Roque: Roque Grande e Roque Pequeno [Xadrez]

0
75

Muitos de nós muitas vezes usamos um tabuleiro de xadrez com um amigo ou nos divertimos com um jogo Magnus, enquanto outros têm dedicado suas vidas para aperfeiçoar o jogo, mas quantas vezes nós pensamos sobre as origens do jogo de xadrez, qualquer que seja a nossa relação com o xadrez?

Índice

O Berço do Xadrez

Embora a primeira criação do certificado de xadrez não tenha sido registrada, os historiadores fizeram todos os esforços para determinar o local de nascimento do certificado. O cenário mais aceito é que o jogo de xadrez desenvolvido na Índia em torno de 600 AD.

Há rumores de que o governante do império Gupta na Índia naquela época pediu aos seus sábios que desenvolvessem um jogo que ensinasse os seus filhos a tornarem-se generais capazes no futuro com pensamento estratégico. A seu pedido, o jogo Chatarunga, que em sânscrito significa “quatro divisões”, foi introduzido na Índia. As quatro divisões representavam infantaria, cavalaria, elefantes e carros; os precursores dos peões, cavaleiros, bispos e torres que hoje conhecemos.

Sassanid Persia, então um vizinho próximo da Índia, foi introduzido pela primeira vez no jogo de xadrez por Raja Hind da Índia, como descrito no Shahnama, o “Livro dos Reis”. A cultura persa teve uma grande influência no desenvolvimento do jogo e o nome do jogo mudou para Chatrang.

Várias outras alterações de nome e frase foram introduzidas, mais comumente conhecidas como “Shāh”. (em persa significa “Rei”), que se tornou “cheque”, e “Shāh māt!”. (Persa para ‘o rei está pronto!’), o antepassado do ‘xeque-mate’. Após a conquista islâmica da Pérsia, o nome Shatranj tornou-se árabe, e foi trazido para a Europa pelos árabes no século 10 AD.

No ano 1000, o jogo de xadrez tinha-se espalhado por toda a Europa. Durante os 500 anos seguintes, o jogo de xadrez continuou a ser muito semelhante ao jogo de xadrez indo-arábico original. Além das traduções e mudanças de nome nos diferentes países, as regras mantiveram-se fiéis à sua origem.

Com o início da era da curiosidade, da experimentação e do esclarecimento com o Renascimento, as regras do xadrez começaram a se desenvolver junto com a cultura e a ciência. Parte da intenção de modernizar as regras era acelerar o ritmo do jogo, trazendo as peças antes da batalha.

Novas Regras, Novo Jogo

As novas regras permitiam que o rei saltasse uma vez, permitindo que o quartel-general chegasse mais cedo à segurança da curva. Esta regra mais tarde tornou-se uma rokade. No jogo de xadrez indo-arábico, a rainha era chamada de conselheira, e o movimento da peça era ainda mais limitado do que o do rei. O guia só podia dar um passo numa direção diagonal.

Devido ao desenvolvimento europeu do jogo, a peça foi renomeada rainha, tornando possível promover peões chegando ao outro lado do tabuleiro, e tão drasticamente quanto possível, o movimento da rainha mudou nas regras que usamos hoje. Outra alteração permitiu que os peões avançassem dois espaços na primeira instância, permitindo a introdução da regra do passo.

Estas novas regras mudaram drasticamente a natureza do jogo de xadrez. O jogo evoluiu de um simulador de guerra lenta para um esporte em movimento rápido. As aberturas de cada jogo foram rápidas e cheias de táticas e ataques ferozes.

Outro aspecto controverso que se desenvolveu foi o número crescente de jogos que resultaram em sorteios. O jogo de xadrez indo-arábico foi ganho de três maneiras diferentes: acasalar o rei, dar um empate ou capturar todas as peças inimigas. Como resultado, a maioria dos jogos pode terminar com um vencedor ou perdedor claro.

A nova versão europeia do jogo de xadrez só pode ser ganha se o rei acasalar ou rejeitar o adversário. Essas condições de vitória aumentaram a probabilidade de vínculos e a necessidade e viabilidade de estratégias e táticas específicas que pudessem ser estudadas e compartilhadas.

O xadrez não só desenvolveu um novo ramo na Europa. A Rota da Seda tornou possível que o xadrez se tornasse popular na Ásia Oriental, especialmente na China e no Japão. Do Oriente Médio ao Extremo Oriente, as regras encontraram sua própria rota, que se tornou o jogo Xiangqi na China e Shogi no Japão. Com regras claras, tais como colocar peças em linhas em vez de quadrados internos, e espaço limitado para movimento geral (equivalente ao do rei), Xiangqi tem mantido a sua própria popularidade ao longo dos anos e ainda hoje é jogado. Também a variante de xadrez Shogi no Japão nem sempre foi muito popular, porque as peças capturadas podiam ser devolvidas ao tabuleiro para lutar pelo adversário.

Xadrez Moderno

Como a popularidade do xadrez aumentou e evoluiu para jogos mais rápidos com o desenvolvimento de novas regras, o jogo profissional foi introduzido. O primeiro torneio teve lugar em Londres em 1851, com o Campeonato do Mundo em 1886. Em mais de meio século entre o primeiro Campeonato do Mundo e 1940, o título de Campeão do Mundo foi jogado por apenas cinco jogadores diferentes. Durante 27 anos, o título esteve nas mãos do matemático alemão Emanuel Lasker, que ainda detém o recorde por mais tempo como campeão mundial.

No século XX, o estilo de xadrez evoluiu fortemente à medida que as estratégias e táticas foram sendo modernizadas. O estilo de jogo mais agressivo do jogador cubano José Raúl Capablanca ganhou o título de Lasker em 1921, e o objetivo comum de controlar o centro do tabuleiro se desenvolveu no período entre as guerras mundiais.

Alguns acreditam que os primeiros títulos de grande mestre foram inicialmente concedidos pelo czar Nicolau II da Rússia, mas com a criação da FIDE (Federação Mundial de Xadrez) em 1924, veio o início oficial desta tradição. Após a morte do campeão mundial Alexander Alekhine em 1946, um campeonato mundial foi realizado em 1948 para determinar um novo titular.

A vitória de Mikhail Botvinnik marcou o início de um período de domínio do xadrez soviético até o americano Bobby Fischer se tornar campeão mundial em 1972. Após uma disputa com a FIDE, Fischer negligenciou o título de campeão mundial para Anatoly Karpov em 1975, que governou até 1985, quando foi derrotado por Garry Kasparov. Os dois continuariam a lutar pelo título durante décadas, com Kasparov a finalmente perder o título para Karpov quando deixou a FIDE em 1993.

Nos anos seguintes, a competição voltou mais equilibrada internacionalmente, com jogadores de diferentes nacionalidades, como Viswanathan Anand da Índia, Ponomariov da Ucrânia, Rustam Kasimdzhanov do Uzbequistão e Veselin Topalov da Bulgária.

O atual campeão mundial, Magnus Carlsen, conquistou o título depois de derrotar Anand em 2013 e se tornou o melhor jogador de xadrez da história em 2014. O próximo Campeonato do Mundo de Xadrez será dominado pelo formidável Magnus Carlsen contra Sergey Karjakin, o detentor do recorde do mais jovem grande mestre do mundo.

As Regras do Xadrez

O xadrez é um dos mais antigos e populares jogos de tabuleiro do mundo. A maioria das pessoas acredita que as origens do xadrez começaram há milhares de anos na Índia ou na Ásia. Enquanto os jogos de xadrez às vezes se tornaram obras de arte e decorações imaginativas que trazem elegância à maioria das casas, o xadrez dura principalmente como um jogo clássico de habilidade e estratégia, com combinações e possibilidades quase ilimitadas. O xadrez é surpreendentemente fácil de aprender, mas por vezes é preciso uma vida inteira de trabalho árduo para o dominar!

Peças de Xadrez

O Rei

O rei é a peça de xadrez mais importante do tabuleiro. Se estiver bloqueado (ver objetivos, abaixo) o jogo termina!

O rei pode mover um quadrado em cada direção (ver diagrama). Ele nunca pode entrar para “checar” (onde é ameaçado por outro pedaço). Isto significa que o rei nunca poderá ficar na caixa ao lado do adversário.

O rei também pode construir um castelo. Contrabando” é descrito na seção sobre movimentos especiais abaixo.

A Rainha

A rainha é frequentemente considerada como a peça de xadrez mais poderosa do tabuleiro. É colocado ao lado do rei, na sua própria cor. O jogo ainda não terminou se estiver perdido, mas se o teu adversário tiver uma rainha e tu não tiveres uma, podes estar em desvantagem significativa!

Como o rei, a rainha pode mover-se em qualquer direção. No entanto, não está limitado a um único quadrado – pode mover qualquer número de quadrados em qualquer direção, desde que não seja impedido por qualquer outra peça (ver diagrama).

O Bispo

Há dois bispos para cada jogador no tabuleiro, ao lado da rainha e do rei respectivamente. Estas peças de xadrez movem-se ao longo das diagonais do tabuleiro de xadrez. Você pode ver que isso significa que o bispo está preso ao quadrado de cor no qual ele começa. Um Bispo começa num quadrado branco, e um Bispo começa num quadrado preto. Podem mover qualquer número de casas nas diagonais, desde que não sejam incomodadas por outra peça de xadrez (ver figura). Claro que, se esta obstrução for uma peça de xadrez oposta, eles são livres de a capturar!

O Cavaleiro

No tabuleiro entre o bispo e a torre, entre o bispo e a torre, há dois cavaleiros para cada jogador. Estas peças de xadrez têm a característica única de serem capazes de ‘saltar’ sobre outras peças de xadrez. Eles se movem na forma de um “L” (ver diagrama). Se se encontrarem numa peça adversária, são capturados.

A Torre

No tabuleiro, que está nos cantos ao lado do cavaleiro, ao lado do cavaleiro, há duas voltas para cada jogador. Estas peças de xadrez movem-se para cima e para baixo na fila do tabuleiro e podem mover qualquer número de casas, desde que não sejam obstruídas por nenhuma outra peça (ver figura). Se a peça de xadrez bloqueadora do adversário for dele, ele é livre para a capturar.

O Peão

Cada jogador tem oito contadores, que formam a primeira linha de defesa do seu rei. O contador tem várias características únicas. Na sua primeira jogada, cada contador tem a possibilidade de avançar um ou dois quadrados. Depois deste movimento, só podem avançar um espaço. No entanto, eles também são a única peça de xadrez que captura de uma forma diferente da forma como se movem. Para capturar, o peão move-se um quadrado diagonalmente (ver diagrama). O peão não pode voltar atrás.

O peão também tem um movimento especial chamado “En Passant”, que pode ler na secção de movimentos especiais abaixo.

Quando o peão atinge o outro lado do tabuleiro, tem a capacidade única de se mover para outra peça. O contador pode tornar-se Rainha, Bispo, Torre ou Cavaleiro. Não há limite para o número de unidades de um determinado tipo que você pode ter através da promoção.

Um tabuleiro de xadrez consiste em 64 caixas com um padrão de tabuleiro de xadrez. Existem quadrados de cor clara (chamados brancos) e quadrados de cor escura (chamados pretos). Existem 8 linhas e colunas, chamadas “linha” e “linha” respectivamente. O canto inferior direito deve ser um quadrado branco.

A organização de jogos de xadrez é bastante simples. As peças de xadrez são posicionadas da mesma forma para ambos os jogadores. As Torres estão nos cantos, os Cavaleiros são os próximos, depois os Bispos, as duas peças centrais são o Rei e a Rainha. Lembra-te, a rainha é de cor. A segunda linha inteira de cada jogador é ocupada pelos seus contadores.

Parte 3: O Objetivo do Xadrez

O objectivo no xadrez é fazer xeque-mate ao rei do seu adversário, e existem três formas possíveis de terminar o jogo:

Primeiro que tudo, podes verificar o teu adversário. Isto significa que o Rei está sob controlo (sob o ataque potencial de uma peça adversária) e o jogador não pode fazer nenhuma jogada legal para remover o Rei do cheque. Neste ponto, o jogo termina e o jogador de cheque perde. A quantidade de material a bordo não importa.

Em segundo lugar, você e o seu adversário podem encontrar-se num impasse – o rei do adversário não está atualmente sob control, mas terá de verificar com a sua próxima jogada. Uma vez que nunca poderás controlar o teu próprio rei, não terás nenhuma decisão legal a tomar. Um ponto morto não significa que o jogador atacante tenha ganho. Em vez disso, é um empate – nenhum jogador ganha.

Em jogos de tempo, cada jogador tem um tempo específico para fazer suas jogadas. Quando o seu tempo expira, eles perdem, independentemente do material no tabuleiro. Isto significa que você só pode ter a perna do seu rei e habilmente evitar tentativas de um adversário com a maioria das suas peças de xadrez ainda no tabuleiro e sempre ganhar o jogo se o seu adversário não tiver mais tempo disponível.

Parte 4: Movimentos Especiais

Roque

O roque é uma jogada especial de xadrez que envolve o Rei e a Torre. Esta é a única situação em que pode mover duas das suas peças de xadrez na mesma jogada. O Rei e a Torre aproximam-se e mudam de lugar. Para fazer isto, mova o seu rei não um, mas dois espaços para a Torre com que está a jogar. Em seguida, coloque a torre do outro lado do rei (veja o diagrama à direita). Isto pode ser feito do lado do rei ou da rainha, mas existem vários pré-requisitos:

O rei e a torre não podem ter se movido, não deve haver obstáculos entre eles, e o rei não deve passar no teste para completar o movimento.

O roque tem duas variantes: o roque grande e o roque pequeno. No pequeno castelo, o rei move dois quadrados para a torre do rei, ou seja, de e1 a g1, enquanto a torre vai para f1.

No grande castelo, o rei move-se para a torre da rainha de e1 a c1, e a torre vai para d1.

Em Passant

Este movimento especial é sobre o pedestre. Como mencionado acima, esta peça de xadrez tem a capacidade única de mover duas casas para a sua primeira jogada no tabuleiro.

Alguns podem tirar vantagem disto para evitar capturar um peão que se aproxima, passando a peça do adversário com esta jogada dupla. Se isto for feito, o outro jogador pode fazer uma captura de “passe”.

Mesmo que o peão tenha passado a casa de captura no lado oposto, este jogador pode mover a sua peça de xadrez diagonalmente, como faz na captura, para a casa onde o outro jogador saltou. O contador de movimento duplo é considerado capturado quando passa e é removido do tabuleiro.

Roque: Roque Grande e Roque Pequeno [Xadrez]
Vote nesse artigo

Receba nossas atualizações grátis!

Comente