Tabuada dos Números de 1 a 10 [Matemática]

0
211

História da Matemática

A história da matemática é quase tão antiga quanto a própria humanidade. Desde a antiguidade, a matemática tem sido fundamental para os avanços da ciência, engenharia e filosofia. Ela evoluiu da simples contagem, medição e cálculo, e o estudo sistemático das formas e movimentos dos objetos físicos, através da aplicação da abstração, imaginação e lógica, à ampla, complexa e frequentemente abstrata disciplina que conhecemos hoje.

Desde os ossos entalhados do homem primitivo até os avanços matemáticos trazidos pela agricultura estabelecida na Mesopotâmia e no Egito e os desenvolvimentos revolucionários da Grécia antiga e seu império helenístico, a história da matemática é longa e impressionante.

O Oriente carregava o bastão, particularmente a China, a Índia e o império islâmico medieval, antes que o foco da inovação matemática voltasse para a Europa no final da Idade Média e na Renascença. Então, toda uma nova série de desenvolvimentos revolucionários ocorreu na Europa do século XVII e XVIII, preparando o terreno para a crescente complexidade e abstração da matemática do século XIX, e finalmente as descobertas audaciosas e às vezes devastadoras do século XX.

A matemática pode ser definida como “o estudo das relações entre grandezas, grandezas e propriedades, e também das operações lógicas pelas quais quantidades, magnitudes e propriedades desconhecidas podem ser deduzidas” ou “o estudo da quantidade, estrutura, espaço e mudança”.

Historicamente, era considerada como a ciência da quantidade, seja de magnitudes (como na geometria) ou de números (como na aritmética) ou da generalização desses dois campos (como na álgebra). Alguns viram isso em termos tão simples quanto uma busca por padrões.

Durante o século XIX, no entanto, a matemática ampliou-se para abranger a lógica matemática ou simbólica, e assim passou a ser vista cada vez mais como a ciência das relações ou de tirar as conclusões necessárias (embora alguns considerem isso restritivo demais).

A disciplina da matemática abrange agora – além dos campos mais ou menos padrão da teoria dos números, álgebra, geometria, análise (cálculo), lógica matemática e teoria dos conjuntos, e matemática mais aplicada, como teoria da probabilidade e estatística – uma série desconcertante de áreas especializadas e campos de estudo, incluindo teoria dos grupos, teoria da ordem, teoria dos nós, teoria dos feixes, topologia, geometria diferencial, geometria fractal, teoria dos grafos, análise funcional, análise complexa, teoria das singularidades, teoria das catástrofes, teoria do caos, teoria das medidas teoria, teoria da categoria, teoria do controle, teoria dos jogos, teoria da complexidade e muito mais.

História da Tabuada

Embora não se saiba exatamente quem inventou a tabuada de multiplicação, os cientistas sabem que os antigos babilônios usavam tabuadas de multiplicação por volta de 1800 aC. A mais antiga tabela de multiplicação usando a base 10 foi encontrada na China e data de 305 aC.

Os antigos babilônios foram provavelmente a primeira cultura a criar as tabuadas de multiplicação. Eles fizeram sua matemática em tabletes de argila, alguns dos quais sobreviveram até hoje. À medida que sua civilização crescia, eles precisavam fazer matemática cada vez mais sofisticada para ajudá-los a construir e operar. Para acelerar os cálculos, os comerciantes carregavam essas tabuadas de multiplicação, da mesma forma que os engenheiros modernos carregam calculadoras em seus bolsos.

As antigas tabuadas de multiplicação babilônicas usavam a base 60 e não tinham um valor para o número zero. Seus números variavam de 1 a 59 e não havia pontos decimais. Mesas de multiplicação babilônicas foram descobertas escritas em tábuas de argila.

Mesas de multiplicação chinesas antigas tinham um valor para o número zero e foram encontradas escritas em tiras de bambu. A tabela de multiplicação chinesa mais antiga sobe para 99,5.

Aqueles que conseguiam lembrar essas tabuadas de cor podiam negociar com mais sucesso do que aqueles que precisavam usar as tabuadas. Mas poupe um pensamento para os antigos alunos babilônicos. Porque eles contavam em potências de 60 ao invés dos poderes de 10 que usamos hoje, eles eram obrigados a saber suas somas até a mesa de 59 vezes.

Assim como aprender a andar antes de correr, aprender multiplicação e memorizar as tabuadas numéricas são blocos de construção para outros tópicos de matemática ensinados na escola – ensino superior, como divisão, multiplicação prolongada, frações e álgebra. Os alunos que não memorizaram as tabuadas acharão esses níveis de matemática muito mais difíceis do que precisam ser. Não há tempo para pegar uma calculadora ou levar 20 segundos para elaborar uma estratégia de matemática antes de chegar à resposta. Os alunos que não dominam suas tabuadas muitas vezes ficam para trás em matemática (e outros assuntos que usam matemática) e começam a perder a confiança. Tudo porque não memorizaram as tabuadas. 

Conhecer seus fatos de multiplicação é útil não apenas em acadêmicos; Freqüentemente usamos multiplicação em nossas vidas diárias. Podemos precisar dele ao dobrar uma receita, determinar um desconto em uma loja ou descobrir nossa hora prevista de chegada ao viajar. Cálculos matemáticos são elementos subconscientes no trabalho, brincadeiras e tarefas diárias. Conhecer as tabuadas pode ajudar tarefas simples a serem executadas rapidamente e economizar tempo e estresse. 

Calculadoras são ótimas ferramentas para descobrir cálculos complexos. No entanto, usar uma calculadora leva muito mais tempo para fatos simples e pode resultar em erros de digitação. Alunos que dependem de calculadoras também são fracos em estimar habilidades e desconhecem respostas erradas que ocorrem devido a erros de digitação. Além disso, calculadoras não são permitidas em muitos testes e exames de admissão. 

A memorização pode ser facilitada por técnicas de concentração, ensaio e memorização. Lembre-se de concentrar seu tempo limitado nos fatos que precisam ser aprendidos. Removendo os fatos que eles já conhecem e aprendendo os fatos recíprocos juntos (ou seja, 6×7 e 7×6), há surpreendentemente poucos para memorizar. Revise todos os fatos ocasionalmente para ter certeza de que eles foram mantidos na memória de longo prazo. Música, histórias e associações visuais podem ajudar na retenção. 

Em alguns casos, a incapacidade de memorizar pode sugerir dificuldades de aprendizagem. Se o seu filho estiver constantemente com dificuldades em memorizar factos matemáticos ou outros elementos de aprendizagem, é aconselhável investigar desafios de aprendizagem ou deficiências e procurar aconselhamento médico. Emoções negativas, como ansiedade, estresse e conflito, também podem reduzir os resultados da aprendizagem e até impedir que novas informações sejam memorizadas. Encoraje e apóie seu filho em vez de ficar frustrado e com raiva quando tiver dificuldades. Remova as distrações e crie um ambiente de aprendizagem confortável e agradável. Envolva seu filho na escolha de seu próprio horário de prática. 

A tarefa chata de memorização pode ser mais divertida através de música, jogos e atividades que reforçam a repetição dos fatos de matemática. Trabalhar com o seu filho para completar esse objetivo pode ser um tempo de união, enquanto você joga e canta músicas. Você também terá a oportunidade de ajudá-los a aprender as importantes habilidades da vida de memorização e estabelecimento de metas. 


Confira a Tabuada dos Números de 1 a 10

5 (100%) 1 voto

Receba nossas atualizações grátis!

Comente