Sonhar com Cachorro [Significado]

0
324

Os sonhos (do somnium latino, derivado do somnus, “sono”) são um fenômeno psicológico relacionado ao sono, em particular à fase REM, caracterizado pela percepção de imagens e sons que são reconhecidos pelo sujeito sonhador como aparentemente reais. O estudo e a análise dos sonhos levam ao reconhecimento de uma espécie de funcionamento mental com leis e mecanismos diferentes dos processos do pensamento consciente que são, ao invés, objeto de estudo da psicologia tradicional.

A arte divina que afirma interpretar sonhos é chamada de oniromancia, enquanto a capacidade de tomar consciência dos sonhos é chamada de ironia ou sonhos claros.

No século XX, Sigmund Freud, na sua famosa obra A Interpretação dos Sonhos, tentou explicar este método do aparelho paranormal descrevendo a psicologia dos processos de sonho e dividiu o funcionamento do aparelho paranormal em duas formas, que ele chamou de processo primário e processo secundário. Segundo esta teoria psicanalítica clássica, o sonho seria a realização alucinatória durante o sono de um desejo que permanece não realizado durante o dia.

Depois de Freud, muitos analistas de diferentes correntes se interessaram pelo sonho. Ronald Fairbairn fez contribuições originais em 1952, então o sonho seria um fenômeno esquizóide, a ser interpretado à luz da teoria dos objetos seccionais de Klein, na qual o aspecto simbiótico da personalidade era central.

Em 1962, Walter Bonime propôs uma teoria do sonho baseada na ideia de que o sonho é um auto-engano destinado a preservar e fortalecer um modelo de vida em que o aspecto social comportamental da personalidade é central.

Não há uma definição biológica geralmente aceite de sonhos. Em geral, existe uma forte semelhança com a fase REM, onde o eletroencefalograma detecta uma atividade cerebral semelhante à do despertar. Os sonhos que podemos recordar, que não surgiram durante a fase REM, são comparativamente mais insignificantes. Um homem sonha um total de seis anos da sua vida, cerca de duas horas por noite. Ainda não sabemos de onde vêm os sonhos, nem sabemos se eles vêm de uma área ou se mais de uma parte do cérebro contribui para eles, nem sabemos qual é a função dos sonhos para o corpo e para a mente.

Quando o corpo sente a necessidade de dormir, os neurónios perto dos olhos começam a enviar-lhe sinais. De acordo com Michael Smith, esses neurônios estão tão perto dos neurônios que eles controlam as pálpebras que começam a parecer “pesados”. As glândulas secretam uma hormona promotora do sono e os neurónios enviam sinais para a espinal medula que relaxam o corpo.

Em 1953, Eugene Aserinsky, então estudante de doutorado, usando um polígrafo para registrar ondas cerebrais durante o sono, descobriu a fase REM, observando que os olhos dos adormecidos se movem com as pálpebras fechadas. Em uma sessão, acordou um paciente que estava chorando durante a fase REM, e que pôde então encontrar confirmação como ele havia assumido previamente[6]. Aserinsky e o seu orador, Nathaniel Kleitman, publicaram os estudos na revista Science.

Em 1976, J. Allan Hobson e Robert McCarley propuseram uma nova teoria que mudou radicalmente o sistema de pesquisa e questionaram a anterior visão freudiana dos sonhos como desejos inconscientes que deveriam ser interpretados. A teoria da síntese-ativação afirma que as experiências sensíveis são fabricadas pelo córtex como um meio de interpretar sinais caóticos de pontes neuronais. Sugerem que, durante a fase REM, as ondas das sinapses ascendentes PGO (ponto-genicol-occipital) estimulam o cérebro médio superior e o cérebro anterior, criando movimentos rápidos dos olhos. O cérebro anterior, ou seja, ativado, sintetiza o sonho fora da informação gerada internamente. Eles também assumem que as mesmas estruturas induziriam a informação sensorial da fase REM.

Uma pesquisa realizada por Hobson e McCarley em 1976 sugere que os sinais interpretados como sonhos têm origem no tronco cerebral durante a fase REM. No entanto, a pesquisa de Mark Solms sugere que os sonhos são gerados em rombocefalia e que a fase REM e os sonhos não estão diretamente relacionados. Trabalhando no departamento de neurocirurgia dos hospitais de Joanesburgo e Londres, Solms teve acesso a pacientes com várias lesões cerebrais. Ele então começou a questionar os pacientes sobre seus sonhos e descobriu que aqueles que tinham sofrido danos ao lobo parietal tinham parado de sonhar; esta descoberta foi consistente com a teoria de 1977 de Hobson. No entanto, Solms não encontrou nenhum caso de perda da capacidade de sonhar em pacientes com lesões do tronco cerebral. Esta conclusão levou-o a questionar a teoria dominante de Hobson de que o tronco é a fonte dos sinais que são interpretados como sonhos. Solms formulou a idéia do sonho de acordo com múltiplas e complexas estruturas cerebrais, confirmando a premissa da teoria do sonho freudiano, uma ideia que encontrou a crítica de Hobson.

Combinando a pesquisa de Hobson e Solms, a teoria da ativação contínua do sonho apresentada por Jie Zhang propõe que o sonho é o resultado da ativação e síntese do cérebro ao mesmo tempo, já que o sonho e a fase REM do sono são controlados por diferentes mecanismos no cérebro. Zhang levantou a hipótese de que as funções do sono são uma espécie de transferência de informação da memória a curto prazo para a memória a longo prazo, embora não haja certeza absoluta sobre a teoria da “consolidação” da memória. O sono não-REM trata da memória relativa consciente e o sono EM trata da memória relativa e inconsciente (memória processual).

Zhang assumiu que durante a fase REM, a parte inconsciente do cérebro está ocupada processando memória processual; enquanto isso, o nível de atividade na parte consciente do cérebro cai a um nível muito baixo porque as contribuições do sensorial, que está basicamente desconectado. Isto provoca o mecanismo de “ativação contínua” que gera um fluxo de dados da memória armazenada para a parte consciente do cérebro. Zhang propõe que com o envolvimento do sistema de pensamento e associação, o sonho, o cérebro do sonhador mantenha a mesma memória até sua posterior inserção. Isso explicaria porque os sonhos têm características de continuidade (em um sonho) e mudanças súbitas (entre dois sonhos).

Eugen Tarnow sugeriu que os sonhos são uma forma de estimulação contínua da memória de longo prazo ao longo da vida. A estranheza dos sonhos se deve à configuração da memória de longo prazo, ciente dos achados de Wilder Penfield e Rasmussen de que a estimulação elétrica do córtex cerebral geraria experiências sensoriais semelhantes às dos sonhos.

Durante a atividade diária normal, uma função executiva interpreta a memória de longo prazo, verificando a veracidade dos eventos individuais. A teoria de Tarnow é uma reescrita da teoria dos sonhos de Sigmund Freud, na qual o inconsciente é substituído pelo sistema de memória de longo prazo e o trabalho dos sonhos de Freud descreve a estrutura da memória de longo prazo.

Freud tem repetidamente expressado sua concepção através de sua conhecida formulação de que “o sonho é o principal meio de explorar o inconsciente”.
É com a interpretação dos sonhos que nasce a disciplina de investigação psicológica profunda chamada psicanálise.

O desenvolvimento da psicanálise tem sido acompanhado pela elaboração e, portanto, pela análise e interpretação dos sonhos não só dos pacientes, mas também dos próprios analistas.

Freud passava muito tempo, como Jung e todos os outros psicanalistas especialistas, analisando seus sonhos. De fato, sobre esta questão, é seguro dizer que a psicanálise nasce com o ato reflexivo de Freud de recuar sobre os conteúdos vindos do inconsciente que lhe foram revelados através das imagens oníricas de seus sonhos. Ao fazê-lo, ele foi o primeiro a começar a seguir um novo caminho de conhecimento que o fez pioneiro e pai da moderna psicologia da psicanálise e que rapidamente atraiu um grande número de médicos e pacientes que queriam empreender tal caminho que, como Freud apontou desde o início, era apenas secundariamente uma psicoterapia sendo psicoterapêutica acima de tudo uma forma de saber.

Freud, por sua formação, tendia a estar em fase de ciência oficial, mas a psicanálise nasceu justamente porque Freud não se conformava com a ciência da época, que não dava sentido sério ao sonho e à sua linguagem específica, e estava mais em fase com a longa tradição das crenças populares.

A psicanálise sempre viu uma inteligência em ação no conteúdo do pensamento que emerge gradualmente da atividade dos sonhos, um conteúdo que alguns psicanalistas têm chamado mais simplesmente de conteúdo do inconsciente e outros também de mensagens do inconsciente, mas para ambos têm uma inteligência.

À medida que esse trabalho de interpretação de sonhos avançava, a psicanálise como ciência viva se tornava mais clara, mudando gradualmente sua teoria geral do sonho, criando também várias escolas de pensamento sobre o assunto. No entanto, o sonho e a interpretação do sonho constituem a base que deu origem a esta disciplina e determinou o seu desenvolvimento e criatividade.

Segundo Freud, o sonho é uma das formas mais eficazes de observar fantasias longe da zona de consciência durante o dia, mas que são representadas como numa espécie de teatro à noite. Os dois principais mecanismos responsáveis pela transformação e representação da matéria sonhada são o deslocamento (do objeto representado) e a condensação (um crepitar de temas e símbolos). Isto permite que a manhã recorde, por um período de tempo, imagens mentais e emoções relacionadas, que são normalmente censuradas. Os psicanalistas aprendem a interpretar os sonhos após um longo período de análise, chamado treinamento.

Qual o Significado de Sonhar com Cachorro?

Sonhar com cachorro significa, normalmente, bom presságio, pois é um símbolo de lealdade. O sonho com cachorro representa as amizades verdadeiras, o sucesso social e profissional, além das soluções para os problemas no campo afetivo. 

O significado de sonhar com cachorro é, normalmente, bom presságio, pois simbolizam a amizade. Quando quem sonha vê o seu próprio cão é sinal de que será amparado por um amigo verdadeiro; e, se o cão pertencia a outra pessoa, é certo que será solicitado a prestar auxílio a pessoa de suas relações. Se o cão do seu sonho era de grande porte, espere sucesso social; se era de pequeno porte, certamente terá que lutar para alcançar seu maior objetivo, o que conseguirá realizar logo.

Encontrar um cão da polícia é aviso para que não se envolva em questões alheias, evitando desentendimentos desnecessários; e, se viu um cão de caça, aguarde novidades em família. Não se preocupe, conseguirá resolver questões pendentes, caso tenha visto, em sonho, um cão com aparência incomum. Ver um cão de guarda ou um cão guia é certeza de que surgirão oportunidades no setor profissional. Se o cão mostrou-se amigável, grandes e novas amizades o ajudarão a encontrar a solução para um problema no campo afetivo; contudo, se o cão mostrou-se ameaçador, não se preocupe dias melhores virão. Quando, em sonho, cães aparecem brigando, é conselho para que adie as discussões de negócios por alguns dias. Ver um cão atacando alguém ou destruindo objetos é sinal de que você precisa dar mais atenção às pessoas a sua volta; mas, ver um cão ser atacado por outro animal ou pelo homem é aviso para que cuide da saúde, enfermidade leve.

Receba nossas atualizações grátis!

Comente