Tipos de Climas do Brasil

0
212

Os tipos de climas do Brasil variam consideravelmente, principalmente do Norte tropical (o equador atravessa a foz do Amazonas) às regiões temperadas ao sul do Trópico de Capricórnio (23 ° 26 ‘S). As temperaturas inferiores ao equador são elevadas e são em média acima de 25 ° C (77 ° F), mas não atingir os extremos verão de até 40 ° C (104 ° F) nas zonas temperadas.  

Existem poucas diferenças sazonais perto do equador, embora às vezes possa ser legal o suficiente para usar uma jaqueta, especialmente na chuva. As temperaturas médias abaixo do Trópico de Capricórnio são suaves e variam de 13 ° C a 22 ° C. No outro extremo do país há geadas ao sul do Trópico de Capricórnio e no inverno (junho a setembro). A neve cai no planalto e nas montanhas das montanhas dos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná. Isso é possível nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Mato, mas muito raramente Grosso do Sul.  

As cidades de Belo Horizonte, e Brasília, devido à sua altitude de cerca de 1000 metros temperaturas moderadas, que são normalmente entre 15 e 30 ° C (59 e 86 ° F). Rio de Janeiro, Recife e Salvador na costa têm um clima quente com uma temperatura média de 23 a 27 ° C (73 a 81 ° F), mas ventos constantes. As cidades de São Paulo, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre têm um clima subtropical semelhante ao que no sul dos Estados Unidos, e as temperaturas podem cair abaixo de zero no inverno.   

A precipitação varia muito. No Brasil, na maioria dos casos, a precipitação moderada é entre 1.000 e 1.500 mm por ano. A maior parte da chuva cai no verão (entre dezembro e abril) ao sul do equador. A região amazônica é notoriamente úmido, com chuvas de mais de 2.000 mm por ano e em partes da Amazônia ocidental e perto de Belém até 3.000 mm. Menos conhecido é que a floresta amazônica apesar da elevada precipitação anual tem de três a cinco meses estação seca, que varia no tempo, dependendo da localização ao norte ou ao sul do equador. 

A precipitação alta e relativamente regular na Amazônia contrasta com a seca do nordeste em forma de lua crescente, onde a precipitação é muito imprevisível e secas severas ocorrem em ciclos com uma média de sete anos. O nordeste é a parte mais seca do país. A região também é a parte mais quente do Brasil, onde durante a estação seca, entre maio e novembro, foram medidas temperaturas de mais de 38 ° C (100 ° F).  

O Sertão, uma região de semiprados, usada principalmente para a pecuária de baixa densidade, fica verde quando chove. A maior parte do Centro-Oeste tem entre 1.500 e 2.000 mm de chuva por ano, com uma estação seca pronunciada no meio do ano, enquanto o sul e a maior parte do leste não têm uma estação seca pronunciada. Como a Bacia do Atlântico Sul geralmente não é um ambiente favorável para o seu desenvolvimento, o Brasil raramente experimentou ciclones tropicais. Os centros populacionais na costa do país não estão, portanto, sobrecarregados com a necessidade de se preparar para os ciclones, assim como as cidades com latitudes similares nos Estados Unidos e na Ásia. 

Clima Geral do Brasil

Embora a maioria do Brasil esteja nos trópicos, mais de 60% da população brasileira vive em áreas que são resfriadas por grandes altitudes, brisas marítimas ou frentes polares. Enquanto as cidades costeiras de Rio de Janeiro, Recife e Salvador podem ser extremamente quente, cidades das terras altas, como São Paulo, Brasília e Belo Horizonte têm um clima ameno, enquanto as cidades do sul de Porto Alegre e Curitiba têm invernos suaves, Curitiba contrastam um Verão quente devido à altura média Com 934,6 metros, Porto Alegre tem um verão quente com uma altitude média de apenas 10 metros.  

Apesar da imagem popular da Amazônia como uma região com calor ardente, as temperaturas de mais de 32 ° C (90 ° F) são realmente raras. A temperatura média anual na região é de 22 a 26 ° C, com pouca diferença entre os meses mais quentes e os mais frios. A parte mais quente do Brasil é o nordeste, onde as temperaturas secas entre maio e novembro costumam exceder 38 ° C (100 ° F). Na costa do Atlântico, do Recife ao Rio de Janeiro, as temperaturas médias estão entre 23 e 27 ° C (73 a 81 ° F). No interior, as temperaturas são mais altas em terrenos mais altos e estão entre 19 e 21 ° C (66 a 70 ° F). Ao sul do Rio, as estações do ano são mais claras e a faixa de temperatura é muito mais ampla.  

A temperatura média anual é entre 17 e 19 ° C (63 e 66 ° F). chuva mais forte do Brasil cai em torno da foz do Amazonas perto da cidade de Belém, e também nas regiões superiores da Amazônia, onde a cada ano mais de 2.000 milímetros de chuva cair. O clima quente permite que muitas plantas cresçam aqui. A maior parte do Brasil tem chuvas moderadas entre 1.000 e 1.500 milímetros (39 e 59 polegadas) por ano, a maioria entre dezembro e abril. A parte mais seca do país é o nordeste, onde a chuva é irregular e a taxa de evaporação é muito alta, o que dificulta o cultivo.  

A temperatura mais alta oficialmente registrada no Brasil foi de 44,7 ° C (112,5 ° F) em 21 de novembro de 2005 em Bom Jesus, Estado do Piauí. [2] A temperatura mais baixa oficialmente registrada no Brasil foi de -14 ° C (7 ° F) em 11 de junho de 1952 em Caçador, Santa Catarina. O pico de Morro da Igreja, uma montanha no município Urubici, também em SC, como medido informalmente uma temperatura de -17,8 ° C, em 30 de Junho de 1996 (0,0 ° F).

Clima por Região

Região Sudeste

Os trópicos, a topografia muito irregular e o sistema circulatório disrupto influenciam fortemente a climatologia do Sudeste e a temperatura é bem diferente. A temperatura média anual é de entre 20 ° C (68 ° F), na fronteira entre São Paulo e Parana a 24 ° C no norte de MG, ao mesmo tempo que nas regiões elevadas da Mantiqueira e Serra do Mar pode ser a temperatura média média devido ao efeito combinado da latitude com a freqüência das correntes polares abaixo de 18 ° C.  

No verão, principalmente no mês de janeiro, as temperaturas médias médias entre 30 e 32 ° C nos vales dos rios São Francisco e Jequitinhonha na Zona da Mata (Zona da Mata) de Minas Gerais, nas terras baixas do litoral e oeste do Estado de São Paulo , No inverno, a temperatura normal média entre 6 e 20 ° C (43-68 ° F), com um mínimo absoluto -4 e 8 ° C (25 ° a 46 ° F), as temperaturas mais baixas são as maiores altitudes. Em vastas áreas de Minas Gerais e São Paulo, eventos de geada foram registrados depois de passar pela frente polar.  

Em termos de precipitação, existem duas regiões com fortes chuvas: uma ao longo da costa e da Serra do Mar, onde a precipitação é suprimida pelas correntes do sul; e a outra a partir do oeste de Minas Gerais até o distrito do Rio de Janeiro, onde as chuvas são trazidas através do sistema de Westerly. A precipitação anual total nessas áreas é superior a 1.500 mm. Na Serra da Mantiqueira estes índices ultrapassam 1.750 mm e no topo de Itatiaia 2340 mm.  

Na Serra do Mar, em São Paulo, chove em média mais de 3.600 mm (141,7 in). Perto de Paranapiacaba e Itapanhaú, a precipitação máxima foi medida em 4.457,8 mm (175,50 polegadas) em um ano. Nos vales dos rios Jequitinhonha e Doce, os menores índices pluviométricos anuais são medidos em torno de 900 mm. O índice pluviométrico máxima da região Sudeste normalmente ocorre em janeiro e o mínimo em julho, enquanto a estação seca é normalmente concentrada no Inverno e nos vales dos rios Jequitinhonha e São Francisco de seis meses leva dois meses na Serra do Mar e Serra da Mantiqueira. 

Região Nordeste

A caracterização climática da região nordeste é um tanto complexa, e os quatro sistemas de circulação que influenciam a região são chamados de sistemas de correntes perturbadas no sul, norte, leste e oeste. O sistema de correntes perturbadas do sul é representado pelas massas polares que atingem a área na primavera / verão, nas áreas costeiras ao sul da Bahia, onde traz as chuvas frontais e frontais.  

No inverno, as massas polares chegam até a costa de Pernambuco, enquanto as regiões do interior permanecem sob a influência da massa tropical. O sistema de Convergência Intertropical (CIT) de correntes norte-americanas perturbadas também produz chuvas em Pernambuco, próximo ao Raso da Catarina, do verão ao outono. Por outro lado, os fluxos de leste no inverno são mais comuns, e nas regiões costeiras precipitações são abundantes exuberante, atingindo ou raramente as placas de Borborema (800 m) e Chapada Diamantina (1.200 m) 3937 pés). Por fim, o sistema das correntes ocidentais, causado pelas linhas de Instabilidade Tropical (TI), ocorre do final da primavera ao início do outono, e raramente atinge os estados do Piauí e Maranhão. As temperaturas são altas, com médias anuais entre 20 e 28 ° C (68,0 e 82,4 ° F), com máximos de cerca de 40 ° C (104 ° F) observados no sul do Maranhão e Piauí.  

Nos meses de inverno, principalmente nos meses de junho e julho, são geradas temperaturas mínimas entre 12 e 16 ° C (53,6 e 60,8 ° F) nas regiões costeiras. Nas altas planícies, onde as temperaturas estavam em torno de 1 ° C (33,8 ° F), as temperaturas são muito mais baixas na Chapada Diamantina após a passagem de uma frente polar. A pluviosidade da área é complexa e causa preocupação: os valores anuais totais variam de 2.000 mm a menos de 500 mm, como demonstrado no Raso da Catarina entre Bahia e Pernambuco na depressão de Patos na Paraíba. Em geral, a precipitação média anual no nordeste é inferior a 1.000 mm – na cidade de Cabaceiras, no interior da Paraíba, o menor índice pluviométrico registrado no Brasil foi medido em 278 mm (10,9 polegadas). / Ano. Além da estação chuvosa no interior desta área, a estação chuvosa é geralmente de apenas dois meses por ano, às vezes não acontece em poucos anos, levando às secas regionais mencionadas. 

Região Sul

A região sul está abaixo do Trópico de Capricórnio em uma zona temperada. É influenciada pelo sistema de circulação perturbada do sul, o que provoca a chuva principalmente no verão. Também é influenciado pelo sistema de circulação perturbada do oeste, que causa chuva e tempestades, às vezes granizo, e gera ventos com choques de 60 a 90 km / h.  

Em termos de temperaturas, o inverno é frio e o verão é quente. As temperaturas médias anuais estão entre 14 e 22 ° C (57,2 a 71,6 ° F), e em altitudes acima de 1100 m (3,609 pés), a temperatura cai para cerca de 10 ° C. Algumas partes da região sul também têm um clima oceânico. No verão, principalmente em janeiro, a temperatura média é nos vales dos rios Paranapanema, Paraná e Ibicuí-Jacuí acima dos 24 ° C (75,2 ° F), e a temperatura média do rio Uruguai a 26 ° C (78,8 ° F) , A temperatura máxima média permanece entre 24 e 27 ° C (75,2 a 80,6 ° F) nas superfícies elevadas do platô e nas faixas mais baixas entre 30 e 32 ° C (86,0 e 89,6 ° F).  

No inverno, principalmente, em Julho, a temperatura média se mantém relativamente baixa e pode variar de 10 a 15 ° C (50 e 59 ° F), com a excepção dos vales do Paranapanema e Paraná, junto à costa do Paraná e SC. A média é de cerca de 15 a 18 ° C (59,0 a 64,4 ° F). A temperatura média alta também é baixa e está entre 20 e 24 ° C nos vales grandes e na costa e entre 16 e 20 ° C na região do planalto. A temperatura mínima média varia de 6 a 12 ° C (42,8-53,6 ° F), e o termômetro registado frequentemente temperaturas na vizinhança de 0 ° C ou abaixo, acompanhado pelo gelo e neve, como resultado da invasão de compostos polares. A pluviosidade média anual varia entre 1.250 e 2.000 milímetros, exceto no litoral do Paraná e oeste de Santa Catarina, onde os valores são mais de 2.000 mm e no norte do Paraná e em uma pequena área costeira de Santa Catarina, que até 1250 mm tem tiros mais profundos. Os índices pluviométricos máximos ocorrem no inverno e o mínimo no verão em quase todo o ambiente. 

Região Norte

A parte norte do Brasil inclui uma grande parte da bacia amazônica e forma a maior extensão da floresta quente e úmida da Terra. A região tem uma altitude baixa (0 a 200 m) e é atravessada pelo equador. 

Existem quatro sistemas principais de circulação atmosférica que operam na região: os sistemas eólicos do nordeste (NE) para o leste (E) do Atlântico Sul e os Açores, os anticiclones subtropicais, que são geralmente estáveis; Sistema de vento oeste (W) do transportador de massa continental (mEC); Sistema Eólico do Norte (N) de Convergência Intertropical (CIT); e Sistema de Vento do Sul (S) do Anticiclone Polar. Esses três últimos sistemas são responsáveis ​​pela variabilidade do clima e pela chuva no ambiente.  

Em termos de temperaturas, o clima é quente e as temperaturas médias anuais variam entre 24 a 26 (75,2 a 78,8). Na pluviosidade, não há homogeneidade como ocorre à temperatura. Na foz do rio Amazonas, no litoral do Pará e na parte oeste da região, o índice pluviométrico anual é superior a 3.000 mm (118,1 pol.). Na direção do NO-SE, de Roraima ao leste do Pará, menos chuva cai. O valor total anual está entre 1.500 e 1.700 mm (59.1 a 66.9 in). A estação chuvosa da região ocorre no verão e no outono, com exceção de Roraima e a parte norte da Amazônia, onde no inverno os índices pluviométricos máximos ocorrem devido à influência das condições climáticas do hemisfério norte. 

Região Centro-Oeste

Existem três na região centro-oeste Sistemas de circulação: o sistema de correntes perturbadas do Ocidente, representado por eventos instáveis ​​durante o verão; Sistema de Corrente Perturbada do Norte, representado pela Convergência Intertropical (CIT), causando chuvas no norte da região durante o verão, outono e inverno; e o sistema de correntes perturbadas do sul, representado pelas frentes polares, que entra na área com grande frequência no inverno e provoca chuvas de um a três dias de duração.  

Nos extremos norte e sul da região, a temperatura média anual é de 22 ° C e nas Chapadas entre 20 e 22 ° C (68,0 a 71,6 ° F). Na primavera e no verão, as temperaturas são geralmente altas e a média do mês mais quente varia entre 24 e 26 ° C (75,2 a 78,8 ° F). As máximas médias de setembro (mês quente) oscilam entre 30 e 36 ° C (86,0 e 96,8 ° F).  

O inverno é uma época interessante. Baixas temperaturas são comuns. Isso é causado pela invasão polar que cria o clima frio, que é muito comum nesta época do ano. A temperatura média do mês mais frio é entre 15 e 24 ° C (59,0 e 75,2 ° F), e a média das temperaturas mínimas está entre 8 e 18 ° C (46,4 a 64,4 ° F). Temperaturas mínimas são às vezes negativas. A caracterização da abundância da região é quase exclusivamente devido ao sistema de circulação atmosférica.  

A meia estação varia de 2.000 a 3.000 mm no norte de Mato Grosso e 1.250 mm no Pantanal. Apesar dessa desigualdade, a região é bem suprida de chuva. Sua sazonalidade é tipicamente tropical, máxima no verão e mínima no inverno. De novembro a março, mais de 70% de toda a precipitação se acumula durante o ano. O inverno é muito seco porque as chuvas são muito raras. 

5 (100%) 1 voto

Receba nossas atualizações grátis!

Comente