Resumo – O Iluminismo – Pensadores e Características [História]

0
721

O Iluminismo, também conhecida como a Idade da Razão, foi um movimento filosófico que ocorreu principalmente na Europa e, posteriormente, na América do Norte, durante o final do século 17 e início do século 18. Seus participantes pensaram que estavam iluminando o intelecto humano e a cultura após a Idade Média “escura”. Características do Iluminismo incluem o surgimento de conceitos como razão, liberdade e método científico. A filosofia do Iluminismo era cética em relação à religião – especialmente à poderosa Igreja Católica – monarquias e aristocracia hereditária. A filosofia do iluminismo foi influente no início das revoluções e constituições francesas e americanas. 

Os historiadores discordam precisamente quando o Iluminismo começou, embora a maioria concorde que as origens do Iluminismo estão ligadas à Revolução Científica nos anos 1600. O Iluminismo culminou na Revolução Francesa (1789-1799) e foi seguido pelo período romântico.  

Figuras principais do Iluminismo incluem Voltaire, John Locke, Thomas Hobbes, David Hume, Jean-Jacques Rousseau, Adam Smith, Immanuel Kant, Isaac Newton e Thomas Jefferson. 

A Revolução Científica

As origens das ideias filosóficas que levariam ao Iluminismo começaram durante a Guerra dos Trinta Anos (1618-1648). Este foi um longo e sangrento conflito que lutou principalmente sobre religião e causou uma grande desordem social. Os homens começaram a questionar e criticar os conceitos de nacionalismo e guerra.

A Era da Exploração, na qual Colombo “descobriu” o Novo Mundo, expôs os homens a outras filosofias e culturas. E, finalmente, depois de séculos de exploração e abuso pelas monarquias e pela igreja, cidadãos comuns da Europa ficaram exasperados e começaram a escrever e falar.

Além disso, as idéias da Renascença levaram os homens a examinar o mundo tangível mais de perto, o que levou a um maior estudo científico. Esse movimento é conhecido como a Revolução Científica. 

A Revolução Científica começou com a publicação da teoria do universo heliocêntrico (centrada no Sol) de Nicolau Copérnico em 1543. As muitas descobertas da Revolução Científica incluem as três leis do movimento planetário de Johann Kepler, as teorias de movimento e inércia de Galileo Galilei e A nova visão de Tycho Brahe das estrelas e como elas funcionam. A Revolução Científica terminou com a descoberta de Isaac Newton da lei da gravitação e compreensão de um universo mecânico no final dos anos 1600.

Com cada nova descoberta científica, a compreensão judaico-cristã aceita do universo mudou. Gradualmente, os pensadores abraçaram o paradigma copernicano-newtoniano. Este paradigma sustenta que, enquanto o Deus criou o universo, a ciência o definiu, e é através da ciência que os humanos podem entendê-lo. Os intelectuais começaram a ver o universo como possivelmente infinito e cheio de movimento. Este paradigma preparou o terreno para a filosofia do Iluminismo e para o acolhimento dos pensamentos racionais da humanidade. 

Conceitos Filosóficos do Iluminismo

Durante o Iluminismo, houve mais ênfase nos métodos científicos, na secularização da aprendizagem, na tolerância religiosa, na educação universal, na liberdade individual, na razão, no progresso e na separação entre Igreja e Estado”. Alguns conceitos chave do Iluminismo são:

Razão: Os filósofos do Iluminismo acreditavam que o pensamento racional poderia levar à melhoria humana e era o modo mais legítimo de pensar. Eles viram a capacidade de raciocinar como a capacidade humana mais significativa e valiosa. A razão poderia ajudar os humanos a se libertarem da ignorância e da irracionalidade, e aprender a pensar razoavelmente poderia ensinar os humanos a agir razoavelmente também. Os filósofos do Iluminismo viam a razão como tendo um efeito equalizador na humanidade, porque os pensamentos e o comportamento de todos seriam guiados pela razão. 

Os intelectuais do Iluminismo pensavam que todos os esforços humanos deveriam visar aumentar o conhecimento e a razão, em vez de provocar respostas emocionais. Eles defenderam a educação universal e a aprendizagem secularizada

Ceticismo: Em vez de se contentar com a fé cega, os pensadores do Iluminismo queriam provar que algo era verdadeiro. Eles testaram noções populares com experiências cientificamente controladas e experiência pessoal, embora o ceticismo dos próprios sentidos fosse outro fator no pensamento iluminista, e causou enigmas filosóficos complicados, de acordo com a Enciclopédia de Filosofia de Stanford. 

Os intelectuais iluministas eram céticos quanto ao direito divino de reis e monarquias em geral, afirmações científicas sobre o mundo natural, a natureza da realidade e a doutrina religiosa. Os teólogos procuraram reformar sua fé durante o Iluminismo, mantendo uma verdadeira fé em Deus. O movimento deísta tornou-se popular durante o Iluminismo. O deísmo afirma que Deus existe, mas não intervém na Terra. O universo prossegue de acordo com leis naturais e cientificamente fundamentadas. Vários dos fundadores da América eram deístas, incluindo Thomas Jefferson. 

Tolerância religiosa: Apesar de céticos em relação às instituições religiosas, muitos pensadores do Iluminismo acreditavam que as pessoas deveriam ser livres para adorar como desejassem. Os intelectuais do Iluminismo tentaram vigorosamente restringir o poder político da religião organizada em um esforço para reduzir a eclosão de guerras religiosas intolerantes.

Liberdade: A tolerância iluminista da religião está relacionada à ênfase do movimento na liberdade pessoal. Este conceito sustenta que Deus e / ou natureza deram a todos os humanos direitos básicos e que os humanos deveriam estar livres para agir sem restrições opressivas. Esses filósofos enfatizaram que o governo não tinha autoridade sobre a consciência de um indivíduo. Os indivíduos tinham direitos, todos os homens eram iguais e o poder político legítimo é baseado no consentimento do povo e é obrigado a ser representante da vontade do povo.

Progresso: Os séculos anteriores ao Iluminismo foram caracterizados por rápidas mudanças, desde as descobertas da Revolução Científica até a exploração do mundo e o avanço da técnica artística durante o Renascimento. Em grande parte por causa disso, os pensadores do Iluminismo acreditavam que a condição humana estava melhorando com o tempo. Filósofos como David Hume e Adam Smith, ambos escoceses, ligaram os ideais do Iluminismo à política, às políticas econômicas e muito mais.

Empirismo versus racionalismo: O empirismo está associado aos filósofos do Iluminismo britânico, incluindo John Locke, George Berkeley e Hume. Os empiristas argumentaram que todo o conhecimento humano vem através dos sentidos e das experiências sensoriais. Os racionalistas, que viviam principalmente na Europa continental, argumentavam que os sentidos não eram confiáveis ​​e o conhecimento vinha da mente, através da concepção ou da intuição de ideias.  

Figuras Principais do Iluminismo

Os principais pensadores e filósofos que fizeram contribuições significativas para o Iluminismo são:

John Comenius (1592-1670), um intelectual checo que adotou a educação universal e a instrução prática. Ele foi instrumental na introdução de livros de texto pictóricos escritos no vernáculo do aluno, em vez de latim. Ele defendeu a aprendizagem ao longo da vida e o desenvolvimento do pensamento lógico em oposição à memorização mecânica. Ele queria que a educação fosse dada a mulheres e crianças pobres.  

O holandês Hugo Grotius (1583-1645), um intelectual prodigioso que lançou as bases para o direito internacional baseado no conceito de lei natural. Ele foi um dos pioneiros em apresentar a idéia de uma sociedade de estados governada não pela força e pela guerra, mas por leis e acordos mútuos para impor essas leis. Ele também abraçou a ideia de tolerância religiosa.

Os ingleses que foram influentes no Iluminismo incluem Thomas Hobbes(1588-1679) e John Locke (1632-1704). Hobbes defendia o absolutismo para o soberano, mas acreditava no direito do indivíduo e na igualdade de todos os homens. Ele afirmou que as comunidades políticas deveriam se basear em um “contrato social” significando que os indivíduos consentem, explícita ou tacitamente, em renunciar a algumas de suas liberdades e se submeter à autoridade do governante (ou à decisão da maioria) em troca da proteção do governo. seus direitos remanescentes. Locke promoveu o tipo oposto de governo, que era um governo representativo.

Os filósofos franceses levaram o Iluminismo a novos patamares. Charles-Louis de Secondat, mais conhecido como o Barão de Montesquieu (1689-1755), desenvolveu o trabalho de John Locke e adotou o conceito da separação do poder criando divisões no governo. François-Marie Arouet (1694-1778), mais conhecido como Voltaire, foi um escritor prolífico que usou sátira e críticas para incitar a mudança social e política. Ele escreveu ataques à Igreja Católica e expôs injustiças. Ele promoveu os conceitos de liberdade de religião, liberdade de expressão e separação entre igreja e estado. Seus escritos foram populares e alcançaram muitos leitores. Jean-Jacques Rousseau(1712-1778) escreveu o livro “O Contrato Social”, no qual ele defendeu uma forma de governo baseada na democracia pequena e direta, que abertamente significa a vontade da população.

Denis Diderot (1713-1784) não estava tão interessado em incitar a revolução, mas queria coletar e disseminar o conhecimento do Iluminismo. Ele embarcou em um projeto gigantesco para criar a “Enciclopédia, ou Dicionário Sistêmico das Ciências, Artes e Ofícios”. Muitos escritores contribuíram para o trabalho de 35 volumes, que foi editado por Diderot e Jean le Rond d’Alembert. A “Enciclopédia” incorporaria todo o conhecimento do mundo e o espalharia para outros países em todo o mundo.

David Hume (1711-1776), um filósofo escocês que ganhou fama como ensaísta, de acordo com a Stanford Encyclopedia of Philosophy . Ele era um empirista altamente influente que argumentava que os seres humanos eram um feixe de sensações sem verdadeiros eus (isso é chamado de Teoria dos Pacotes) e que a ética era baseada na emoção e não nos princípios morais.

Immanuel Kant (1724-1804), um filósofo alemão central no Iluminismo. Ele sintetizou o racionalismo e o empirismo através de suas teorias sobre a autonomia humana e preparou o terreno para movimentos filosóficos posteriores.

Adam Smith (1723-1790), amigo íntimo de Hume, foi um filósofo e economista escocês famoso por sua teoria da “mão invisível do mercado”. Seu livro “A riqueza das nações” lançou as bases para a economia de livre mercado. 

Isaac Newton (1642-1727) foi um matemático e físico inglês que lançou as bases da mecânica clássica e do cálculo. Newton desenvolveu as leis do movimento e da gravitação universal, o que levou a melhorias na compreensão do universo heliocêntrico copernicano.

Thomas Jefferson (1743-1826), um fundador americano, foi fortemente influenciado pela filosofia do Iluminismo e passou vários anos na França. Ele escreveu a Declaração da Independência, que enfatizava idéias iluministas como liberdade, direitos humanos fundamentais e igualdade (embora não para escravos).

Iluminismo e Ciência

O Iluminismo e a Revolução Científica viram uma vasta expansão em nosso conhecimento sobre o mundo e na precisão deste conhecimento. Parte disso se deveu ao desenvolvimento do que poderíamos considerar o método científico moderno. Embora outros tivessem postulado variações no método científico, Newton lançou as bases para o método que conhecemos hoje.

Graças ao aumento da alfabetização e à queda do custo dos livros, os meios de espalhar os resultados dos experimentos científicos melhoraram, assim como a disposição dos pensadores e cientistas de discuti-los e adotá-los.

Resumo – O Iluminismo – Pensadores e Características [História]
5 (100%) 1 voto

Receba nossas atualizações grátis!

Comente