Lenda do Boto [História]

0
81

O golfinho do rio Amazonas (Inia geoffrensis) recebe vários nomes. Em inglês, costuma ser chamado de golfinho-de-rosa devido à sua coloração rosada, embora alguns sejam tons de cinza. Em espanhol é conhecido como o delfín rosado, ou na Colômbia, Equador e Peru como o bufeo colorado. Na Amazônia brasileira, entretanto, o nome boto cor-de rosa (ou apenas boto) é usado para esses golfinhos charmosos mas enigmáticos.

Apesar dos nomes variados, uma coisa permanece constante: o golfinho rosa do rio mantém um status semi-mítico em toda a selva amazônica, graças às lendas coloridas que surgiram em torno dele.

Uma das lendas mais difundidas na Amazônia é a do golfinho do rio que muda de forma. De acordo com essa lenda, à noite o golfinho se transforma em um homem alto, bonito e elegantemente vestido. O homem, vestido todo de branco de acordo com algumas versões e às vezes usando um chapéu (para cobrir sua boca), pisa em terra e sai para seduzir as esposas e filhas das aldeias amazônicas. Alguns dizem que ele vai a festas locais e encanta a garota mais bonita da festa. Ele então impregna a mulher, antes de retornar ao rio quando o sol nasce. Em algumas versões, a mulher não se lembra de nada – e depois vem a gravidez inesperada.

O mito do boto-cor-de-rosa tem sido usado em diversas partes isoladas da Amazônia como uma história para as mulheres evitarem gravidez indesejada ou escandalosa, seja ela o resultado de um caso clandestino, um ato de incesto ou outra ação ilegal ou desonrosa. Na Amazônia brasileira, uma criança sem pai ainda é frequentemente chamada de “filha do boto”.

Outra lenda serve como um aviso para os filhos dos perigos de nadar no rio sozinho. De acordo com esse mito, o boto-cor-de-rosa, de vez em quando em forma humana, levar nadadores solitários – crianças e adultos, homens e mulheres – ao mundo místico subaquático de Encante, do qual jamais poderão retornar. No lado positivo, o reino subaquático é frequentemente descrito como um paraíso semelhante à Atlântida, não muito diferente do mundo real, mas melhor em todos os aspectos.

Nas águas muitas vezes turvas da Amazônia e seus afluentes, pode ser difícil detectar um peixe-boi amazônico. Além disso, essas criaturas magras, gordas, mas bonitas, são classificadas como vulneráveis, sua população em risco de caça e perda de habitat, o que os torna ainda mais difíceis de serem vistos na natureza. Segundo a lenda local, o golfinho do rio rosa é o guardião do peixe-boi. E se você quiser ver um, você primeiro tem que fazer as pazes com o golfinho do rio, que então lhe concederá acesso ao peixe-boi.

Uma das razões pelas quais o boto cor-de-rosa ainda não atingiu o status de perigo é a reverência que ele comanda em certas partes da Amazônia. Este animal é considerado uma criatura sagrada por muitos indígenas da Amazônia, e matar um deles, seja intencionalmente ou por acidente, é considerado um grande azar para o assassino. Ainda mais má sorte vai chover sobre quem come um golfinho do rio.

Se você apontar um golfinho do rio próximo a um pescador local, não se surpreenda se eles se recusarem a olhar. Em algumas partes da Amazônia, fazer contato visual direto com um boto-cor-de-rosa é uma coisa perigosa. Ele irá desencadear uma vida inteira de pesadelos, condenando-o para sempre a terríveis sonhos e noites de terríveis visões induzidas por golfinhos.

Os elegantes golfinhos-do-rio cinzento e rosa que deslizam majestosamente pelas águas cor de chocolate do rio Amazonas nem sempre são pensados ​​em termos tão brilhantes. De fato, muitos moradores da bacia amazônica consideravam-nos uma má sorte ou mesmo um mal. Acredita-se que esses mitos impediram que pessoas locais os matassem intencionalmente e que, na verdade, desempenharam um papel na estabilidade da população de golfinhos do rio Amazonas. Mas outras coisas podem ser ameaças, já que seus habitats costumam ser poluídos ou bloqueados por barragens, e podem ser acidentalmente apanhados em redes de pesca.

Embora os golfinhos do rio sejam uma espécie em risco, eles florescem há séculos, em parte porque as pessoas locais acreditam que possuem poderes mágicos. Como você descobriu a partir dos guias nascidos na Amazônia em uma viagem de barco no Peru, várias lendas cercam os golfinhos do rio conhecidos localmente como botos. E uma vez que você os veja por si mesmo, sem dúvida você será levado por seus poderes sedutores também.

Segundo a lenda, durante o dia, os botos-cor-de-rosa conduzem seus negócios habituais de golfinhos. Mas uma vez que o sol se põe, eles se transformam em belos jovens vestidos de branco. Eles vêm em terra, estritamente com o propósito de seduzir as esposas e jovens das aldeias locais e impregná-las. Antes do sol nascer, esses encantados que mudam de forma se transformam em golfinhos.

Lenda do Boto [História]
5 (100%) 1 voto

Comente