidade. São os nossos sentidos e os nossos cérebros que nos enganam, o primeiro fornecendo a informação extremamente limitada em que se baseia a nossa percepção da realidade, e o segundo utilizando essa informação para construir modelos do mundo. A verdade – acreditem ou não – é que todos nós vivemos em uma matriz, embora todos vivamos em uma matriz, mesmo que ela consista em várias centenas de bilhões de neurônios e as cerca de quatrocentos bilhões de sinapses formadas pelos neurônios.

O filme das irmãs Wachowski não é menos intrigante que alarmante e é marcado pelo tempo não só por seus efeitos especiais e cenas de combate, mas também, acima de tudo, por seu tema.

A matrix é uma distopia, uma história que se transmite num universo depressivo e totalitário onde o Homem não tem liberdade nem controle nem domínio sobre si próprio. Em seu trabalho, a humanidade está aprisionada pela simulação, mesmo que não saiba disso. Essa realidade virtual, chamada Matrix, foi criada por máquinas para controlar a população humana e absorver sua energia.

No estilo das histórias utópicas, o filme faz parte da crítica e sátira da sociedade moderna, que reforça defeitos como a lupa. Lançada em 1999, na véspera de um terrível “bug do milênio” que nunca existiu, a Matriz expressa a ansiedade e os medos da sociedade em condições de completa transformação.

Na década de 1990, as vendas de computadores nos países mais desenvolvidos aumentaram drasticamente, e o acesso à Internet tornou-se parte da vida diária de uma grande parte da população. A entrada neste novo mundo, combinada com o rápido progresso tecnológico, pôs em causa o futuro da humanidade.

No filme, as pessoas tornaram-se tão dependentes das máquinas que acabaram por subjugá-las, tornando-se simplesmente “baterias” que produzem energia para as alimentar. Pior ainda, sua alienação é tão grande que eles não percebem que vivem na prisão – a Matrix.

Resumo do Filme Matrix

Thomas A. Anderson é um homem que leva duas vidas. De dia ele é um programador de computador comum e de noite um hacker conhecido como Neo. Neo sempre questionou sua realidade, mas a verdade está além de sua imaginação. Neo se torna um alvo policial quando Morpheus, um lendário hacker de computador que é descrito como terrorista pelo governo, recorre a ele. Morpheus desperta Neo do mundo real, um deserto devastado, onde a maior parte da humanidade é capturada por uma raça de máquinas que vivem do calor do corpo e da energia eletroquímica do Homem e que mantêm suas mentes em uma realidade artificial conhecida como Matrix. Como um rebelde contra as máquinas, Neo deve voltar à Matrix e enfrentar os agentes: programas de computador super-poderosos que querem destruir Neo e toda a rebelião humana.

Morpheus é um líder na resistência humana à dominação de máquinas. Despertado há muitos anos, Morpheus conhece os truques da simulação e certamente encontrará o Número Um. Como um verdadeiro mestre, ele tenta guiar Neo por toda a história.

Trinity é uma hacker famosa que vai em busca do Neo através da Matrix. Embora os agentes a subestimem porque acham que ela parece frágil, Trinity consegue escapar e derrotá-los diversas vezes. Ela acompanha Neo em uma missão para salvar Morpheus, arriscando sua vida. Sua fé inabalável e amor inabalável pelo herói é o que faz com que ela consiga reerguê-lo no final.

O Agente Smith representa a autoridade na Matrix, seu objetivo é manter a ordem e neutralizar as ações da resistência. Como parte de um programa de computador, ele possui habilidades que o tornam um inimigo quase intransponível. Embora não seja humano, ele expressa emoções como desespero e raiva.

O Eráculo é uma mulher que parece ser de meia-idade, mas segundo Morpheus, ela resistiu “desde o início”. Seus poderes clarividentes lhe permitem adivinhar o futuro de seus companheiros, profetizando que Morpheus encontrará o Um e que a Trindade se apaixonará por ele. Quando Neo o visita, o Oráculo diz o que o herói precisa ouvir para cumprir seu destino.

Cypher é parte da resistência, mas odeia a severidade da vida real e culpa Morpheus, que lhe mostrou a verdade mesmo sabendo que ele não poderia voltar. Ele aceitou a oferta do agente Smith e traiu o líder, dando-lhe a sua posição em troca de um retorno à ignorância na Matrix.

Morpheus oferece dois comprimidos em cores diferentes a Neo: com um você vai mais longe na ilusão, com o outro você descobre a verdade.

O protagonista escolhe um comprimido vermelho e acorda em uma cápsula e descobre que a humanidade é dominada pela inteligência artificial, presa em um programa de computador e usada apenas como fonte de energia. Neo descobre que a resistência acredita que ele é o escolhido, o Messias, que libertará a humanidade da escravidão da Matriz.

Embora ele duvide de seu destino ao longo do caminho, ele aprende a contornar as regras de simulação. Ele consegue salvar o Morpheus sequestrado e derrotar o agente Smith após um duelo em que ele provou seu valor como um guerreiro e confirmou que ele era o único.

Receba nossas atualizações grátis!

Comente