Skate: História, Regras e Informações Sobre o Esporte

0
28

Os primeiros skates rudimentares começaram a aparecer na década de 1960, mas nessa época as pranchas eram pouco mais que brinquedos que imitavam pranchas de surfe e vinham com rodas de metal ou barro que tornavam praticamente impossível fazer qualquer coisa além de andar na rua mais suave. Skateboarding permaneceu neste estado até meados dos anos 1970, quando a primeira mania de skate tomou conta do mundo e da cultura do skate, como sabemos hoje começou a surgir.

Qual é a História do Skate?

O skate cresceu na metade até o final dos anos 70, com sua popularidade explodindo em todo o mundo. Avanços na tecnologia das rodas (em especial a invenção de Frank Naseworthy da roda de poliuretano ‘Cadillac’ em 1973) permitiram de repente que o skate se movesse para além do piso plano devido à melhor tração e durabilidade da roda e, por sua vez, tornou o número um o Globo.

Como sua popularidade aumentou a ideia de patrocínio e profissional de skate nasceu e os limites do que poderia ser feito em um skate foi empurrado para além de todas as expectativas e muitos dos truques básicos ainda feitos hoje foram inventados por esta primeira geração de rippers.

Patinadoras como Stacey Peralta, Tony Alva, Steve Olson, Duane Peters e Jay Adams ampliaram os limites dos truques de skate e o skate tornou-se uma atividade com um conjunto de truques definidos, em vez do brinquedo de influência anterior.

A década de 1970 também viu o início da ideia da instalação de skate personalizada com skateparks aparecendo em todas as principais cidades dos EUA e Europa. Infelizmente, muitos desses parques de skate foram construídos rapidamente e de maneira imprudente; muitas vezes por pessoas sem conhecimento de skate que estavam puramente interessadas em capitalizar o boom do skate. Infelizmente, isso criou uma situação em que os skatistas se machucavam em parques de skate mal construídos e muitas vezes processavam os proprietários do parque, fazendo com que milhares de patins se fechassem, às vezes menos de um ano após a abertura. Isso, combinado com a suposição geral de que o skate não passava de uma moda passageira, levou a uma situação de rebentamento e, no final da década de 70, apenas os skatistas mais experientes foram deixados para trás, muitas vezes sem piscinas.

No início dos anos 80, o skate estava virtualmente morto, pelo menos no que dizia respeito ao mainstream da sociedade, e o número de patinadores em todo o mundo era de milhares, ao contrário dos milhões de skatistas da década anterior.

Enquanto os poucos parques de skate restantes se fechavam, aqueles skatistas deixaram o assunto em suas próprias mãos e começaram a construir rampas verticais que imitavam seções das enormes tigelas encontradas nos parques de concreto originais dos anos 70.

Uma pequena mas próspera cena DIY evoluiu em torno dessas rampas construídas em casa, com competições em pequena escala feitas por skatistas, para as quais todos os envolvidos na cena do skate viajavam.

As poucas empresas que ainda saíram da década de 70 apoiaram esta cena DIY de quintal e promoveram o ressurgimento do skate, que por sua vez deu origem a uma nova mídia de skate na forma de revistas Thrasher e Transworld, ambas fundadas durante essa época.

O skate estava de volta aos olhos do público e, no final dos anos 80, o skate vertical estava no auge de sua popularidade, com profissionais como Christian Hosoi e Tony Hawk ganhando milhões de dólares por ano.

E então, quase tão logo chegou ao ascendente, o skate vertical estava morto (no que dizia respeito à mídia do skate).

Novas e menores empresas de propriedade de patinadores começaram a surgir no final do boom do skate vertical dos anos 80, que empurrou uma forma completamente diferente de skate, uma que nunca tinha sido vista antes e, mais importante, um tipo de skate que não não requer obstáculos personalizados.

Nascido de uma fusão de skate de estilo plano técnico da década de 1980 e uma ênfase recém-emergente na cultura de rua – o tempo da patinação de rua tinha chegado.

Liderada por Steve Rocco e sua família de marcas, a street skating assumiu o controle antes que as grandes vert vert da época anterior tivessem tempo de perceber.

Revistas e vídeos focados em skate técnico, novos truques e progressão, em oposição ao poder e consistência da cena vert e essa nova perspectiva assumiu. Novas marcas, novos profissionais e novos truques surgiram diariamente e, juntamente com a ascensão de câmeras de vídeo acessíveis e software de edição, começaram a espalhar esse novo movimento com o skate em todo o mundo.

Com a decolagem dos anos 90, o skate explorou muitos becos sem saída da tecnicalidade até que, finalmente, no final da década, a patinação de rua havia progredido para o poderoso fenômeno técnico que conhecemos hoje.

Na virada do milênio, o skate, em todas as suas formas, voltou a ser massivamente popular em todo o mundo. Eventos televisionados de “esportes radicais”, como os X-Games, trouxeram o skate para as casas de crianças em todo o mundo e, junto com o lançamento do popular videogame Pro Skater, de Tony Hawk, em 1999, o skate estava em toda parte mais uma vez.

A indústria do skate havia começado a diversificar-se até esse ponto e onde a indústria já havia sido composta de apenas um punhado de pequenas marcas, a partir de 2000, viu grandes empresas de calçados e vestuário (tanto patinadoras quanto não-patinadoras) começarem a oferecer grandes contratos de dinheiro para os melhores profissionais em uma escala que não era vista desde o final dos anos 80.

Começou a terceira Era de Ouro da construção do skatepark, reforçada pela popularidade sustentada do skate e pelos novos parques de skate modernos que começaram a aparecer em toda parte.

Embaixadores de skate como Tony Hawk se tornaram famosos no mundo exterior, o skate começou a aparecer em anúncios de TV para todos os produtos imagináveis ​​e o nível de progressão com o próprio skate superou as expectativas de qualquer um.

Mais e mais eventos de skate apareceram na grande mídia com competições como a Street League Series, a Dew Tour e a Maloof Money Cups em turnê pelo mundo e a introdução do skate para milhões de pessoas.

Quais são as Regras do Skate?

No skate, não há maneira direta de vencer. Na verdade, não há como realmente “ganhar” no skate, já que não é um esporte do tipo competição, onde há uma maneira de vencer. No entanto, o objetivo é simplesmente executar o melhor de sua capacidade. Dependendo das habilidades que você está fazendo, pode haver regras específicas para tornar essa habilidade válida ou para executá-la corretamente. Não há pontos sendo mantidos, e a duração do esporte varia de acordo com quanto tempo o skatista quer andar de skate. No entanto, se você estiver interessado em participar dos X Games, existem algumas regras. Existem 5 disciplinas nos X Games: Big Air, Street Women’s, Street Men, Vert Men’s e Vert Women’s. 

No Big Air, nove patinadores terão quatro saltos competindo por três pontos nas finais, onde se encontrarão com os três primeiros colocados do ano passado. Nas finais, cada um dos seis patinadores faz cinco saltos. A maior pontuação ganha. Esta competição não é cronometrada e é julgada em estilo, criatividade e amplitude. No Street Men’s, as finais são divididas em três sessões de quinze minutos. No final de cada sessão, os juízes classificarão os pilotos de 1 a 10 e atribuirão a cada piloto uma pontuação de 1 a 100, baseada na execução agressiva de manobras: conteúdo – o número, dificuldade, originalidade e variedade de manobras realizadas com sucesso; estilo, a ligação fluida de truques individuais e, o uso do curso e obstáculos do curso. Cada patinador pode acertar o recurso quantas vezes quiser no tempo previsto. Os juízes novamente classificam os pilotos 1-10 e atribuem a cada piloto uma pontuação de sessão de 1-100. 

As três pontuações da sessão são combinadas e divididas por três para dar a cada patinadora uma pontuação geral. As patinadoras são classificadas de 1-10 no quadro de líderes das finais. O concurso de mulheres da rua segue o mesmo formato que o dos homens com as seguintes pequenas alterações: haverá oito competidores, nenhuma sessão de seleção e haverá três sessões de sete minutos. Em Vert Men’s, cada um dos 10 competidores leva três corridas de 45 segundos com a melhor pontuação dos três servindo como a pontuação final para a classificação. Os competidores serão julgados com base na execução agressiva de manobras, grau de dificuldade, variedade, continuidade de corrida, originalidade e estilo, amplitude e uso da rampa.

O Vert Women’s é parecido, onde os oito skatistas vão patinar em uma jam session de 30 minutos e serão julgados pela originalidade, variedade e dificuldade das manobras realizadas. No final da sessão, eles serão classificados 1-8. O concurso de mulheres da rua segue o mesmo formato que o dos homens com as seguintes pequenas mudanças: haverá oito competidores, nenhuma sessão de seleção e haverá três sessões de sete minutos. Em Vert Men’s, cada um dos 10 competidores leva três corridas de 45 segundos com a melhor pontuação dos três servindo como a pontuação final para a classificação. 

Skate: História, Regras e Informações Sobre o Esporte
Vote nesse artigo


Receba nossas atualizações grátis!

Comente